Política

Doria pede para paulistanos ficarem em casa, mas não fornece os testes necessários

Basicamente, o vídeo de 1 minuto consiste em repetir o slogan “Fique em casa”, e entre a repetição desta frase ir ressaltando as várias autoridades mundiais que eram favoráveis à quarentena, como os governantes europeus, a OMS e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. No entanto, os testes ainda estão muito aquém do necessário.

terça-feira 31 de março| Edição do dia

Hoje (30) o governo do estado de São Paulo lançou uma “Campanha de Utilidade Pública” em seu canal no youtube, cujo slogan consistia na frase “Fique em Casa”.

Basicamente, o vídeo de 1 minuto consiste em repetir o slogan “Fique em casa”, e entre a repetição desta frase ir ressaltando as várias autoridades mundiais que eram favoráveis à quarentena, como os governantes europeus, a OMS e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que anteriormente era contrário a esta medida, mas mudou de ideia, até por fim vir a frase “a economia a gente trabalha e recupera, a vida de quem a gente ama, não dá pra recuperar”, se delimitando do argumento principal da retórica bolsonarista.

O governador de SP, João Dória, diante dos posicionamentos do presidente da república nos últimos tempos, tem se colocado, ao lado de outros governadores, enquanto oposição ao bolsonarismo, somando-se ao setor do regime encabeçado por Rodrigo Maia, composto também por boa parte do legislativo, golpistas, a grande imprensa, recentemente apoiados também pelo STF e pelo vice presidente, Hamilton Mourão.

O vídeo em nada se pronuncia no que diz respeito a um ponto essencial relacionado ao combate à pandemia, a disponibilização massiva de testes. Na segunda-feira 23, o governador anunciou que montou uma rede com capacidade de fazer até 2.000 testes diários para identificar infectados pelo coronavírus, porém nem esta quantidade de testagens, em si muito aquém do necessário, está de fato sendo implementada. Enquanto Dória por um lado se coloca como “defensor das vidas”, por outro, não toma as medidas necessárias para salvar a vida da população.

A testagem massiva seria a forma de identificar tanto os que apresentam sintomas, quanto os assintomáticos que convivem com esta pessoa, e a partir disto se conseguiria garantir que o vírus não se proliferasse. Juntamente com os testes massivos, se faz necessário para que todos os infectados consigam ser tratados, a estatização sobre controle operário do SUS e também de todo sistema privado de saúde, assim como que a produção de empresas, com capacidade para tal, seja voltada para a produção de itens essenciais para o combate ao vírus, como leitos de UTI com respiradores, roupas para uso hospitalar, máscaras e álcool em gel.

Para os trabalhadores de serviços não essenciais ao combate ao Covid-19, é primordial que tenham seus empregos garantidos, com pagamento integral de seus salários. Diferentemente do valor insuficiente proposto pelo congresso, de 600 reais para trabalhadores sem renda, deveria ser implementado a gratuidade dos serviços essenciais (luz, água, recarga de telefones, gás, aluguel) enquanto durar a crise, para diminuir os custos de vida em meio à pandemia e crise econômica e toda pessoa sem renda tenha um salário de 2000 reais, podendo haver domicílio com mais de um beneficiário desse “salário quarentena” e que no caso de mãe solteira ela receba em dobro.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar