Educação

Governo Bolsonaro não quer adiar o ENEM mesmo com Manaus em colapso

Mostrando total indiferença pela crise sanitária que o país passa, em especial nesse momento o Estado do Amazonas, o Governo Bolsonaro recorreu da decisão da justiça Federal que suspendeu a realização do ENEM em todo Estado.

sexta-feira 15 de janeiro| Edição do dia

Imagem: via reprodução

O recurso foi feito pela (AGU) Advocacia-Geral da União, no TRF1 (Tribunal Regional da Primeira Região) em Brasília. No recurso a AGU diz que um novo adiamento poderia prejudicar os estudantes do estado e afetaria também a garantia de atendimento isonômico aos estudantes. "A depender do quanto for postergada a data de realização do ENEM, poderá, inclusive, estar inviabilizada a realização de qualquer processo seletivo no segundo semestre de 2021, tanto do SISU como do FIES e do PROUNI, por meio das notas obtidas no Enem 2020", diz a Procuradoria Geral da União.

As imagens que chegam de Manaus são fortes. Pacientes morrendo asfixiados por falta de respiradores, contêiners empilhando corpos, famílias desesperadas. Nada disso é capaz de sensibilizar o Governo Federal e o (INEP) Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas. O Brasil passa por uma grande onda de contágio da Covid19, são mais de mil mortes por dia, mas Bolsonaro e sua tropa não querem saber. A 1 ano da pandemia, o governo não planejou compra e logística de distribuição de respiradores no país. Pessoas morrem em Manaus por falta de um item básico do tratamento ao vírus, enquanto os estoques de cloroquina, remédio comprovadamente ineficaz para o combate à Covid, estão lotados.

Em todo país a reabertura irresponsável das cidades, é promovida por Prefeitos e Governadores. Sobram demagogias e disputas políticas com o genocida Bolsonaro em cima da vacina, e faltam ações concretas que preservem a vida da população. Não proibiram as demissões, não garantiram uma quarentena digna no país, com emprego e renda, pelo contrário, com ajuda do congresso nacional aprovaram medidas para reduzir direitos e salários, ao mesmo tempo que retardavam o pagamento do insuficiente auxílio emergencial de R$600,00, que agora será retirado mesmo com o pais no auge da pandemia.

Pode interessar: #AdiaEnem e todos os vestibulares: que a UNE articule um plano de luta dos estudantes

Seguindo essa orientação absurda de reabertura da economia promovida por Governos, devido a pressão dos empresários, que colocam o lucro a cima da vida, o INEP insiste em realizar em todo país a prova do ENEM, o presidente do Instituto, Alexandre Lopes, deu a seguinte declaração a imprensa: "Assim como fora do ambiente de prova do Inep, se você for nas cidades com shoppings, bares e restaurantes abertos, por que estão abertos? As autoridades locais dizem que se você seguir o protocolo pode ir no restaurante, no shopping, no bar. Se há o entendimento que para certas atividades, cumprindo protocolos, a gente entende que com nossos protocolos é seguro fazer a prova do Enem". 

Se baseando na irresponsabilidade do Presidente da Rebublica, Governadores e Prefeitos, que abrem as cidades em pleno pico de contaminação, o presidente do INEP considera "seguro fazer a prova do ENEM". Mesmo a situação desesperadora que passa o Estado do Amazonas, não é capaz de sensibilizar o Governo Federal. O Brasil agoniza enquanto as autoridades mostram em horário nobre a miséria capitalista imposta a maioria da população.

Saiba mais: Somente após explosão de COVID e caos na saúde, Justiça aceita suspender ENEM no Amazonas




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    AdiaEnem   /    COVID-19   /    pandemia   /    Governo Bolsonaro   /    Vestibular   /    Amazonas   /    ENEM   /    Educação

Comentários

Comentar