×

Crise climática | 216 milhões de pessoas no mundo poderão ser forçadas a se mudarem de seus países até 2050

O Banco Mundial publicou nesta segunda-feira (13) o relatório "Groundswell", sobre os efeitos das mudanças climáticas na vida dos seres humanos já para os próximos anos: 216 milhões de pessoas em seis regiões do mundo, incluindo 17 milhões de pessoas na América Latina, poderão ser forçadas a se mudarem de seus países até 2050 para fugirem de eventos climáticos adversos.

terça-feira 14 de setembro | Edição do dia

Imagem: Mohamed Abdiwahab/AFP

De acordo com o relatório, as pessoas serão forçadas a se mudarem das suas regiões por causa, principalmente, de:

●Escassez de água

●Diminuição da produtividade no campo como um todo

●Temperaturas muito elevadas (estresse térmico)

●Aumento do nível do mar, o que levará a perda de terras

●Eventos climáticos extremos, como tempestades

A África Subsaarinana deverá ser a região mais afetada, concentrando quase 40% dos migrantes climáticos (86 milhões) das próximas três décadas. Na sequência aparece o Leste Asiático e Pacífico, com 22,6% (49 milhões) das futuras migrações do tipo.

Pode te interessar: Crise Climática: É o capitalismo, não a humanidade

A América Latina também é classificada como área de alerta, de onde deverão sair 17 milhões de migrantes climáticos até 2050, mais de 7% do total para o período. Demais populações que deverão sofrer com as alterações do clima estão no Sul da Ásia, Ásia Central, África do Norte e a Europa Oriental.

Veja também: Capitalismo e natureza: uma contradição perigosa

O vice-presidente de Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial, Juergen Voegele, diz que os mais afetados pelas mudanças climáticas já são e continuarão sendo os mais pobres do mundo, que segundo ele são justamente "aqueles que menos contribuem para suas causas".

Veja mais: A cura para a ansiedade climática é a destruição do capitalismo

"Os impactos das mudanças climáticas são cada vez mais visíveis. Acabamos de viver a década mais quente já registrada e estamos vendo eventos climáticos extremos em todo o mundo, com mudanças no clima da Terra ocorrendo em todas as regiões", diz Voegele.

Veja também: A que ponto chegaremos? Catástrofe climática e capitalismo

O Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês), afirmou, em agosto, que as mudanças climáticas causadas por interferência humana são irrefutáveis, irreversíveis e levaram a um aumento de 1,07º na temperatura do planeta, afetando todas as sub-regiões do mundo. Um dos alertas diz que a interferência humana aumentou a chance de eventos extremos desde 1950, incluindo a frequência da ocorrência de ondas de calor, secas em escala global, incidência de fogo e inundações.

O relatório anterior do Banco Mundial sobre os refugiados climáticos, publicado em 2018, já destacava a América Latina como local de alerta para refugiados ambientais.

A América Latina já era destacada como local de alerta para refugiados ambientais pelo relatório anterior do Banco Mundial sobre os refugiados climáticos, publicado em 2018.

"Três anos atrás, o primeiro relatório Groundswell projetou que, até 2050, as mudanças climáticas poderiam levar 143 milhões de pessoas em três regiões do mundo (Sul da Ásia, América Latina e África Subsaariana) a migrar dentro de seus próprios países", disse Voegele.

O Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas também aponta a América Latina como área de preocupação para as mudanças climáticas nas próximas décadas. Entre as projeções para a América do Sul estão:

●Crescimento na duração das secas no Nordeste brasileiro;

●Redução nas chuvas no Nordeste da América do Sul (Nordeste do Brasil) e Sudoeste da região (Chile e sul do Peru).

●Crescimento da seca, da aridez e/ou das queimadas no sul da Amazônia brasileira e em parte do Centro-Oeste.

●Número de dias com temperaturas máximas superiores a 35°C na Amazônia aumentarão em, no mínimo, 60 dias por ano até o final do século (podendo passar de 150 dias em um cenário mais extremo);

●Mudança no regime das monções no sul da Amazônia brasileira e em parte do Centro-Oeste, com atraso nas chuvas torrenciais;

São os grandes monopólios, as grandes empresas, as grandes multinacionais que controlam os preços e a escassez, que intensificam a exploração da natureza, tratando os recursos naturais como fontes inesgotáveis, para convertê-los em mercadorias.

O grande culpado de toda essa crise climática não é toda a humanidade de forma indiferenciada, mas sim de grandes empresários, bancos e seus representantes políticos, como Bolsonaro, que controlam os preços e a escassez, que intensificam a exploração da natureza, tratando os recursos naturais como fontes inesgotáveis, para convertê-los em mercadorias.

PODCAST FEMINISMO E MARXISMO:[PODCAST] 068 Feminismo e Marxismo – O meio ambiente e as mulheres

Ou seja, é o capitalismo que aprofundou o desequilíbrio entre o homem e a natureza, intensificando a contradição entre a produção da vida humana em sociedade e os ciclos da natureza. Somente a classe trabalhadora, avançando para uma sociedade de ruptura com o capitalismo em perspectiva revolucionária comunista pode construir uma sociedade totalmente sustentável, que possa colocar os bens naturais à serviço da humanidade ao mesmo tempo que a preserva, diferentemente do que vemos no capitalismo, um sistema econômico irracional baseado no crescimento infinito dos lucros dos capitalistas, enquanto temos um planeta com recursos finitos.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias