Gênero e sexualidade

PANDEMIA

Boate de Oscar Maroni é fechada após festa; bolsonarista a manteve aberta durante a pandemia

Prostíbulo de luxo Bahamas Hotel Club, propriedade do misógino e bolsonarista Oscar Maroni, é fechado em blitz da pandemia na noite de quarta, 17.

quinta-feira 18 de março| Edição do dia

Foto: Reprodução/YouTube

Uma festa com cerca de 40 pessoas acontecia naquele momento no Bahamas Hotel Club, uma conhecida casa noturna de São Paulo. Durante a operação, o proprietário do local Oscar Maroni declarou que se tratava de um hotel, estabelecimento este que pode funcionar em meio às restrições da fase roxa.

A realidade é que trata-se de um tradicional prostíbulo de luxo na capital paulista, que já foi palco de cenas grotescas e abomináveis, com show de reacionarismo e misoginia, envolvendo situações de violência e humilhação pública de mulheres e distribuição gratuita de cerveja para comemorar a prisão de Lula no início de 2018.

A aglomeração causada na casa noturna não é uma exceção que aparece agora, pelo contrário, o local sempre esteve aberto ao longo da pandemia, gerando cenas cotidianas não apenas de aglomeração, mas de machismo, misoginia e constante humilhação de mulheres.

Oscar Maroni é um entusiasta apoiador de Jair Bolsonaro e já foi candidato a deputado federal pelo PROS. O empresário se orgulha de sua exacerbada misoginia e usou a violência e degradação das mulheres para fazer sua campanha naquele momento. Seu prostíbulo de luxo não apenas promove aglomerações em meio a pandemia, que está agora em seu pior momento, mas também é um local de promoção constante da violência machista.




Tópicos relacionados

bolsonarismo   /    Pandemia   /    Machismo   /    São Paulo (capital)   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar