MARIELLE, PRESENTE!

34 meses sem respostas: Quem mandou matar Marielle Franco?

Há 34 meses nos fazemos a mesma pergunta todos os dias: quem mandou matar Marielle? A contagem segue junto a nossa luta por justiça por Marielle.

quinta-feira 14 de janeiro| Edição do dia

Há 34 meses, Marielle e Anderson, foram alvejados com 13 tiros no carro em que estavam no Rio de Janeiro. Marielle voltava de uma atividade partidária com seu motorista. O caso ganhou notoriedade internacional, despertou revolta e mobilizou não só o Brasil, mas a população do mundo inteiro contra a extrema direita que destila ódio contra negros, mulheres, LGBTs, trabalhadores, movimentos sociais e organizações da esquerda.

Desde seu assassinato, vimos provas desaparecerem, serem "salvadas em formato errado" pela polícia ou as imagens dos assassinos de Marielle que foram perdidas pela polícia civil do Rio de Janeiro. A resposta desse crime, que ocorreu no meio da intervenção militar no Rio de Janeiro segue sem respostas. O Estado é responsável, e nestes 34 meses desde seu assassinato, sabemos que os verdadeiros interessados em encontrar uma resposta não veste toga, farda ou terno.


Paula Paiva Paulo/G1

Seu assassinato foi a ferida aberta do golpe: escancarou o autoritarismo crescente desde regime podre, que a cada dia se deteriora mais, assassinando, perseguindo e precarizando a vida de conjunto dos trabalhadores, mulheres, negros, LGBTs, indígenas, dos mais pobres.

Veja também: Por que depois de tanto tempo a investigação não andou?

Por isso defendemos que o Estado garanta uma investigação independente, realizada por uma comissão de especialistas em direitos humanos, movimentos sociais e partidos de esquerda. É preciso que sejam garantidos os acessos às provas e todas as condições necessárias, para que os verdadeiros interessados tenham sua resposta.

Nossa contagem nunca vai parar até que saibamos o quem e porque desse odioso crime. Marielle, presente! Hoje e sempre!




Tópicos relacionados

#JustiçaParaMarielle   /    Marielle Franco   /    Feminismo   /    Rio de Janeiro   /    LGBT   /    [email protected]

Comentários

Comentar