Gênero e sexualidade

NO PARANÁ

Ex-candidato pelo PT e ativista LGBT, Lindolfo Kosmaski é brutalmente assassinado

Lindolfo Kosmaski foi vítima de violência cruel e covarde por defender a vida dos trabalhadores do campo e da população LGBT.

segunda-feira 3 de maio| Edição do dia

Lindolfo Kosmaski tinha 25 anos, era ativista LGBT ligado ao Movimento Sem Terra, foi candidato a vereador pelo PT em 2020 e dedicava sua vida à luta do campo e em defesa dos direitos da população LGBT. Seu corpo foi dentro de seu carro, com dois tiros e inteiramente carbonizado, na madrugada do dia 30 de abril para o dia 1º de maio, no município de São João do Triunfo.

Em nota publicada ontem (2), o MST estendeu solidariedade aos amigos, família e exigiu justiça. Segundo o movimento, "Lindolfo tinha 25 anos, era estudante egresso da turma de Licenciatura em Educação do Campo da Escola Latina Americana de Agroecologia (ELAA), localizada no assentamento Contestado, no município da Lapa (PR). Participou de diversas atividades de formação do MST, como cursos e encontros do Coletivo LGBT Sem Terra e Jornadas de Agroecologia.

Era um jovem humilde, solidário e cheio de sonhos. Atuava como professor na rede estadual de ensino no Paraná e na última eleição municipal concorreu a vereador pelo Partido dos Trabalhadores (PT) no município de São José do Triunfo. Além disso, estava dando sequência aos estudos cursando mestrado no Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e em Matemática na Universidade Federal do Paraná (UFPR)."

Nós do Esquerda Diário declaramos nosso total repúdio a essa violência sem tamanho e nos somamos na luta por justiça por Lindolfo e contra toda a violência LGBTfóbica que segue ceifando vidas no Brasil hoje. Como fechou a nota do MST:

O Sangue LGBT também é sangue Sem Terra!
Exigimos Justiça e punição aos assassinos!

LINDOLFO, PRESENTE!




Tópicos relacionados

Violência   /    LGBTfobia   /    Paraná   /    MST   /    Homofobia e Transfobia   /    LGBT   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar