Mundo Operário

15 de Abril: Dia de luta contra o PL 4330

Em Porto Alegre, rodoviários e metroviários pararam a cidade

quarta-feira 15 de abril de 2015| Edição do dia

O Rio Grande do Sul também aderiu as paralisações contra o PL 4330 que amplia a terceirização para as atividades fim nas empresas, um projeto que generalizará as condições de precarização do trabalho e superexploração do trabalho a todos os trabalhadores. Em Porto Alegre, as paralisações dos trabalhadores rodoviários e metroviários pararam a cidade contra o PL 4330 e as MPs 664 e 665 de Dilma.

A mobilização começou na madrugada de hoje com a adesão de 100% dos trabalhadores ligados ao Sindimetrô/RS, hoje, nenhum trem circula na capital do RS mesmo com pressão da Justiça, os metroviários aprovaram a paralisação na Trensurb por 24 horas, os trens metropolitanos transportam diariamente aproximadamente 200 mil usuários.

Os rodoviários da empresa de ônibus estatal Carris organizaram um piquete em conjunto com as centrais sindicais e nenhum ônibus saiu da garagem da empresa no dia de hoje. A empresa é responsável por cerca de 40% do transporte público na capital (cerca de 250 mil passageiros por dia). Mesmo contra a orientação do sindicato, os rodoviários da estatal realizaram uma assembleia e aderiram ao dia nacional de paralisações contra o PL 4330. Os rodoviários também paralisaram em Passo Fundo e Pelotas, também houveram panfletagens e debates públicos, segundo site da CUT.


Foto: Caetanno Freitas/G1.

Ainda na capital, a ponte do Guaíba, importante via de ligação da região sul com Porto Alegre, foi bloqueada por 2 horas por manifestação de movimentos populares ligados ao Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) e à CUT.

A partir do meio-dia, realizou-se um ato público no Centro de Porto, com a adesão de várias categorias que paralisaram no dia de hoje, como bancários, professores, metroviários, rodoviários e movimentos populares.




Tópicos relacionados

PL 4330   /    Terceirização   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar