Sociedade

DIREITOS HUMANOS

ABSURDO: Aguardando vagas, presos são mantidos por dias em viaturas e com banheiros químicos

Na manhã desta segunda-feira (15) em Porto Alegre, 21 presos que aguardavam a dias nos carros da Brigada Militar e urinavam em garrafas PETs, foram transferidos da frente ao Palácio da Polícia e à 3ª DPPA para um espaço anexo ao Instituto Psiquiátrico Forense (IPF). Eles foram transferidos no fim de semana para esse novo local após decisão do governo do Estado.

segunda-feira 15 de julho| Edição do dia

Os presos seguem dentro das viaturas da Brigada Militar e em condições sub-humanas, com acesso a três banheiros químicos apenas, sem poder receber visita. A imprensa não teve autorização para acessar o espaço, o que dificulta inclusive saber quais são as condições físicas destes presos.

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, além de Porto Alegre, também há presos mantidos em viaturas em outras três cidades da Região Metropolitana: Canoas, Gravataí e Viamão.

Essa situação absurda que fere brutalmente os direitos humanos no sul do país escancara a situação de milhares de outros detentos, que numa grande maioria dos casos, nem sequer foram julgados. Essa é o drama da juventude negra brasileira, ameaçada pelo gatilho fácil da polícia, a repressão policial e o encarceramento em massa. Ao ponto de não ter mais espaços para aglutinar os presos e sem qualquer compromisso com a reinserção social, a polícia racista mantém 21 pessoas em condições completamente desumanas.

Esta realidade que é estrutural de uma sociedade baseada na desigualdade e perpetrada pelo racismo secular que ofereceu o desenvolvimento capitalista em troca do sequestro, assassinatos, violações e desumanização, ganha contornos ainda mais duros com a chegada da extrema direita no poder. Irreconciliável com os direitos humanos mais elementares, Bolsonaro e Sergio Moro buscam atacar o povo negro de diferentes formas: mantendo as mulheres negras assassinadas por abortos clandestinos, os jovens negros encarcerados pela redução da maior idade penal e os assassinatos em série liberados pelo "Pacote Anti Crime", onde um polícia é impune de matar se alegar "susto ou surpresa".

Por isso nós do Esquerda Diário denunciamos essa lamentável situação e lutamos junto ao Quilombo Vermelho para enfrentar Bolsonaro, Moro e os racistas que governam este país junto aos empresários que vivem do suor do povo negro, da escravidão ao trabalho assalariado, sem separar estas lutas da luta pela transformação radical desta sociedade. Somente com um programa anticapitalista que passe por exigir a libertação de todos os presos sem julgamento, não se pode lutar contra esta triste realidade.




Tópicos relacionados

Encarceramento   /    Sociedade   /    Direitos Humanos

Comentários

Comentar