UNIVERSIDADES PÚBLICAS

Escândalo: deputado da ALESP quer retomar o patrulhamento ideológico da ditadura dentro da USP

quarta-feira 21 de agosto| Edição do dia

Na onda da sanha autoritária e de controle ideológico que Bolsonaro e seus aliados tentam impor sobre as escolas e Universidades, o deputado Douglas Garcia, do PSL de São Paulo, enviou à Reitoria da USP um ofício requisitando informações sobre quais eventos ideológicos, políticos e filosóficos ocorreriam dentro da Universidade e que seriam os seus responsáveis.

Odete Cristina, estudante de ciências sociais e militante da Juventude Faísca denunciou essa medida absurda:

"Essa é uma clara intenção de mapear as vertentes de pensamento dentro da Universidade para facilitar a repressão contra qualquer pensamento político, filosófico e ideológico divergente daquele de extrema-direita propagado pelo Presidente e seus aliados. Iniciativas como essa só se viu na ditadura militar, quando os militares intervieram nas universidades para impedir o livre debate de ideias e perseguir, prender, torturar e assassinar professores, funcionários e estudantes que ousassem pensar diferente da orientação política daquele regime autoritário, de uma ditadura civil-militar à serviço de aprofundar a exploração dos trabalhadores, o espólio das riquezas naturais do Brasil e manter os lucros dos grandes monopólios imperialistas. Algo que o Bolsonaro e a maioria dos deputados do congresso e das Assembleias Legislativas vem fazendo destruindo a Amazônia, aprovando a reforma da previdência e trabalhista e buscando calar rodadas vozes que critiquem e questionem esse projeto, começando pelas escolas e universidades, pelos professores e estudantes.

A busca por atravancar seus criticos por métodos autoritários se dá tanto no campo da cultura como na academia. Bolsonaro, por um lado, busca censurar o campo da arte, através do esvaziamento da Ancine, e censuras e cortes sobre o tema LGBT e, por outro, através do Ministério da Educação, corta bolsas de pesquisa e quer acabar com o CNPq".

Marcello Pablito, trabalhador do bandejão da USP, diretor do Sindicato dos Trabalhadores da USP (SINTUSP) e militante do Movimento Nossa Classe disse ainda mais:

"Aqui em São Paulo vários deputados da base do governo estadual do Dória abriram no início do ano uma Comissão Parlamentar de Inquérito com a intenção de acabar com a autonomia universitária e impor um controle ideológico, financeiro e de gestão das Universidades Paulistas nas mãos dos políticos da extrema-direita. É a mesma política que Bolsonaro e seu ministro da educação querem aplicar nas Universidades Federais através do Future-se. Esse ano faz trinta anos desde a conquista da autonomia universitária, após vinte anos de chumbo das Universidades sob as botas da ditadura e sobre intervenção militar. Semana passada os Conselhos Universitários da USP, UNESP e UNICAMP se reunirem pela primeira vez pra reforçar a defesa da autonomia universitária. Nesse sentido, a Reitoria da USP não deveria se submeter a esse grau de autoritarismo e exigir que os trabalhadores encaminhem esse relatório, que não é nada mais do que mapear e expor à repressão os estudantes, professores e funcionários que tenham pensamento divergente destes políticos e que não aceitem calados os ataques aos direitos dos trabalhadores, das mulheres, dos negros e dos LGBTs."

Leia o conteúdo do requerimento abaixo:

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº 477, DE 2019
Nos termos do artigo 20, inciso XVI da Constituição do Estado de São Paulo, combinado com artigo 166 do Regimento Interno da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, requeiro seja oficiado ao Senhor Reitor da Universidade de São Paulo Dr. Vahan Agopyan para que preste as seguintes informações.
Considerando que vários eventos de diversas vertentes ideológicas, políticas e filosóficas ocorrem nas dependências da Universidade de São Paulo Campus São Carlos, pergunta-se:
1 - Quantos eventos foram ministrados na Universidade de São Paulo em todos seus campus, desde o início do ano?
2 - Quais eventos (nomes) foram organizados por movimentos estudantis e quais os movimentos/coletivos/grêmios etc., organizadores?
3 - Há eventos previstos e ou agendados? Se sim, quais e organizados por quem?
JUSTIFICATIVA
Considerando que a prerrogativa quanto à fiscalização do emprego de recursos públicos aplicados pelo poder executivo estadual através de suas secretarias concerne ao deputado estadual, e que inúmeras reclamações têm sido feitas quanto a destinação de espaço e despesas para fins questionáveis, o presente encontra propósito e é de pleno direito.
Sala das Sessões, em 6/8/2019.
a) Douglas Garcia




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Tortura na Ditadura Militar   /    Censura   /    SINTUSP   /    Jair Bolsonaro   /    Ditadura militar   /    USP

Comentários

Comentar