BOLSONARO

Bolsonaro foge de debate, mas fará ato público no mesmo dia

No mesmo dia em que seria realizado o debate da Band, no qual Bolsonaro usou um atestado médico para justificar sua ausência e assim não ter que apresentar seu programa antipopular, o militar ultra direitista convocou 380 deputados estaduais e federais eleitos pelo PSL e partidos próximos para um ato público no Hotel Windsor.

Odete Cristina

estudante de ciências sociais na USP

quinta-feira 11 de outubro de 2018| Edição do dia

Jair Bolsonaro passou boa parte do primeiro turno sem ir aos debates por conta do atentado à faca que recebeu durante o primeiro turno. No entanto, a cada dia fica mais claro como o reacionário candidato vem se utilizando das questões médicas a seu modo, para poder fugir do debate e por essa via esconder seu programa escravista ante os olhos dos milhares de trabalhadores e jovens que vem sendo iludidos por seu discurso radical contra esse sistema, mas que praticamente não conhecem seu programa econômico escravista e neoliberal, de ataques à classe trabalhadora.

O candidato do PSL alegou que não poderia participar do debate na Bande, previsto para essa quinta feira, dia 11, por conta de recomendações médicas. No entanto, no mesmo dia, Bolsonaro participará de um ato público da sua campanha, com mais de 380 parlamentares eleitos do PSL e partidos aliados. Como explicar então que os médicos Antonio Luiz de Vasconcellos Macedo e Leandro Echenique examinaram o candidato nesta quarta (10) e informaram que ele só terá alta a partir da quinta-feira da próxima semana, dia 18. “Ele está recuperando, mas ainda não está liberado para fazer campanha”, afirmou Echenique.

Esse ato público, escancara como a recomendação médica de não ir ao debate é bastante funcional ao favorecimento dos interesses do candidato, que já provou inúmeras vezes não ter nenhum domínio da arte de debater com os adversários. Preferindo pregar seus discursos de ódio para seus fies apoiadores, que alimentados por ele, estão agora se sentindo fortalecidos para atacar todos os que não compactuam com esses absurdos, como aconteceu diante do brutal assassinato do mestre Moa do Katendê, ou com o caso da jovem gaúcha que foi marcada por canivete com uma suástica na costela, simplesmente por usava uma camiseta escrita #elenão.

É por esse e tantos outros motivos que nós do Esquerda Diário, frente à excepcionalidade de eleições brutalmente manipuladas, que favorecem o avanço do autoritarismo herdeiro da ditadura, que quer impor de fato uma mudança reacionária de regime, acompanhamos o ódio e a vontade de luta contra Bolsonaro, votando criticamente em Haddad, com o objetivo que consideramos a tarefa central de todos os trabalhadores e jovens mais conscientes, que é ajudar a conduzir esse ódio ao único terreno em que poderemos triunfar: a luta de classes para que os capitalistas paguem pela crise.




Tópicos relacionados

Eleições 2018   /    Jair Bolsonaro

Comentários

Comentar