×
Rede Internacional

PRIVILÉGIOS AOS MILITARES | Bolsonaro prepara mais regalias às forças policiais com crédito subsidiário imobiliário

Em mais uma iniciativa de agradar sua base política, Bolsonaro deve usar recursos da Caixa para financiamento de imóveis de policiais

sexta-feira 11 de junho | Edição do dia

Foto: Zanone Fraissat/Folhapress

Enquanto a ampla maioria dos trabalhadores brasileiros sofrem as duras consequências da profunda crise, aprofundada com a Covid, com empregos cada vez mais precarizados, salários defasados e preço dos alimentos subindo vertiginosamente, militares ganham cada vez mais regalias por parte do governo Bolsonaro, desde o exército até a polícia, que agora terá crédito imobiliário subsidiado pelo governo, financiados pela Caixa.

Com as forças militares (incluindo policiais e bombeiros) tendo sua própria reforma da previdência, muito mais leve que as dos demais trabalhadores, agora mais uma vez os recursos da verba pública serão usados para benefício dos mesmos, que terão uma linha de crédito exclusiva O projeto ainda não tem um valor total estipulado.

Jair Bolsonaro (sem partido), a pouco tempo, figurou um escândalo com seu governo, onde lançava mão de um orçamento bilionário para compra de regalias supérfluas as forças armadas, com despesas na casa dos milhões em coisas como chicletes, leite condensado, cerveja e carne para churrasco. Tudo isso em plena fase crítica da pandemia, com a crise econômica agudizada e a vacinação negligenciada, no país. Todos os privilégios que as forças de repressão militares possuem no atual governo é a barganha de Bolsonaro com a sua base política dura, que busca a sinalização de um apoio ante as eleições de 2022, principalmente após desgaste que sofreu com os acontecimentos da pandemia.

Veja também: Enquanto universidades fecham por falta de verba, aeronáutica gastará R$ 26 mil em licor

Enquanto vivem como reis, o trabalhador comum teve seu salário desvalorizado em 10% em 2021, e o país enfrenta uma taxa de desemprego recorde de 14,7%. A maior parte dos trabalhadores não foi sequer vacinado, ainda.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias