×

DESEMPREGO E PANDEMIA | 243.865 mil trabalhadores da cultura perderam seus empregos durante pandemia no Brasil

Os dados divulgados pelo Painel de Dados do Observatório Itaú Cultural divulgado nesta terça-feira (29) comprovam que os trabalhadores do setor cultural foram um dos mais afetados pela pandemia.

terça-feira 29 de junho | Edição do dia

Imagem: Divulgação

A pesquisa foi realizada pelo Observatório Itaú Cultural, que utiliza os dados da Pnad Contínua. Nela, os dados são alarmantes: 243.865 mil trabalhadores da área cultural perderam seus postos de trabalho desde o início da pandemia no Brasil.

No primeiro trimestre de 2020, esses trabalhadores eram 6.843.455. Agora, no primeiro trimestre de 2021, este número caiu 4%, somando 6.599.590 trabalhadores.

- Acompanhe o Semanário de Arte e Cultura do Esquerda Diário: Carcará

A chamada "economia criativa" é dividida em três tipos de trabalhadores: especializados, aqueles que atuam diretamente no setor criativo (artesanato, artes cênicas, artes visuais, cinema, música, fotografia, rádio, TV e museus e patrimônio); de apoio, aqueles que prestam serviços à área cultural (contadores, advogados etc.); e incorporados (publicidade, arquitetura, moda, design, produção editorial etc.).

O setor mais afetado foi o primeiro, os especializados, dos quais 27% perderam seus empregos desde 2020. Não por mera coincidência são estes os mais odiados pelo governo de Bolsonaro e Mourão e que frequentemente são largados à deriva da própria sorte diante de um regime golpista e um sistema capitalista que mercantiliza a arte e precariza o trabalho e vida da classe trabalhadora.

Quando visto por estados, as maiores quedas foram registradas no Rio Grande do Norte (-24%), Paraíba (-15%), Mato Grosso (-15%), Espírito Santo (-15%) e Amazonas (-15%).




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias