Logo Ideias de Esquerda

Logo La Izquierda Diario

SEMANÁRIO

Descontentamento, lutas e voto na esquerda argentina: "Façamos crescer esse movimento militante"

Lucho Aguilar

Descontentamento, lutas e voto na esquerda argentina: "Façamos crescer esse movimento militante"

Lucho Aguilar

Publicamos nesta edição artigo traduzido do Ideias de Izquierda argentino, com o título Descontento, luchas y voto a la izquierda: “Hagamos crecer ese movimiento militante”, como pode ser lido aqui. Contém anedotas, testemunhos e reflexões da militância nos locais de trabalho e bairros que lutam para transformar o descontentamento em uma saída política pela esquerda na Argentina.

Sábado ao meio-dia. Na arena da Madygraf sob gestão operária, operários, trabalhadoras e jovens, muitos deles candidatos do PTS na Frente de Izquierda - Unidade, começaram a se reunir. Eles vêm de outras empresas e bairros. Estão no que foi, historicamente, o coração industrial da Argentina. Hoje, também estão rodeados por bairros operários golpeados pelo desemprego e pelo empobrecimento. Vieram para uma assembleia, é assim que chamam, com dois convidados “especiais”. Um é Nicolás del Caño, com quem compartilharam dias de paralisações e cortes na Panamericana. Outro é Alejandro Vilca, gari, indígena e militante trotskista. É assim que se apresenta, não apenas nas reuniões de trabalhadores. Também quando é chamado pela grande mídia. “Ele é um catador de lixo e obteve um resultado histórico na esquerda”, a manchete do La Nación. Ele veio de Jujuy para compartilhar encontros como este, ou o que fará mais tarde com Myriam Bregman no Parque do Centenário de Buenos Aires. Ali haverá também professores, trabalhadores estatais, do metrô, aeronáuticos, entregadores. Quando souberam dos resultados, seus colegas de trabalho e vizinhos do populoso bairro do Alto Comedero disseram "ele é um dos nossos". Aqueles que participam dessas assembleias sentem da mesma maneira.

Eles querem saber o que aconteceu em Jujuy, mas também contar o que estão começando a ver aqui. Querem discutir política. A eleição foi seguida por uma crise governamental que ainda não se apaga. O que fazer nos próximos meses? Como converter esse apoio à Frente de Esquerda, esse entusiasmo, em uma força militante não só para novembro, mas principalmente nos tempos que virão?

Um professor pede a palavra e o debate começa.

1."Queriam demonstrar aos patrões que podem enfrentá-los"

O que aconteceu em Jujuy foi um exemplo de como a tentativa de "polarizar" a eleição entre a Frente de Todos [1] e Juntos por el Cambio [2], que o descontentamento com o governo fosse canalizado apenas pela direita, não funcionou como o esperado. A Frente de Izquierda - Unidade, como principal referência da esquerda anticapitalista, apareceu como uma alternativa em momentos de crise social e política. Mais de um milhão de votos. Terceira força.

Vilca vê dessa forma. “Tínhamos uma boa eleição prevista. Se sentia nas ruas. Mas o apoio que tivemos superou. É uma combinação de distintas coisas. A indignação com o governo, mas também o reconhecimento e adesão às propostas da Frente de Esquerda, do nosso apoio a cada luta dos trabalhadores, de famílias sem teto, das comunidades originárias ou do movimento de mulheres".

Junto com Natalia Morales, Gastón Remy e outras figuras do PTS, percorreram a província como sempre. Mas havia algo por trás deles. “Se deu um movimento militante. Gente que passava pelo local e levava cartazes, os santinhos. Peões rurais que vinham das fazendas, enfermeiras e motoristas que saíam do plantão e iam ser fiscais. Também no interior. Em uma cidade chamada Caimancito, colegas desempregados da Frente Darío Santillán fizeram um ato antes e uma caravana depois. Em Humahuaca, os trabalhadores subiam em motos e foram para as aldeias mais remotas. Aí batemos o próprio Gerardo Morales ”.

Em bairros populares e cidades como Alto Comedero, Caimancito, El Carmen, Palpalá e Humahuaca, os votos chegavam a 30%, acima do peronismo. As mensagens chegavam uma após a outra. A partir dos lotes açucareiros, de ativistas ambientais ou rurais que diziam "as pessoas estão acordando". Um desses peões conheceu a esquerda este ano. Ele está com uma doença grave, porém organizou um comitê de campanha em Yuto: “Não quero morrer sem saber que fiz algo para acabar com essa exploração que sofremos”.

Vilca diz que “todas aquelas pessoas viveram isso como uma façanha da classe trabalhadora: queriam mostrar aos patrões que podem enfrentá-los. Por isso sentem o resultado como seu, transmite a eles energia para lutar por suas reivindicações, muda o seu estado de espírito ”. Eles sabem que a luta até novembro não será fácil, mas têm motivos de sobra.

2. "Nunca vi tanto apoio à esquerda nesta zona"

Susana é de La Matanza, ela fala animadamente. “É um orgulho. Aqui em Virrey del Pino sempre tivemos que contar muitos votos do peronismo e do Cambiemos. E ao ver tantos votos na mesa da esquerda ... E, olha, nós monitoramos cada escola. Eu via tudo cinza, mas a votação da esquerda me deu uma luz de esperança. Existe um caminho alternativo que incomoda os poderosos e tem apoio”.

Nathalia González Seligra foi deputada nacional e é professora. Na segunda-feira, no recreio, envia uma mensagem. “Aqui realizamos uma eleição histórica, em meio a uma grande perda de votos do kirchnerismo. La Matanza, Merlo, Moreno. Tem a ver com um fenômeno de descontentamento, raiva, desilusão com um governo que prometeu prioridade aos vulneráveis ​​e eles sentem que deu aos poderosos. Avançamos nos bairros onde vive a juventude precária, nos trabalhadores municipais que estiveram em luta, nos professores, muitos deles informais que foram atingidos pela crise e pelas decisões do governo. Viemos a cada um deles com Nicolás del Caño e nossa militância. Essa confluência nas lutas, e também nas candidaturas explica essa alta votação”.

Estamos falando de votos de 7 ou 8%. Em Merlo, Moreno, La Matanza, Presidente Perón (Guernica), Almirante Brown, Berazategui, José C. Paz, Berisso, Florencio Varela, Esteban Echeverría ou Lomas de Zamora, algumas das zonas mais populosas da Província de Buenos Aires.

Lá, muitos trabalhadores e trabalhadoras acabam de votar a favor do peronismo e estão decepcionados. Guernica é um símbolo. Milhares de famílias desabrigadas foram despejadas, a pedido dos proprietários dos countries, pelo governo no qual elas haviam votado. Vizinhos da Assembleia Permanente organizaram um comitê de campanha. Eles alcançaram outros bairros. Como disse Roxana, “a esquerda se fortaleceu como nunca em setores que não chegava antes”. Cecilia explica por quê: “as pessoas vêem que a esquerda vai com o trabalhador, que quando Nicolás del Caño diz que vou estar, ele está”.

Esther fala a partir da recuperação de terras de Los Ceibos (La Matanza). “Eu conheci a esquerda ano passado lutando pela minha casa. A quantidade de mensagens e fotos que me chegavam dizendo ‘apoie a esquerda’, ‘vamos,que somos um montão’. Em algumas mesas que eu fiscalizava, ganhamos do Macri!”.

Esse mesmo fenômeno, incipiente, que enfrenta terríveis aparatos eleitorais e redes de influência, é o mesmo que começa a ser sentido em outras partes do país. Nas cidades da NOA onde vivem muitos produtores, a simpatia nas viagens foi confirmada nos escrutínios. Nas zonas de tabaco ou açúcar de Jujuy, mas também nos departamentos de Tucumán onde se localizam as plantações cítricas: Cruz Alta, Chicligasta, Monteros, Río Chico. Em Mendoza, nos bairros onde vivem os protagonistas da luta do vitivinícola. Em Rivadavia, Maipú e Luján de Cuyo, os números superavam a média provincial. Também em zonas de trabalhadores rurais, como Rodeo del Medio.

"Eles estão sempre com os trabalhadores". Muitos viveram isso em suas lutas, suas reivindicações; outros viram na TV, naqueles cortes da Ponte que já não veem como “um caos de trânsito”; também corre de boca em boca. É verdade que é um reconhecimento que vem há muito tempo, mas nem sempre se expressa politicamente.

3."Votei neles, não tapo mais o nariz"

Na segunda-feira, nos grupos de WhatsApp, começaram a circular anedotas, números, reflexões. Em muitos locais de trabalho, embora não tivessem protagonizado lutas por culpa de seus sindicatos, o descontentamento havia tido que ser expresso politicamente.

Pamela Bulacio, trabalhadora da Mondelez-Kraft e figura da Agrupação Bordó [3], conta que na segunda-feira “colegas vieram me dar os parabéns pela eleição, não sabia que iam votar na gente. Muitos são peronistas desencantados. Também começamos a crescer nos bairros de Grand Bourg, José C Paz, Malvinas”. Julio Tevez acrescentou o número de fiscais que tinham reunido para defender esses votos nas Malvinas: "E os colegas escreveram para mim que obtiveram 10 votos cada um, na família ou no bairro". Em outras empresas da Zona Norte, como Madygraf, Mondelez-Stani, Fate ou VW, também os felicitavam e o orgulho era contagiante.

É que muitos vinham da votação para a Frente de Todos em 2019. Como Germán do Fate. “Votei neles e acho que aos poucos a classe trabalhadora está percebendo que nem com peronistas, kirchneristas ou macristas vai melhorar”. Ou Pablo: “é a primeira vez que voto em um partido de esquerda”. Víctor Ottoboni, integrante da Lista Granate e secretário de atas do SUTNA, avaliou esse fenômeno: dos cerca de 100 trabalhadores que votaram na FITU na fábrica de pneus, 30% acabaram de votar em outras forças, especialmente no peronismo.

Um motorista da Linha 203 contava surpreso ao dizer que havia “brigado” por votos há um mês atrás e convencido colegas que haviam votado em Macri para tirar Cristina e em Cristina para tirar Macri. “Eu os atormentei tanto que eles votaram na esquerda”, ele ri.

Betina é da empresa telefônica e tinha votado na Frente de Todos. "As pessoas se cansaram." Ela votou na FITU porque se sente decepcionada com o ajuste, mas também porque a esquerda é consequente, vem crescendo e quer outras vozes no Congresso. O mesmo foi feito por outros trabalhadores de empresas de telefonia, mas terceirizados, que participaram da assembleia com Myriam Bregman. Os debates agudos de "La Rusa" [4] na TV foram comentados nos grupos do WhatsApp.

Em uma importante logística da Zona Norte, "os jovens" estão felizes. Muitos votaram na Frente de Esquerda porque um militante os tinha convencido. Ele fez isso com paciência e cuidado, não se tratava de os delegados moyanistas descobrirem que naquela segunda-feira estavam em crise. Um deles imprimiu uma foto de Vilca e colocou no corredor para ser vista. Eles se sentiam, à sua maneira, iguais aos garis de Jujuy. "Dos nossos."

Raúl Godoy, operário de Zanon e dirigente do PTS-FITU de Neuquén, dá uma explicação. “Em toda essa situação que vivemos, a burocracia sindical e os movimentos sociais ligados ao governo ataram as mãos de grande parte da classe trabalhadora. Quem quisesse tinha que lutar sozinho. O que a burocracia peronista pretendia ganhar? Não há dúvidas de que havia raiva e força para enfrentar o ajuste, mas a CGT e a CTA tentaram contê-lo. O que não puderam conter foi esse voto de raiva”.

À sua maneira, essa desilusão foi expressa por uma trabalhadora do hospital Cestino de Ensenada, próxima ao peronismo local. Ela se dedicou à pandemia e eles deram as costas. "Desta vez, votei na esquerda, não quero mais ter que votar com o nariz tapado."

Muitos se preocupam com os votos que o Juntos ou Milei [5] conquistaram, é verdade, mas acreditam que a esquerda é a opção mais consequente para enfrentá-los.

4. Lutas, forças operárias e política

"Na segunda-feira, uma companheira me disse que se a esquerda saiu como terceira força, isso significa que nós trabalhadores e trabalhadoras estamos acordando." Quem fala é Julieta Katcoff, nova vereadora do PTS-FITU de Neuquén. Fez parte das e dos elefantes da saúde que comoveram a Patagônia por 70 dias até que o teto salarial foi rompido. “Na semana passada”, diz Julieta, “começaram a nos enviar mensagens, publicações: nós elefantes temos memória, não podemos acompanhar o MPN [6] diziam, mas também havia uma desilusão entre os que apostaram na Frente de Todos e ficaram desiludidos em nosso conflito. Mais de 100 colegas me escreveram dizendo que votaram em nós, muitas referências de seus hospitais, convenceram suas famílias. Muitas foram votar com suas roupas de trabalho, cheias de palavras de ordem escritas nos piquetes, orgulhosas de sua luta, mas também expressando-a eleitoralmente ”.

Raúl Godoy, que obteve quase 8% dos votos, acrescenta que “pela esquerda tivemos um enorme reconhecimento dos setores que lutaram. Dos hospitais, trabalhadores da educação, mineiros de Andacollo, comunidades Mapuche, do distrito industrial de Neuquén, obtivemos mais de 15% dos votos”.

Saudações da "linha de frente" também chegavam a nossos companheiros de Mendoza, Córdoba, Chubut, da Cidade e da Província de Buenos Aires. Natalia Aguilera, enfermeira do Hospital San Martín de La Plata, foi despedida pelas autoridades da mesa com: “tem que ter uma enfermeira no Congresso”. Ela conta que naquele dia recebeu as fotos: “Naty eu votei em vocês”, “são uma alternativa”. “São pessoas que querem se ativar, não foi só no domingo”, afirma.

Outro setor que irrompeu com seu grito para ser efetivado foi o dos terceirizados da zona metropolitana. Muitos deles também assumiram a luta política. Vinte empresas terceirizadas de energia elétrica que colocam "energia" na fiscalização. “A Frente de Esquerda mostrou que está do lado do trabalhador e me enche de orgulho que entre todos os companheiros pudemos fazer a nossa parte e tomar consciência de classe como grupo, em nossas famílias, em nossos bairros”, diz um deles.

Entre os terceirizados do Trem Roca e das demais linhas também houve apoio. “Não podíamos acreditar. É um passo enorme. As pessoas estão magoadas com o governo e uma parte votou na esquerda. Temos que ganhar o voto daqueles que apoiaram outras forças”, diz um dos MCM. Outra havia votado no macrismo, mas desta vez votou na FITU e disse aos colegas: “Lembrem-se de quem estava conosco quando não éramos ninguém”. Andrés Padellaro, referência do Agrupação Ferroviária Laranja, afirma que “há muito descontentamento, por isso muitos terceirizados e efetivos, até delegados, nos disseram que iam votar em nós e depois a alegria pelo que tínhamos obtidos em seus bairros."

Os aeronáuticos, terceirizados das Companhias Aéreas ou demitidos ​​da LATAM, também se mobilizaram. Fizeram e continuam fazendo parte dos trabalhadores essenciais que despacham as vacinas ou trabalham nos vôos de repatriação. Na LATAM, lutam pela reintegração há mais de um ano e meio. Uma dezena de candidatos e muitos mais fiscais conseguiram que as saudações em Ezeiza e Aeroparque na segunda-feira contagiassem os outros. Haviam votado em Bregman, Del Caño e em seus colegas de trabalho.

Chubut já tem três anos de lutas de professores, trabalhadores estaduais, sanitários e principalmente militantes da causa ambiental, contra o governador Mariano Arcioni. Os 25.500 votos da Frente de Esquerda foram, apesar do triunfo da direita, a expressão de um amplo setor que quer continuar nas ruas.

Vamos parar por um minuto para "passar a limpo". O que essas anedotas e números expressam? Primeiro, foram as recuperações de terras e as rebeliões dos setores mais precários, que tiveram Guernica como símbolo. Desde setembro de 2020, apesar do papel nefasto das direções sindicais burocráticas, um setor da classe trabalhadora saiu para lutar. Protagonizaram as rebeliões por aumento de salário no final daquele ano, com inúmeras greves. 2021 começou com duros conflitos contra fechamentos de empresa e demissões (Arrebeef, Ternium, HeyLatam, Clínica San Andrés). Em seguida, veio uma série de fenômenos de auto-convocados que incluíram a primeira linha de saúde em Neuquén e outras províncias, produtores de vinho em Mendoza e Salta, professores, motoristas da UTA de várias províncias, trabalhadores rurais em Tucumán, comércio no Norte e na zona metropolitana , portuários, terceirizado ferroviários, elétricos e aeronáuticos que lideraram um incipiente processo de coordenação que realizou cortes de ruas, pontes e ações contundentes no centro de Buenos Aires, onde convergiram com importantes marchas de desempregados.

