Política

CORRUPÇÃO

Censura à divulgação dos documentos sobre rachadinhas de Flávio Bolsonaro é mantida

O recurso apresentado pela TV Globo para rever a proibição de divulgar documentos das rachadinhas envolvendo Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi negado. O desembargador Fábio Dutra, da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio foi quem negou o pedido e o processo segue sob sigilo.

quinta-feira 17 de setembro| Edição do dia

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A liminar que proíbe a emissora de divulgar os documentos do caso das “rachadinhas” foi deferida pela juíza Cristina Serra Feijó, da 33ª Vara Cível do Rio, que alegou risco de dano à “imagem” de Flávio Bolsonaro caso os documentos fossem veiculados pela TV Globo.

"Some-se a isto que o requerente (Flávio Bolsonaro) ocupa relevante cargo político e as constantes reportagens, sem qualquer dúvida, podem ter o poder de afetar sua imagem de homem público e, por via transversa, comprometer sua atuação em prol do Estado que o elegeu senador", afirmou a juíza.

Pode te interessar: Divulgação de investigações sobre Flávio Bolsonaro são censuradas pela Justiça do RJ

Flávio Bolsonaro é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa em suposto esquema do qual seu então assessor Fabrício Queiroz, também é acusado. Queiroz foi preso em Atibaia (SP) em junho, e cumpre prisão domiciliar no Rio de Janeiro.

A decisão de manter o sigilo dos documentos acerca do processo de Flávio Bolsonaro mostra que setores do judiciário estão alinhados à família Bolsonaro.

Há dois anos que essa e outras investigações estão em andamento e pouco se avança em resoluções, havendo até manobras por parte do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro para impedir as investigações, como ocorreu quando procuradora bolsonarista fez o Ministério Público perder prazo contra o foro especial de Flávio Bolsonaro.

Pode te interessar: Com manobra de juíza bolsonarista, MP-RJ perde prazo de recurso contra foro de Flávio Bolsonaro

Mesmo entre setores do judiciário não alinhados à família investigações progridem tão vagarosamente que cumprem mais o papel de condicionamento e limitação do poder do clã Bolsonaro do que a chegada à justiça, como vemos na irresolução da investigação sobre as ligações com as milícias, com o assassinato de Marielle, o caso das candidaturas laranja e do esquema de Fake News.

Além disso, nas últimas semanas vem prevalecendo uma trégua entre Executivo e Judiciário, com a recente troca de elogios entre Bolsonaro e Toffoli, em prol dos ataques como a Reforma Administrativa e como preventiva frente à crise social fruto da pandemia e da crise econômica.

Com informações da Agência Estado.




Tópicos relacionados

Flavio Bolsonaro   /    Poder Judiciário   /    Corrupção   /    Política

Comentários

Comentar