Mundo Operário

CORREIOS

Direção dos Correios quer impugnar julgamento do dissídio para atacar ainda mais

Nesta quinta, dia 03, a direção dos Correios, alinhada com Bolsonaro, não perdeu tempo em demonstrar que os ataques referendados pelo julgamento do dissídio pelo TST não foram suficientes, anunciando que vai entrar com recurso para impugná-lo.

sexta-feira 4 de outubro| Edição do dia

Os trabalhadores dos Correios protagonizaram uma forte greve em meados de setembro em defesa de seus direitos e contra os planos de Bolsonaro e Paulo Guedes em acelerar o sucateamento da empresa para entregá-la à iniciativa privada.

A disposição de luta que os trabalhadores mostraram, no entanto, foi canalizada pelas direções sindicais a uma via passiva, suspendendo a greve para apostar na judicialização do dissídio, cujo julgamento pelo TST ocorreu nesta última quarta, dia 03. A decisão deste tribunal demonstra que a greve dos trabalhadores, embora freada pela burocracia sindical, marcou uma posição de força importante em não permitir que todos os ataques desejados por Bolsonaro e Guedes passassem, mas referendou ataques importantes ao Plano de Saúde da categoria.

Após o julgamento, a direção da empresa aumentou o tom do ataque e correu para anunciar que não iriam cumprir a decisão do tribunal e entrariam com recurso para impugná-la, buscando se apoiar nos setores mais duros do autoritarismo e bonapartismo judiciário, já fortalecidos desde antes do governo Bolsonaro, para aprofundar e acelerar os ataques aos trabalhadores.

Aos trabalhadores, é fundamental que confiem em suas próprias forças e não permitam que sua disposição de luta seja canalizada para alimentar ilusões no mesmo judiciário que legitima a reforma trabalhista, a terceirização irrestrita, tal como fazem suas direções sindicais. Diante do endurecimento da postura da direção dos Correios se faz necessário exigir dessas mesmas direções sindicais que convoquem novas assembleias em todo o país para decidir os próximos passos da luta dos trabalhadores dos Correios.




Tópicos relacionados

Privatização   /    Greve dos correios   /    Correios   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar