Sociedade

Ciência contra Covid-19: estudantes da USP constroem ventilador pulmonar para vítimas do vírus

Enquanto governo Bolsonaro corta bolsas de pesquisa e desvaloriza a ciência, estudantes da POLI-USP constroem ventilador pulmonar para vítimas do vírus que se tratarão em casa.

sábado 28 de março| Edição do dia

Uma equipe multidisciplinar da Escola Politécnica (Poli) da USP desenvolveu um projeto de um ventilador pulmonar emergencial para suprir a possível demanda do aparelho hospitalar devido à pandemia do COVID-19, o INSPIRE. A articulação de um grupo de pesquisadores que pudesse dar uma resposta rápida à situação emergencial

O protótipo batizado com o nome INSPIRE é um ventilador pulmonar aberto de baixo custo, produzido totalmente com tecnologia nacional, e que se utiliza de componentes amplamente disponíveis no mercado brasileiro. O professor Raul González Lima, especialista em Engenharia Biomédica e um dos coordenadores do projeto, explica que o objetivo é suprir uma possível necessidade deste tipo de equipamento no Brasil.

“ Seria necessário ter um equipamento que pudesse atender a população que ficaria desassistida neste caso.”

Equipamentos como esses, baratos, de simples produção e extremamente baratos, poderiam ser produzidos aos montes se a produção de científica e de tecnologia no capitalismo não estivesse voltada quase que completamente para os desenvolvimento das grandes empresas e da indústria farmacêutica. Sequestram o conhecimento produzido pela humanidade a partir de elementos da natureza e os vendem ou os proíbem pra a massa da população ao invés de estarem salvando vidas que muitas vezes adoecem por problemas do próprio sistema, estão engordando, ainda mais, as contas bancárias dos grandes capitalistas. Dão o veneno e vendem a cura.

O sucesso do experimento realizado é mais uma prova da necessidade do investimento em educação, pesquisa e ciência no Brasil, ao contrário do que tem feito os governos ao cortarem inúmeras bolsas de pesquisa, precarizarem as universidades públicas com até mesmo falta de professores e ignorarem ou desmerecerem a produção ciêntífica resumindo as universidades à "balbúrdias".

Ainda, algumas medidas essenciais para o combate a crise é que essa produção acadêmica e também a industrial precisam estar voltadas a atenderem às necessidades imediatas da população na crise do Covid-19 como álcool em gel, luvas, máscaras, testes rápidos, leitos e aparelhos hospitalares.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Sociedade   /    Educação   /    Saúde   /    USP

Comentários

Comentar