Juventude

Movimento estudantil

2 anos do 15M: O Tsunami da Educação de 2019

Estávamos no começo do primeiro ano do governo de Bolsonaro, que foi eleito através das eleições manipuladas de 2018 e que desde o início recebeu amplo rechaço da juventude e das mulheres. Em maio, o governo reacionário de Bolsonaro e Mourão, através do Ministério da Educação (MEC) que era comandado na época pelo racista e lunático Weintraub, anunciou um corte de 30% no orçamento para a educação que, somado ao Teto de Gastos do governo golpista de Temer e dos muitos cortes orçamentários de anos anteriores, inclusive aplicados por governos do PT, devastaria a já precária situação das universidades. Ao mesmo tempo, o ninho de ratos do Congresso estava preparando a aprovação da Reforma da Previdência, um ataque brutal à classe trabalhadora e ao futuro da juventude. Fomos mais de 1 milhão de pessoas nas ruas de todo o país.

sábado 15 de maio| Edição do dia

A juventude se colocou na linha de frente contra os ataques, protagonizando atos massivos por todo o país contra Bolsonaro, com assembleias massivas e paralisações nas universidades e institutos federais. Fomos o primeiro setor a fazer oposição a Bolsonaro, demonstrando a possibilidade de uma força imparável se se unificasse com a classe trabalhadora. Para tentar acalmar os ânimos, Bolsonaro e os golpistas tentaram nos chantagear, dizendo que os cortes nas universidades seriam revertidos caso a reforma da previdência fosse aprovada.

Nós da Juventude Faísca nos colocamos completamente contra essa chantagem e levantamos a necessidade de unificar as lutas, pois sabemos que a precarização da educação está diretamente ligada com a precarização do trabalho e nos colocamos de forma intransigente ao lado da classe trabalhadora contra nossos inimigos, que são os mesmos.

A UNE, dirigida pelo PT, PCdoB e Levante Popular, foi conivente com essa chantagem na época, atuando para separar as duas lutas, como se a reforma da previdência não afetasse também a juventude, decretada a trabalhar até morrer. As Reitorias, inicialmente à frente do movimento, como concretas definidoras anti-democráticas dos rumos das universidades, recuaram e assim o fez a majoritária da UNE, mas também a Oposição de Esquerda que apesar de dirigir centenas de centros acadêmicos e DCEs por todo o país, não defendeu nem a unificação das lutas, nem a organização e coordenação dos estudantes pela base. Essa lógica também se dá hoje no âmbito da política nacional, enquanto Bolsonaro, Mourão o Congresso Nacional e o Senado estão unificados atacando a educação, a Oposição de Esquerda segue defendendo o impeachment de Bolsonaro junto à majoritária da UNE, que colocaria o reacionário General Mourão na presidência.

CPI da Covid expõe degradação de todo o regime político: é necessário uma nova constituinte

A verdade é que ambos ataques, assim como todos que vimos passar desde então, fazem parte de um projeto do regime golpista que quer descarregar ainda mais a crise nas costas dos setores mais oprimidos da população. Para barrar esse projeto é preciso lutar contra Bolsonaro, Mourão e o conjunto do regime golpista. Por isso, frente aos cortes impostos por Bolsonaro e pelos golpistas às universidades em 2021, que diretamente ameaçam o funcionamento de diversas federais, levantamos como batalha o fim da Lei do Teto de Gastos e o não pagamento da dívida pública, que desviam dinheiro público direto para bolso de banqueiro imperialista.

Centenas de estudantes se manifestaram hoje no Centro do RJ contra os cortes nas federais

Retomemos as lições do Tsunami da Educação, erros e acertos, para recolocar o movimento estudantil em cena, ao lado da classe trabalhadora, para barrar o desmonte das universidades públicas e o projeto de país do regime golpista que afunda a juventude em desemprego e precarização enquanto assassina os jovens negros na periferia. A separação das lutas em 2019 impossibilitou que a juventude fosse a faísca para incendiar a classe trabalhadora, por responsabilidade da direção da UNE e das Centrais Sindicais, que atuaram na contramão da unificação e da auto-organização dos estudantes e trabalhadores, para que não pudessem decidir sobre os rumos da sua própria mobilização.

Um ano de pandemia: os desafios nas universidades e no movimento estudantil

Para isso, o primeiro passo é construir desde as bases o dia 29 de maio, um dia que está sendo chamado como dia de luta pela educação. Que a UNE coloque todas suas forças para construir assembleias em cada Universidade, com direito a participação, voz e voto para todos estudantes e trabalhadores, assim como os DCEs e Centros Acadêmicos dirigidos pela Oposição de Esquerda. Nossa luta é na rua, como foi em 2019 e como mostra a juventude colombiana em 2021! #ForaBolsonaroeMourao e militares! Que os capitalistas paguem pela crise!

Contra os cortes nas Federais e Justiça por Jacarezinho: a luta precisa ser pela base!




Tópicos relacionados

Fora Bolsonaro, Mourão e os golpistas   /    Bolsonaro   /    Fora Bolsonaro, Mourão e os militares   /    Juventude    /    UNE   /    Juventude

Comentários

Comentar