Mundo Operário

CORONAVÍRUS

Frigorifico da BRF em SC tem surto de COVID-19 após negligenciar a saúde dos trabalhadores

quinta-feira 21 de maio| Edição do dia

Mais um frigorífico na região Oeste do Estado de Santa Catarina tem surto de coronavírus. Desta vez, um frigorífico da empresa BRF na cidade de Concórdia registra já 144 casos de trabalhadores infectados pelo vírus devido a total negligência que a empresa teve em funcionar a todo vapor sem dar o mínimos de proteção aos funcionários.

No início da semana o frigorífico da JBS na cidade de Ipumirim/SC havia sido interditado após a confirmação de 86 casos de COVID-19. Os trabalhadores da sede estavam trabalhando em condições totalmente insalubres. A BRF ainda segue funcionando após a divulgação dos casos. A justiça apenas obrigou a empresa a realizar testes em todos os 5700 funcionários. Para fazer os testes a empresa irá revezar os funcionários, onde 50% ficará operando a fábrica enquanto a outra metade é liberada para fazer os testes. é algo extremamente absurdo, pois sem saber quem está infectado ou não, os trabalhadores que estiverem seguirem trabalhando também seguiram se expondo ao coronavírus.

A negligência que as empresas de frigoríficos teve desde o início da pandemia com o seus trabalhadores foi algo escandaloso como já denunciamos aqui. Muitos relatos de trabalhadoras e trabalhadores informam que os ambulatórios das empresas que ficavam lotados e só liberaram os funcionários que apresentassem febre.

A BRF que agora diz está preocupada com seus funcionários, tentou justificar com uma propaganda a motivo de manterem funcionando a todo o vapor durante a pandemia . Reproduzindo um vídeo para seus funcionários com dizeres do tipo “O seu trabalho é tão importante quanto os serviços de saúde e outros que não podem parar”; “Seguir com dedicação”; “O time da BRF não para e a cada um de vocês nosso muito obrigado”; “Vocês são fantásticos”. Não é por menos, querem se manter com os bolsos cheios ao custo do trabalho árduo sob salários miseráveis desse setor sofrido que agora teme levar o contágio para suas famílias.

É um absurdo o que ocorre com a categoria ter seguido trabalhando sem as mínimas condições de proteção. Sem EPIs, e o principal de todos: ter testes para todos os trabalhadores saberem se estão infectados ou não. Isso que ocorre em todas empresas do ramo, onde em um mês já foi registrados vários surtos de COVID-19, a maioria deles no Estado do Rio Grande do Sul, onde já é metade dos focos de vírus no Estado. Apenas um frigorífico foi fechado no Estado gaúcho, outro pertencendo a JBS. E Leite disse que pretende reabrir os frigoríficos com uma demagogia em dizer que é para evitar impacto ambiental com o abate dos animais. Na verdade ele está interessado em salvar o lucros dos empresários, assim como o governador do Estado de Santa Catarina, Carlos Moisés, que afirmou que não iria interditar o frigorífico da BRF mesmo com o surto e a situação insalubre da fábrica, mostrando como prefere que os capitalistas sigam lucrando arriscando a vida dos trabalhadores.

É de extrema importância que os trabalhadores tenham condição de proteger a saúde deles com os equipamentos necessários, os mesmos devem decidir se se mantém ou não a produção, as escalas e horas de trabalho, o afastamento daqueles que estão no grupo de risco, os trabalhadores que não são do grupo, caso sejam afastados, que 100% do salário seja garantido e direitos também.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    JBS   /    Santa Catarina   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar