Política

RIO DE JANEIRO

"Feriadão" no RJ: Festa luxuosa do governador, Caveirão e colapso hospitalar para o povo

terça-feira 30 de março| Edição do dia

Foto: G1

O atual governador do Rio Claudio Castro comemorou sem miséria (nem medidas de segurança contra a pandemia) os seus 42 anos numa mansão em Itaipava em luxuosa festa na serra fluminense, mesmo o município proibindo a realização de qualquer tipo de festa. Na sexta-feira 26/03, quando começou o lockdown no estado do Rio, Castro fez um pronunciamento afirmando que não é momento de fazer festa. Nas palavras do próprio governador: “Não é hora de fazermos festa. Tem muita gente morrendo, muita gente na fila de um hospital. Esse é um feriado pra nós ficarmos em casa”, disse. Ele também pediu para evitar aglomerações. “Eu queria pedir muito à nossa população que evite aglomeração. Repito e vou repetir quantas vezes precisar: é hora de nós ficarmos reclusos, sim”, emendou.

Segundo vídeo publicado em matéria no G1 que vazou da festa do governador, a comemoração aconteceu com várias pessoas aglomeradas e sem o uso de máscaras nem outras medidas de segurança. Segundo relato no vídeo estava "todo mundo sem máscara" e “Minha mulher falou que ‘tudo’ bêbado, ‘tudo’ sem máscara, bebendo. Tá nem aí”.
No dia seguinte no sábado 27/03 mandou o BOPE entrar com 2 caveirões no Complexo da Maré, operação que acabou com a vida de 3 pessoas. Enquanto isso os leitos de UTI estão superlotados e com falta de profissionais. As UPAS estão todas lotadas para atender os contagiados com COVID-19.

É escandaloso como o governo de Claudio Castro tem uma política abertamente hostil à população mandando o BOPE atirar as pessoas na Maré ou deixando as pessoas contagiadas para morrer num sistema público de saúde completamente colapsado e que continua enfrentando a pandemia só graças à heroica labor dos servidores públicos da saúde.




Tópicos relacionados

Cláudio Castro   /    Brutalidade policial   /    Repressão policial   /    Racismo Policial   /    Rio de Janeiro   /    Violência policial   /    Rio de Janeiro   /    Política

Comentários

Comentar