Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Bolsonaro participa de sua primeira reunião com a cúpula do Mercosul, e afirma reforma da previdência é quimioterapia para o Brasil

Na reunião Bolsonaro que como sempre não controla o seu linguajar chulo e suas brincadeira, pra lá de sem graça, fez uma intervenção após receber a presidência pro-tempore do bloco, afirmando que a reforma da previdência e as novas regras de pensionistas e aposentados são “como uma quimioterapia, mas necessária para que o corpo possa sobreviver”.

quinta-feira 18 de julho| Edição do dia

Essa afirmação, expressa claramente que a reforma da previdência, está longe de resolver o problema da crise no Brasil, ou seja, é uma medida paliativa, que terá que terá que adotar novas medidas de ataque aos trabalhadores, pois mexer no bolso e nas condições de trabalho, dando margens cada vez maiores para exploração do trabalho, são as únicas vias, vistas pelo presidentes, os golpistas e o próprio STF, que tem o compromisso de garantir que os capitalistas sigam lucrando.

Ao declarar a insuficiência da reforma da previdência coloca em situação delicada os demais membros do Mercosul, primeiro porque no Chile hoje, uma série de debates e críticas tem acontecido no país, fruto da proposta de aplicar a reforma na previdência, assim como a Argentina que passa pelos impactos da crise e também quer reestruturar seu sistema em base a mais ataques aos trabalhadores.

Um Mercosul unido para defender os capitalistas

Bolsonaro deixou claro as intenções em avançar na união aduaneira e modernizar os regulamentos, que na prática, seria flexibilizar as leis nas fronteiras, “trabalharemos para incluir o açúcar, os automóveis” afirmou ele.

Bolsonaro mostra que seriedade não é seu forte, ao falar com Evo Morales, disse: “estava com saudades, não nos vemos desde a minha posse”, a Mauricio Macri da Argentina, agradeceu por terem concluído a proposta de acordo com a União Europeia. Defendeu Macri dizendo: “Posso dizer a vocês, Paraguai, Uruguai, vocês não estavam lá, mas o Macri foi 10, por todos nós lá”, relatando quando estava no Japão e receberam a notícia do acordo.

Também disse ao Presidente do Chile Sebastian Piñera, que não é membro pleno do grupo que “Seu problema é com o Peru, não com o Brasil. Estou faltando sobre a Copa América, talkey?” Peru e Chile tem uma rivalidade histórica fruto da invasão cometida pelo Chile na Guerra do Pacifico, mas certamente dessa Bolsonaro não sabia, para seguir com tal piada infame.

Por fim Bolsonaro afirma querer “Um Mercosul enxuto e dinâmico, com menos discurso e mais ação, e que vá além da integração comercial, não queremos uma América do Sul como Pátria Grande, e que cada país seja grande, como diz o presidente Trump sobre os EUA”

O que Bolsonaro esqueceu de falar é que na sua referência, os EUA exploram outros países, para se manter como o principal imperialismo no mundo e que mantendo essa relação de venda do Brasil aos americanos, nunca sairemos do posto de país terceiro mundista. Relação essa que Bolsonaro quer manter de subserviência, com o pagamento religioso da dívida pública e com as privatizações e vendas dos recursos públicos.




Tópicos relacionados

Acordo UE-Mercosul   /    Jair Bolsonaro   /    mercosul   /    Política

Comentários

Comentar