×
Rede Internacional

FORA BOLSONARO, MOURÃO E OS GOLPISTAS | É preciso um plano de luta de estudantes e trabalhadores para revogar os cortes e as reformas

Será com a unidade entre trabalhadores, juventude e movimentos sociais que poderemos barrar e derrubar todos os cortes contra a educação e as reformas - que tem por objetivo destruir nossos direitos e nossas vidas - fazendo com que sejam os capitalistas que paguem por toda essa crise.

quarta-feira 23 de junho | Edição do dia

Avenida Paulista no ato do 19J em São Paulo/SP. Foto: Mídia Ninja

Tanto o 29M como o 19J mostraram a força que pode ser construída nas ruas contra Bolsonaro e sua política reacionária. Mas ao mesmo tempo, essa disposição e convencimento de luta não podem ser desviados para uma saída como o impeachment, que deixaria o também reacionário Mourão na presidência, ou unicamente para uma esperança eleitoral em 2022. Isso porque Bolsonaro não é o único grande culpado por essa crise.

Veja também: MRT no 19J contra Bolsonaro, Mourão e os militares: por um plano de luta com paralisação nacional.

Por mais que parte do regime do golpe institucional saia com esse teatro que é a CPI da Covid, ou que mostre alguma divergência com Bolsonaro; todos são culpados uma vez que atuam sempre colocando os interesses de empresários acima da vida de toda a nossa classe. Eleições - que ainda levarão 1 e meio para acontecer, enquanto já passamos da marca de 500 mil mortos por Covid, 14,7% de desempregados e 19 milhões na fome - não mudarão as regras desse jogo que brinca com nossas vidas pelos lucros dos patrões.

Precisamos de um plano de lutas efetivo, construído por trabalhadores, juventude e os movimentos sociais - como de mulheres, LGBTQIA+ e [email protected] - onde juntos podemos mostrar, através da nossa auto-organização, que somos nós, aqueles que tudo produzem e faz tudo girar na sociedade, os que devem decidir quem são os culpados e os que devem pagar por essa crise.

Desde o golpe institucional de 2016, quando o PT caiu porque já não correspondia até o final com os desejos dos capitalistas, viemos como classe sofrendo com cortes ainda mais profundos na educação e na saúde, assistindo nossos direitos serem destruídos e nossas vidas sendo precarizadas através de reformas como a trabalhista e da previdência.

Enquanto isso, as centrais sindicais de trabalhadores e as entidades estudantis, ao invés de construírem na base uma unidade, impulsionando para que todos os trabalhadores e estudantes tomassem em suas mãos a força que poderia barrar e derrubar toda a agenda de ataques desse regime pós golpe - se mantiveram paralisadas para a nossa luta e durante a pandemia entraram em “quarentena” para os nossos interesses, facilitando a vida dos patrões e barões da educação para nos atacarem.

Agora, diante da elegibilidade de Lula, a catastrófica administração da pandemia e o aumento da insatisfação popular; as centrais e entidades - que por sua vez são dirigidas exatamente pelos partidos que mais ganham com esse tipo de saída eleitoral, o PT e o PCdoB - chamam atos que visam o fortalecimento de Lula nas urnas, desviando a nossa força para as eleições, enquanto não constroem na base, com setores reais de trabalhadores e estudantes, o funcionamento uma grande engrenagem de luta para barrar e derrubar todos os cortes e reformas, mostrando para os capitalistas que são eles que devem pagar por essa crise.

Veja também: Divisão dos dias 18 e 19 é traição das centrais sindicais para fortalecer Lula e não a luta.

Basta de saídas que não avancem para além das saídas institucionais, como é a eleitoral e a do impeachment que colocaria Mourão na presidência. Precisamos lutar por essa unidade na nossa classe - de trabalhadores, juventude e movimentos sociais - em exigência as centrais sindicais, principalmente à CUT (PT) e CTB (PCdoB), e também à UNE (majoritariamente dirigida pelo PCdoB e PT), para que rompam com essa paralisia e desvio da nossa força para saídas somente eleitorais, e construam em cada local de trabalho e estudo, assembleias com direito a voz e voto da base, para que através da nossa auto-organização seja possível de fato derrotar Bolsonaro, Mourão, militares e todos os golpistas, levando com eles todos ataques, cortes e reformas que já passaram e barrando qualquer plano ainda mais terrível contra nós.

Pode interessar: A esquerda institucional e a busca de um caminho de subordinação ao PT.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias