Internacional

CORONAVÍRUS E ATAQUE EM TRABALHADORES

Equador: o coronavírus vem com anúncios de ataques aos salários dos funcionários públicos 

Lenín Moreno anunciou cortes salariais e o fechamento de secretarias e empresas públicas. O coronavírus como desculpa para um corte rígido nos gastos públicos. O governo pretende economizar US $ 1,4 milhões de dólares do que está estipulado no orçamento.

quinta-feira 12 de março| Edição do dia

Para isso, propõe-se reduzir os salários dos trabalhadores estatais que ganham mais de US $ 801, esses são funcionários públicos que mal excedem a cesta básica da família em US $ 50. Além disso, Lenín Moreno quer ir para o fechamento de secretarias, vendas de empresas estatais e cortes nas agências de controle. 

A primeira pergunta que surge desse anúncio (que o presidente do Equador nunca esclareceu) é o que acontecerá com os trabalhadores dessas empresas e órgãos públicos. Mas, como na memória de todos, as massivas mobilizações do ano passado contra a tentativa de aumentar o combustível (uma das medidas solicitadas pelo FMI) são muito recentes, das quais tiveram que recuar devido à imposição dos trabalhadores mobilizados.

Por esse motivo, certamente, também o anúncio inclui a cobrança de um imposto de 5% para carros de luxo, pela única vez. Uma medida que, de qualquer forma, deixa de representar o gesto pretendido, diante do corte brutal que tenta realizar na administração pública.

Com o coronavírus como pano de fundo (no Equador há 17 pessoas infectadas), ele também afirmou que a causa do corte se deve à queda no preço do petróleo, que no orçamento do país foi calculado no valor de US $ 51 e hoje é de 34, 36 dólares.

Além disso, em seu discurso, ele falou sobre o reescalonamento da dívida com o FMI, embora não tenha dado detalhes, enquanto a imprensa equatoriana informou que Lenín Moreno está administrando novos empréstimos internacionais no valor de US $ 2 milhões de dólares.

Em uma clara provocação ao povo equatoriano, o presidente neoliberal tenta retornar à acusação executando as medidas exigidas pelo FMI. Além disso, em seu discurso, ele falou que continuará com o "plano de austeridade" iniciado em 2019.

O mesmo argumento de muitos governantes que desencadeou uma onda de enormes mobilizações populares em vários países da região.
Lembremos que, no ano passado, o governo conseguiu avançar com a demissão de empresas estatais, o que representou uma “economia” de 448 milhões de dólares, destinada ao pagamento de sua dívida externa. Agora, a "desculpa perfeita" para atacar direitos, salários e empregos é o avanço mundial do coronavírus. Sem tocar nos interesses dos grandes empresários e continuar com o endividamento com organizações dedicadas à usura internacional.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Internacional

Comentários

Comentar