Mundo Operário

CALL CENTER

Call center Almaviva demite trabalhador que faltou ao ser hospitalizado com COVID-19

Em mais uma demonstração da desumanidade capitalista, a empresa Almaviva demite trabalhadores contaminados por COVID-19 porque faltava “credibilidade” ao trabalhador que se ausentou pela internação e pela quarentena. Reproduzimos denúncia publicada na página DiskRevolta.

quinta-feira 23 de abril| Edição do dia

Imagem: Disk Revolta.

Relato publicado na página Disk Revolta do Facebook diz:

Um dos demitidos apresentou sintomas graves da Covid-19 nas semanas anteriores, e chegou até a ser hospitalizado.

Recebeu alta sem conseguir fazer o teste e cumprir a quarentena (com atestado). Quando retornou ao trabalho, ouviu do supervisor que para “ter credibilidade” no callcenter precisava ir trabalhar por uma semana, já que não tinha como provar que a contaminação era pelo coronavírus.

É assim que, um trabalhador hospitalizado com falta de ar, em meio a uma pandemia de doença respiratória, perde “credibilidade” aos olhos da empresa!

E o que aconteceu depois de uma semana de trabalho? O funcionário não conquistou a tal “credibilidade”, a empresa quebrou o contrato de experiência e o demitiu com mais oito colegas na última segunda-feira, 20/04.

Já havíamos denunciado aqui no Esquerda Diário a continuidade do funcionamento das empresas de Call Center em meio à contaminação coletiva, que expõe sem trégua seus trabalhadores a um ambiente de trabalho insalubre e potencialmente assassino.

As mesas são próximas demais, e a grande maioria dos trabalhadores divide equipamentos com outros sem que haja instrumentos e produtos para higienização disponibilizados pela empresa, como mostramos aqui e aqui.

Contra essas medidas, os trabalhadores se organizaram em diversas cidades do país e também estes foram demitidos pela empresa.

O caso do trabalhador demitido mostra que o capitalismo, se não te mata na ausência de testes e tratamento adequado da doença, te devora quando você voltar ao trabalho sem conseguir provar porque passou 30, 40 ou até 50 dias sem dar lucro pra empresa.

A ausência de testes, além de criar uma aparência de normalidade num local de trabalho onde pode ser que todos estejam contaminados, impede que o trabalhador possa comprovar os motivos que o levaram a estar ausente do trabalho.

No fim das contas, as medidas novamente não são tomadas para proteger a vida de outros trabalhadores, frente a potencial contaminação de um colega, mas sim para impedir que o ódio de ter vivido uma experiência de quase morte se torne revolta organizada e luta de classes.

Neste Diário, estamos pela luta de classes, lado a lado dos trabalhadores que lutam e em defesa de nossas vidas. Exigimos proibição das demissões, liberação de todos os trabalhadores que são grupo de risco sem corte salarial, testes massivos já para enfrentar o COVID-19 com uma verdadeira guerra de classe, que passa por controlar os rumos da crise nas mãos da nossa classe, a única capaz de colocar as vidas acima do lucro.

Leia o relato original aqui.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Call Center   /    Telemarketing   /    Saúde   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar