MRT

TERCEIRIZAÇÃO: GOVERNOS DO PT SÃO RESPONSÁVEIS

15 de abril: trabalhadores e jovens denunciam Dilma e Lula

sexta-feira 17 de abril de 2015| Edição do dia

No último dia 15 de abril após as manifestações do Dia Nacional de Paralisações convocado pelas centrais sindicais contra o PL 4330 ocorreu no Largo da Batata em São Paulo um ato com o mote "Contra a direita, por mais direitos" que reuniu cerca de 20 mil manifestantes. A partir da convocatória anti-governista da CSP-Conlutas, os militantes do Movimento Revolucionário de Trabalhadores (antiga Liga Estratégia Revolucionária - Quarta Internacional) organizaram um bloco de trabalhadores de diversas categorias e jovens que colocou como eixo a denúncia dos governos de Dilma e Lula.

"Em meio a um ato com uma convocatória dúbia por parte do MTST, que contou com assinatura da CUT, MST e também do PSOL, nós participamos a partir do bloco anti-governista convocado pela CSP-Conlutas, mas colocando ênfase em desmascarar a tentativa de cobrir pela esquerda o governo, jogando na conta da ’onda conservadora’ todos os ataques", declarou Pablito Santos, diretor do Sintusp. "A CUT, CTB e outras centrais e movimentos governistas agora chamam a lutar contra o PL 4330 mas foram braço direito do governo para garantir o salto dos 4 milhões de terceirizados que haviam no Brasil em 2005 para os mais de 12 milhões em 2013. Foi parte da política do governo Lula e do governo Dilma e isso tem que ser denunciado claramente", completou.

O bloco levantou faixas com as consignas "Tem direita dentro e fora do governo. Dilma e Lula terceirizam e atacam" e "2005 eram 4 milhões de terceirizados. 2013 são mais de 12 milhões. Culpa de Dilma e Lula". Nas palavras de ordem, uma forte denúncia à política de terceirização e retirada de direitos levada adiante pelo governo. "Ficou claro no ato que a própria esquerda fica pressionada pela base do PT, tentando dialogar e pra isso colocando todos os partidos com a mesma responsabilidade na denúncia e dando mais ênfase ao ’perigo da direita’. Sem dúvidas a direita não é uma saída pra insatisfação popular e para os trabalhadores, porém não dizer claramente que quem dirigiu o país durante os últimos 12 anos foi o governo do PT e portanto toda a terceirização que vemos hoje é responsabilidade central de seus dirigentes levará a esquerda a bloquear o desenvolvimento de uma verdadeira terceira força que possa de fato ser independente do governo, não somente no nome dos blocos, mas principalmente na política efetiva" afirmou Felipe Guarnieri, delegado sindical do Metrô de São Paulo.

"Nós distribuimos milhares de exemplares da nova fase do jornal Palavra Operária, fazendo a denúncia da terceirização e defendendo um programa de efetivação de todos os terceirizados, com direitos iguais e sem necessidade de concurso público. Neste momento PT e PSDB tentam contornar a situação, limitando o projeto no serviço público, com um intuito claro de desarmar uma potente mobilização que começa a se desenhar no país inteiro. Querem, ao mesmo tempo, esconder que estão há anos terceirizando os trabalhadores. O verdadeira lema de Dilma para o Brasil é ’pátria terceirizadora’. Nosso bloco buscou dar ênfase nesta denúncia, que consideramos fundamental que os setores da esquerda tomem pra si no nível de agitação de massas, atuando em comum nas paralisações mas não permitindo que este espírito de unidade sem crítica lave a cara do governo", disse Diana Assunção, diretora do Sintusp. "Apostamos que esta política pode contribuir no caminho da conformação de uma terceira força independente dos trabalhadores, que possa preparar um sério plano de luta desde a base para derrotar o PL 4330 e os ajustes de Dilma", finalizou.




Tópicos relacionados

MRT   /    Terceirização   /    São Paulo (capital)

Comentários

Comentar