×

Crise dos combustíveis | Locaute paralisa caminhoneiros de transportadoras de combustíveis em 3 estados do país

Locaute patronal paralisou caminhoneiros que impediram o abastecimento em refinarias em 3 estados. Ao mesmo tempo Bolsonaro discursava em Pernambuco dando aval para um auxílio aos caminhoneiros de R$400,00 até dezembro de 2022, mostrando disposição em manter essa base de apoio visando as eleições do ano que vem.

sexta-feira 22 de outubro | Edição do dia

Foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press

Transportadoras de combustíveis deram início a um locaute patronal em três estados na manhã desta quinta-feira (21/10), como forma de pressão ao governo pelos altos preços dos combustíveis. Os caminhoneiros bloquearam a entrada de bases de distribuição de combustíveis, impedindo o carregamento dos produtos. Em Minas Gerais, cerca de 1.500 caminhões aderiram ao movimento, com concentrações nas bases da Vibra (antiga BR Distribuidora), Shell, Ipiranga e Ale. No Rio de Janeiro as distribuidoras próximas à Refinaria de Duque de Caxias fecharam as portas depois que os tanqueiros passaram a impedir a entrada de caminhões.

Pode te interessar: O verdadeiro motivo dos combustíveis estarem tão caros

Concomitante a este movimento, Bolsonaro disse em um evento em Sertânia (PE) nesta manhã que irá promover um auxílio aos caminhoneiros autônomos no valor de R$400,00 até dezembro de 2022 como forma de compensar a alta no preço do diesel. Bolsonaro mais uma vez sinaliza e quer manter sob seu guarda-chuva de influência essa base de apoio visando as eleições presidenciais do ano que vem.

Veja também: Bolsonaro prepara insuficiente auxílio de R$400, menor que cesta básica em algumas capitais

O fato dos donos das empresas de distribuicao tomarem as rédeas da situação com relação ao preço dos combustíveis mostra por outro lado que sem uma política de independência de classe por parte dos sindicatos e centrais sindicais que dirigem os trabalhadores petroleiros, como a CUT em nível nacional, outras classes sociais assumem essa bandeira e atuam com seus próprios métodos (reacionários e corporativistas em grande parte) para conseguirem suas demandas.

Veja mais: Depois de Lira, Bolsonaro e Mourão defendem a privatização da Petrobrás

A política de sucateamento da Petrobrás só interessa às grandes petrolíferas imperialistas que só estão aguardando com unhas e dentes afiados para abocanhar a gigante estatal brasileira quando assim Bolsonaro, Mourão, Paulo Guedes e todos os agentes desse regime reacionário como o STF e o Congresso Nacional derem o aval.

É preciso lutar por uma Petrobrás 100% estatal e controlada pelos trabalhadores para que o controle dos preços seja gerido por aqueles que fazem tudo funcionar, para combater a inflação e alta dos preços dos alimentos, puxada também pela alta dos preços dos combustíveis. A começar por um plano de luta de combata a fome e a carestia de vida, as grandes centrais sindicais como a CUT e a CTB dirigidas por PT e PCdoB, precisam sair da paralisia e comecem a organizar assembleias de base para discutir esse plano nacional de luta, mostrando que é insuficiente o novo auxílio emergencial de R$400,00 sendo que em muitos estados a cesta básica de alimentos já ultrapassa a faixa de R$600,00.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias