ORIENTE MÉDIO

Irã volta a chocar com Estados Unidos e seus aliados no Golfo

Fontes iranianas anunciaram na quinta-feira que se apoderaram de um petroleiro estrangeiro, horas depois que Trump anunciou que havia abatido um drone iraniano. A tensão cresce no Oriente Médio.

sexta-feira 19 de julho| Edição do dia

Fontes da República Islâmica anunciaram nesta quinta-feira que a Guarda Revolucionária iraniana capturou um petroleiro estrangeiro detido em frente a Larak, no Estreito de Ormuz, mantendo sob sua custódia o navio e seus tripulantes a quem está sendo imputado o crime de "contrabando de combustível". Com o passar das horas, foram divulgadas informações e pôde-se saber que era o petroleiro MT Riah, originário dos Emirados Árabes Unidos, que tinha 12 tripulantes e foi preso no domingo quando desapareceu dos radares. A princípio, foi dito que ele foi ajudado por danos mecânicos, mas as autoridades iranianas alegaram que sua captura está relacionada à tentativa de contrabandear milhões de barris de gasolina que ele havia carregado nos portos iranianos

Esse movimento está, sem dúvida, inscrito no aumento das tensões entre a Nação Persa, os Estados Unidos e seus aliados mais próximos (Israel e Inglaterra), que voltaram a subir há duas semanas, quando as autoridades inglesas interceptaram o petroleiro iraniano Grace 1 nas costas do enclave colonial britânico de Gibraltar às portas do Mediterrâneo, acusado de mover petróleo bruto ilegalmente para a refinaria de Baniyas, na Síria. Em sua oração na sexta-feira, o líder supremo, Ayathollah Ali Khamenei, disse que foi "um ato de pirataria" que seria respondido "no lugar certo na hora certa" e o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano Mousavi o chamou de " confisco ilegal ", embora não tenha encerrado o diálogo diplomático com Londres.

Embora já tenha havido pelo menos quatro ataques de vários tipos contra navios petroleiros de origem japonesa, norueguesa e dos Emirados no Estreito de Ormuz, atribuídos pelos EUA ao Irã, esta é a primeira vez que a Guarda Revolucionária reconhece sua intervenção direta na captura de uma embarcação comercial. Embora suas Forças Armadas já tenham atuado para derrubar um drone Global Hawk de origem norte-americana em 20 de junho, quando violou o espaço aéreo do Irã. Naquela época, Trump lançou um ataque contra alvos estratégicos dentro do território iraniano, que foi abortado antes de ser provavelmente realizado por um alerta de Omã, argumentando que o "custo em vidas humanas" seria grande demais e optando por lançar um "ataque cibernético" às instalações militares da República Islâmica, cujo alcance e eficácia ainda não se tornaram claros.

O presidente norte-americano retomou a iniciativa também na tarde de quinta-feira, anunciando que derrubou um drone iraniano que se aproximava de menos de mil milhas do navio de assalto anfíbio USS Boxer, depois de dar as advertências pertinentes. Por sua parte, o ministro das Relações Exteriores iraniano Yavad Zarif, que está em Nova York para se reunir com o Secretário Geral das Nações Unidas Antonio Guterres, declarou que “não tem informações sobre a demolição de qualquer navio", aproveitando a oportunidade para avaliar como "injustas e discriminatórias" medidas tomadas contra diplomatas iranianos nos EUA e manter a Arábia Saudita (aliada estratégica dos EUA) responsável pela crescente instabilidade na região do Golfo.

A dimensão estratégica do conflito

Sem dúvida, a hostilidade dos EUA com o Irã, tem um caráter estratégico para a administração Trump e seu "gabinete de guerra" integrado pelos falcões Bolton e Pompeo, ambos promotores da intervenção norte-americana no Oriente Médio desde a guerra no Iraque. Seu próprio embaixador em Londres Kim Darroch afirmou por e-mails que vazaram para a imprensa que Trump tinha se retirado do acordo nuclear com o Irã por causa de sua política "personalista" e com a intenção de "destruir o legado de Obama," motivo pelo qual foi imediatamente removido de seu cargo.
Sem dúvida, a política agressiva de Trump chocou com as concessões que deram o seu país ao Irã no acordo de 2015, que além de nos anos que estava em vigor permitiram uma recuperação de mais de 12% ao ano na economia persa, entendendo que eram maiores as consequencias de sua continuidade do que os custos de sua retirada a longo prazo. Mas também é relevante a influência nos Estados Unidos de atores regionais inimigos do Irã, como a Arábia Saudita e Israel, este último também um ator determinante na política interna dos EUA através de personagens como o empreendedor de jogos Sheldon Adelson, um dos pilares do financiamento de campanhas Trump.

Por outro lado, em um contexto de relativa redução e decadência da hegemonia norte-americana, é vital que o governo ianque use seu poder militar para ser visto como "indispensável" quando se trata de "manter a segurança" em uma região pela qual circulam um terço dos hidrocarbonetos do mundo. Nesse sentido, sua iniciativa é "criar uma coalizão" com outras potências para "patrulhar os estreitos de Hormuz e Bab el Mandeb em comum".

Essa polarização tem caído mal nos países signatários do acordo nuclear, já que a política de sanções tem sido eficaz porque não abarca apenas empresas americanas, mas empresas de qualquer país que tenha negócios com a República Islâmica são impedidas de acessar o mercado norte-americano, o qual as obrigou a escolher entre o Irã e os Estados Unidos e destruiu negócios bilionários, enquanto deixava em evidência a fraqueza de sua posição de subordinar-se aos caprichos da administração Trump, apesar de seus países reivindicarem a validade do que foi assinado em 2015.

Por sua vez, o Irã foi forçado a reverter sua política até o momento anterior ao acordo, mas por sua vez também procurou jogar duro com as ferramentas disponíveis. Promoveu uma divisão entre os signatários do pacto nuclear, tentando fortalecer a ligação com a China e a Rússia denunciando a atitude passiva da França, Inglaterra e Alemanha ao unilateralismo da política americana. Ao mesmo tempo começou uma ruptura escalonada dos pontos do acordo sobre o enriquecimento de urânio, passando do limite de 3,7% contemplado no acordo para 4,5%, percentual em que estava antes de 2015. Embora possa parecer pouco em relação aos 90% necessários para elaborar uma bomba atômica de alta complexidade, isso é apenas aparente, já que no processo de enriquecimento de urânio a grande dificuldade é chegar a 20% (com o qual uma arma rudimentar já pode ser fabricada) após o qual os maiores valores são alcançados rapidamente.

É evidente que o objetivo não explícito dos falcões da Casa Branca é a queda do regime teocrático, que tem sido um espinho no sapato por seus interesses na região há 40 anos, nesse sentido eles vêem que a política de sanções tem sido uma maneira de deixá-lo entre a espada e a parede e na beira do precipício, porque elas se combinam com a queda do preço mundial dos hidrocarbonetos. No entanto, a fraqueza do regime é relativa, os atores que se fortaleceram por dentro são os mais conservadores como a Guarda Revolucionária e as facções fundamentalistas e nacionalistas do sistema político, que estão pressionando para que o governo "moderado" de Rohani tome medidas mais "enérgicas" contra seus inimigos, como o bloqueio do Estreito de Ormuz, a captura de barcos e a tomada de reféns. O Ayathollah Khamenei, que gira entre os dois setores, conseguiu até durante a crise aumentar sua pregação nas gerações mais jovens, até recentemente as mais reativas à sua liderança.

O fracasso das mediações

Um dos traços característicos desse conflito é sua internacionalização, ao contrário de processos muito mais sangrentos, como Síria, Iêmen e Líbia, incluindo tensões potencialmente catastróficas como as hostilidades entre a Índia e o Paquistão (potências nucleares e dois dos países mais populosos do mundo), cada pequeno evento desta escalada ocupa as manchetes dos jornais de todo o mundo. E até desloca na repercussão midiática para a guerra comercial entre as superpotências da China e dos Estados Unidos.

Isso ocorre porque as conexões políticas dos atores beligerantes são extremamente extensas e complexas, e a rede de interesses afetados excede em muito os dois principais atores envolvidos. Se uma guerra aberta for desencadeada, poderia surgir um conflito generalizado cuja dinâmica seria impossível de "encapsular" na região do Golfo e teriam vários focos simultâneos de intensidade variada em todo o Oriente Médio. Portanto, nem o Irã nem os Estados Unidos se manifestaram a favor da guerra, o que, em termos políticos, não convém a ninguém, mas o menor acidente pode tocar fibras sensíveis e desencadear uma crise bélica.

Essa perspectiva catastrófica motivou diversos países a tentar esforços extraordinários para diminuir a intensidade das hostilidades e chegar a um ponto de acordo até agora sem qualquer sucesso. O interesse que motiva estas mediações são os custos principais que vêm tendo sanções para os países dependentes do petróleo iraniano, a necessidade de limitar o "unilateralismo" de Trump na cena internacional e a intenção de evitar a todo custo a regionalização do conflito. Isso causaria sérias dificuldades de acesso a recursos vitais para o funcionamento da economia mundial.
No começo, a Suíça, quando Trump acabou de iniciar seu avanço, teve um papel de mediador e manteve conversações com os líderes de ambas as nações, comunicando publicamente que o presidente americano "permitiu um número" de líderes iranianos para "chamá-lo" através da mediação do governo suíço. Os iranianos fizeram contato com a Suíça, mas não chamaram Trump e permaneceram firmes em suas posições, respeitando na época todas as cláusulas do acordo, apesar das sanções.

Meses depois, em 12 de junho, em um evento extraordinário e depois de ter se encontrado com Trump e conversado com Netanyahu, o primeiro ministro japonês Shinzo Abe realizou a primeira visita de um presidente daquele país ao Irã em 40 anos, se encontrando com Rohani em Teerã para discutir seu compromisso com a "estabilidade regional" e postulando-se abertamente como mediador. Embora as formalidades diplomáticas foram cumpridas, não só não avançou em qualquer momento, mas na mesma semana o Irã anunciou que iria parar de cumprir alguns pontos do acordo nuclear, não mostrando grandes problemas em tornar ridículo o gesto de boa vontade dos japoneses.

Na comunicação que Vladimir Putin e Emanuel Macron tiveram na quinta-feira, a idéia de desenvolver iniciativas para "manter o pacto com o Irã vivo" foi um ponto central, que mostra que, apesar dos sucessivos naufrágios diplomáticos, a "questão iraniana" continua na cabeça da agenda das grandes potências. No entanto, a dureza dos negociadores de ambos os lados coloca sérios limites sobre se essas políticas conseguem restabelecer um acordo tão amplo quanto o de 2015, embora elas provavelmente tenham como objetivo mitigar os efeitos mais danosos do bloqueio e reduzir a escalada militar no Golfo, tentando, pelo menos, evitar a eclosão de um conflito generalizado de consequências imprevisíveis.




Tópicos relacionados

Acordo Nuclear   /    Irã   /    Estados Unidos

Comentários

Comentar