SEMANÁRIO

"Essa obra analisa a URSS e o papel traidor de Stalin" - resenha do filme Revolução dos Bichos

Pablo Lisboa

"Essa obra analisa a URSS e o papel traidor de Stalin" - resenha do filme Revolução dos Bichos

Pablo Lisboa

O filme A Revolução dos Bichos (EUA, 1999), dirigido por John Stephenson, foi um registro cinematográfico do Livro Animal Farm (1945) do escritor inglês George Orwell, no qual este se propunha a traçar uma análise crítica, através de uma alegoria, sobre a Revolução Russa e seu cenário político dicotômico, bem como uma crítica à corrupção do poder na União Soviética comandada por Josef Stalin. Por um lado, apresentam-se os pensamentos contrarrevolucionários de Josef Stalin – representado pelo porco Napoleon –, enquanto do outro se têm as ideias de Leon Trótski – representado pelo porco Snowball – que deram origem à IV internacional baseado em sua teoria da revolução permanente.

A história se passa em uma fazenda, como uma alusão ao Império Russo – que, nesse período, possuía características predominantemente agrárias –, na época governado pelo Czar Nicolau II, um líder fraco e opressor, sendo possível perceber sua simbologia na figura do proprietário Sr. Jones, já que este é retratado no filme como um homem que só é visto embriagado, que possui uma dívida financeira imensa e que oprime os animais de sua fazenda, por sua irresponsabilidade e crueldade. A narração se faz por uma figura importante na história, a cachorra Jessie, visto que é possível notar seu papel de representar os intelectuais soviéticos da época que perceberam o desvio provocado pela política stalinista na contramão das ideias marxistas, pois, ao mesmo tempo em que a personagem observa de perto os passos que a revolução dos bichos toma, critica os rumos a que ela leva sob o comando de Napoleon. Assim como, é notável a participação dessa personagem como a expressão da visão crítica do próprio George Orwell.

A Revolução é alimentada pelas ideias do Velho Major, um porco que propagou princípios revolucionários do animalismo (comunismo) para os animais – simbolizando figuras como Karl Marx e Vladimir Lenin, que foram personagens importantes para a elaboração das ideias e estratégias revolucionárias comunistas, sendo este último, o líder do Partido Bolchevique, que foi ao poder com a derrubada da monarquia pela força da revolução. É possível validar tal comparação quando analisada a letra da canção da Revolução “Beasts of the World” [Animais do mundo] ensinada pelo Major antes de sua morte, pois no primeiro verso dela se canta “Animais do mundo devemos nos unir”, podendo observar uma das definições fundamentais das ideias comunistas que “os operários não tem pátria” (MARX; ENGELS. 1999, p. 38) [1], portanto, os operários do mundo são pertencentes a uma só classe.

Após a morte do Major e a crescente indignação dos animais com a opressão e exploração do Sr. Jones, eles se reúnem liderados pelos porcos, que constituíam o que seria o Partido Bolchevique na Revolução Russa, e expulsam os homens (Sr. Jones e sua família), tomando o poder na fazenda e erguendo a bandeira do casco e o chifre – representando a foice e o martelo no comunismo. Assim, eles elaboram sete leis baseadas nos ideais do Velho Major que regerão essa sociedade, para que eles, de fato, alcancem a liberdade que lhes foi oprimida. Tais leis diziam que “qualquer coisa que ande sobre duas pernas é inimigo”, “qualquer coisa que ande sobre quatro patas, ou tenha asas, é amigo”, “nenhum animal usará roupas”, “nenhum animal dormirá em cama”, “nenhum animal beberá álcool”, “nenhum animal matará outro animal” e “todos os animais são iguais”.

O filme deixa claro a existência de políticas diametralmente opostas de Napoleon (Stalin) e Snowball (Trótski) disputando após a Revolução. Um aspecto fundamental para se entender a crítica do autor, que é apresentada por sua alegoria de forma excelente. Snowball, por um lado, fortalece a política de base, ou seja, a realização de debates e reuniões com todos os animais, para que a partir desses espaços se decidam os rumos da Revolução. Esses espaços de debate em cada local de trabalho eram a função dos sovietes na Revolução Russa, que preparavam planos de luta desde as bases, em que Trótski era dirigente de um desses, assim como retrata no filme. Além disso, fica claro também como a obra mostra o papel importante que Trótski teve na Revolução, pois, na alegoria, mostra-se o destaque de Snowball tanto como líder do exército de animais que resistiu a invasão dos homens, fazendo alusão à guerra civil em que Trótski liderava o exército vermelho contra o exército branco, composto por monarquistas e entre outros que se opunham ao Partido Bolchevique, como também um dos mais fiéis às ideias marxistas revolucionárias que foi, justamente, expulso por Napoleon (Stalin) por isso, como aconteceu na própria história da Revolução Russa. Esse episódio da história é essencial para se entender a consolidação no poder de uma casta burocrática stalinista, que a todo momento visava apenas a manutenção de seus privilégios, impedindo o avanço da Revolução.

Assim, em contrapartida às ideias revolucionárias de Snowball (Trótski), ao longo do filme, mostra-se uma série de medidas tomadas por Napoleon (Stalin) e seu aliado Squealer – que é possível analisá-lo como uma alusão à mídia auto-proclamatória de Stalin – que realçam sua política contrarrevolucionária e burocrática. Como o ato de se apossar da casa, antes ocupada pelos humanos, justificando ser necessário para que os porcos, por serem os intelectuais e principais dirigentes da Revolução, tenham a casa para eles, assim como o leite e as maçãs, enquanto os outros animais ficam no celeiro. Além disso, a construção desses privilégios e a manutenção dos mesmos por meio de mudanças nas leis para garanti-los aconteciam, marcando-se, assim, um retrocesso das inúmeras conquistas da Revolução. Desde a declaração por Napoleon de que o que antes afirmava que “nenhum animal matará outro animal”, agora, tronar-se-á “nenhum animal matará outro animal sem motivos”, mostrando sua estratégia para reprimir, matar e perseguir os animais que se opunham ao seu governo, como também, a mudança da sétima lei para “ todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais que outros”, representando muito bem a degeneração stalinista.

Também, Napoleon inicia relações econômicas com o Sr. Pilkington, um homem rico que a todo momento é abordado pelo Sr. Jones, pedindo-lhe dinheiro para pagar sua dívida – sendo possível relacioná-lo como uma simbologia aos países ricos. Assim, é possível notar ao decorrer do longa-metragem que a proximidade entre Napoleon (Stalin) e o Sr. Pilkngton (países ricos) aumentava, por Napoleon ter uma política que se mostrava pró-capitalista. Em um trecho da canção da banda Pink Floyd chamada “Pigs (Three different ones)” [Porcos (Três tipos diferentes)] [2] do álbum “Animals”, que foi feito baseado na história da Revolução dos Bichos, retrata bem essa semelhança constante entre o porco (Stalin) e o homem (capitalista), no qual se canta “Homem grande, homem porco, Ha, ha, que piada você é/Seu magnata endinheirado, ha, ha, que piada você é”. Logo, podendo se entender, ao observar o emprego dos termos “Homem porco” e “Seu magnata endinheirado” que se trata de uma crítica à forma como a burocratização pela política stalinista tornou o governo em algo que se assemelha aos interesses capitalistas – o porco (Stalin) se transforma política e fisicamente na imagem de um homem –, surgindo uma casta burocrática que deseja manter seus privilégios.

Ao final do filme, a cachorra Jessie narra sobre a dor e a decepção dos animais pelo fracasso que foi a Revolução em busca da liberdade de todos os setores oprimidos e explorados, frente à degeneração stalinista. Porém, coloca-se um discurso por parte dessa intelectualidade, que Jessie representa, no qual acredita ser possível que os animais (classe trabalhadora) sejam livres ao lado dos proprietários (capitalistas), mostrando uma política conciliadora, que não leva a fundo a crítica à burocratização stalinista, para apontar uma saída de fato à exploração e opressão.

Apesar disso, o cenário de retrocesso na URSS foi muito bem enfatizado pela obra e dado um destaque importante para se entender o que representou o marco de um processo de degeneração stalinista. Enquanto Stalin propagava a ideia de que se viviam no socialismo, ele implementava medidas pró-capitalistas que se mostravam contraditórias às ideias marxista, ao adotar a “teoria da revolução em um só país”. Além de retrogradar os direitos conquistados pela Revolução, como sua decisão de abolir o direito ao aborto. Esta teoria marcava a divisão política com a teoria de Trótski da Revolução Permanente. Por um lado, Stalin propunha uma ruptura com os ideais marxistas de uma classe operária sem pátria, levantando uma política burocrática que impedia que a Revolução fosse adiante, enquanto Trótski entendia que a revolução só se daria por uma ditadura do proletariado que, em países atrasados, atendesse às demandas democráticas burguesas, porém, não por fora de atender, também, as demandas socialistas da revolução, assim como entendia que a revolução socialista possuía um caráter internacional.

Dessa forma, essa obra se mostra interessante para se analisar o cenário político da URSS e, principalmente, entender o papel traidor de Josef Stalin à Revolução. Além de, também, explicitar um fenômeno que impediu o avanço da Revolução e que, hoje, impede a organização de um movimento estudantil combativo no Brasil, a burocracia. Pois existe uma casta burocrática que faz política a fim de manter seus privilégios e não para combater por uma educação à serviço da classe trabalhadora. Assim, esse filme possui uma discussão muito atual e importante para se debater, a fim de buscar consolidar um movimento estudantil antiburocrático e combativo que responda à crise capitalista.

veja todos os artigos desta edição
FOOTNOTES

[1MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. Edição eletrônica: Ed. Ridendo Castigat Mores, 1999. Disponível em: www.ebooksbrasil.com. Acesso em: 05 out. 2019.

[2PIGS (Three different ones). Intérprete: Pink Floyd. Compositor: Roger Waters. In: Animals. Intérprete: Pink Floyd. Londres: Britannia Row Studios, 1977. Disponível em: https://open.spotify.com/album/3b4E89rxzZQ9zkhgKpj8N4?si=p-5olbTsQaCQzbGEHz84eA Acesso em: 10 out. 2019.
CATEGORÍAS

[Revolução Russa]   /   [Teoria]   /   [Cultura]

Pablo Lisboa

estudante de Ciências Sociais na UFRN
Comentários