Embora não tenham conseguido derrotar o ajuste devido à traição de suas direções, foram uma mensagem ao governo e às patronais. Havia forças. Essa raiva, que não pôde terminar de se expressar nas ruas, começou a se refletir politicamente. Um setor com o voto na esquerda. Outro, por ora mais amplo porque as burocracias e o Estado conseguiram contê-lo, na abstenção e em outras formas de "punição". Fazem parte da experiência do povo trabalhador com um novo governo peronista em que muitos confiaram.

Estamos falando dos setores mais precários dos bairros operários. Daqueles que apesar de serem formais receberam um golpe no bolso, mas também nas suas ilusões. Dos lutadores que precisavam estar um passo à frente.

Num setor crescente, uma conclusão foi amadurecendo: a direita já nos ajustou, "nosso" governo [7] nos decepciona, a esquerda nos apoia. Porque a esquerda não apenas se jogou em cada um desses conflitos. Também lutou pela unidade e coordenação que lhes daria mais força. Como muitos ativistas pensavam quando os questionávamos sobre nossa proposta de uma frente de toda a esquerda classista, muitos diziam que “a esquerda é a única opção para unir as lutas e poder vencer”. Era verdade. Hoje podemos dizer que a muito boa eleição da FITU dá ânimo a quem está lutando ou quer lutar. Como diz Vilca, "seu estado de ânimo muda". E na Argentina por vir, não é pouco.

5.Preparar-se para o que está por vir

Entre a eleição de domingo e essas linhas, abriu-se uma crise no governo. O castigo que o peronismo recebeu atingiu também as cúpulas da CGT e da CTA. Deixaram o ajuste passar e "as bases" cobraram por isso. Ninguém pode nem mesmo vê-los.

A primeira reação da Frente de Todos foi reforçar seu gabinete "à direita". Ele colocou no gabinete os homens que reprimiram as lutas populares como Aníbal Fernández, amigos da burocracia sindical como Julián Domínguez, governadores feudais como Juan Manzur.

Tempos mais críticos estão chegando. Parece que eles estão "todos juntos" com o FMI. Mas nem tudo é crescimento da direita como eles querem que acreditemos. Nem desmoralização. O milhão de votos que fizeram da Frente de Esquerda uma terceira força nacional, com suas propostas anticapitalistas, são um enorme ponto de apoio para continuar nas ruas contra o ajuste e lutar por outra saída. Por essas ideias que levantamos durante a campanha: a redução da jornada de trabalho e a distribuição das horas de trabalho, com um salário digno, efetivação dos trabalhadores, teto e moradia para todos, não pagamento da dívida, fora FMI.

Como Myriam Bregman, Nicolás del Caño, Alejandro Vilca e nossas figuras reafirmaram nesse fim de semana, esse apoio que recebemos deve servir para que cada vez mais trabalhadores, mulheres e jovens, mais setores em luta, se organizem junto com a esquerda revolucionária para as lutas que estão por vir. A partir do PTS, organização-irmã do MRT, queremos aproveitar esse momento precioso para dar novos passos como corrente militante nos sindicatos, nos bairros, nos locais de estudo, no movimento de mulheres, nas ruas.

Como os poderosos mostram à sua maneira, não há tempo a perder.

veja todos os artigos desta edição
FOOTNOTES

[1Coalizão peronistabde Alberto Fernandez

[2Coalizão direitista de Macri

[3Agrupação impulsionada pelo PTS

[4Apelido de Myriam Bregman

[5Figura da extrema direita liberal argentina, referenciada em Trump e Bolsonaro

[6Movimiento Popular Neuquino, que governa a província

[7Se refere aos peronistas
CATEGORÍAS

[Eleições 2021 Argentina]   /   [FIT-U]   /   [Cristina Kirchner]   /   [Frente de Esquerda e dos Trabalhadores (FIT)]   /   [PTS na FIT]

Lucho Aguilar

Comentários