www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 21 de Septiembre de 2020
03:03 hs.

Twitter Faceboock
HONG KONG
Milhares tomaram as ruas de Hong Kong contra a lei de segurança nacional chinesa
La Izquierda Diario - Argentina
Ver online

Milhares de manifestantes se reuniram nas ruas de Hong Kong na quarta-feira para protestar contra a entrada em vigor da nova lei de segurança nacional que a China promulgou para o território e que já deixou as primeiras prisões por violá-lo. Este é o avanço mais significativo desde o início do conflito em 2019.

Todo primeiro de julho, os honcongueses tradicionalmente convocam uma manifestação contra o governo chinês. Nesta ocasião, as autoridades baniram a manifestação pela primeira vez em 17 anos, assim como a anterior de 4 de junho, que homenageou os mortos no massacre da Praça da Paz Celestial. 1º de julho é a data que comemora a passagem de Hong Kong do domínio britânico para as mãos chinesas em 1997.

A proibição foi tomada como provocação, juntamente com o escopo da Lei emitida por Pequim, que provocou indignação quando os detalhes surgiram na noite de terça-feira. A lei concede às autoridades enormes poderes para tomar medidas energicas contra a dissidência e permite à China novos níveis de controle sobre território semi-autônomo. A nova legislação votada pela China para Hong Kong supõe tal controle sobre a ilha que a lei de extradição, que o povo de Hong Kong lutou contra no ano passado, tornou-se mais um item na atual lei repressiva.

No entanto, apesar da grande presença de forças repressivas - cerca de 4.000 policiais foram mobilizados - e como as ruas principais foram isoladas, muitos manifestantes ignoraram a ordem da polícia e saíram para protestar, como alegavam os usuários dos fóruns da internet no movimento "pró-democrático” honcoguês. Embora o número de participantes desse protesto tenha sido muito menor do que o registrado nas marchas de 1º de julho de anos anteriores, provavelmente devido ao desgaste das manifestações que começaram em 15 de março de 2019, a partir da Lei de Extradição, onde milhares de líderes e manifestantes estão na prisão; que também é combinado com restrições devido à pandemia de coronavírus.

Nesta quarta-feira, mais de 300 pessoas foram presas durante o protesto. Entre eles, nove estão sob a proteção dos novos regulamentos emitidos pela China. A Polícia alertou em várias declarações lembrando que a marcha não foi autorizada, exigindo que os manifestantes se dispersassem e avisando que iriam reprimir com prisões. A polícia de choque usou caminhões com canhões de água para tentar dispersar os manifestantes e também lançou gás lacrimogêneo, enquanto os manifestantes erguiam barricadas e, em alguns casos, os incendiavam.

O jornal local South China Morning Post informou, citando fontes policiais, que os policiais foram presos para prender qualquer pessoa que carregasse bandeiras ou faixas com slogans relacionados à independência, libertação ou revolução na cidade, que foram ilegalizados.

Primeiras prisões sob a nova lei

A nova lei, aprovada na terça-feira, estabelece penas de prisão perpétua para casos de "secessão, subversão contra o poder do Estado (uma acusação comumente usada contra dissidentes e críticos do regime comunista), atividades terroristas e conluio com forças estrangeiras para colocar em risco a Segurança nacional".

A primeira prisão desse tipo foi anunciada pela polícia por volta das 13:30 (05:30 GMT): "Um homem foi preso por segurar uma bandeira de independência de Hong Kong (...) em violação à lei de segurança nacional. primeira prisão realizada desde que a lei esteja em vigor ". Mais tarde, uma mulher foi presa por carregar um banner com o slogan "Independência de Hong Kong" e bandeiras do Reino Unido e dos Estados Unidos.

Os manifestantes levantam o lema "Independência de Hong Kong, a única saída", que agora é lida pelas autoridades como "suspeita de incitar outras pessoas a cometer secessão e, portanto, pode violar" a nova Lei de Segurança Nacional. Outros slogans antigovernamentais também podem ser acusados ​​pelo crime de secessão, enquanto a destruição de transporte público ou escritórios do governo pode ser considerada "terrorismo".

Em resposta, as forças repressivas têm uma nova faixa de alerta para os manifestantes, com base nas proibições marcadas nos novos regulamentos. "Eles exibem bandeiras ou faixas, gritam slogans ou se comportam com a intenção de secessão ou subversão, o que pode levar a crimes estabelecidos na Lei de Segurança Nacional de Hong Kong. Eles podem ser presos e processados", diz o pôster em roxo.

Essa atitude das forças repressivas representa um salto de qualidade sobre a repressão que até agora evitava implementar as novas leis ditadas pela China, resultando em um importante passo de interferência do governo continental sobre a ex-colônia britânica.

Carrie Lam e Pequim defendem a normatização

A chefe do governo local, Carrie Lam, afirmou que a culpa pela radicalização das facções do movimento pró-democrata recai sobre as autoridades da cidade e garantiu que seu grande erro foi não aprovar a lei de segurança nacional mais cedo, conforme exigido pela lei. Básica, a "mini-Constituição" do território. O chefe do governo acrescentou que, "embora direitos como direitos de expressão sejam protegidos pela lei local, eles não são absolutos, àalgumas vezes devem ser contidos para garantir a segurança".

Enquanto isso, o governo de Pequim assegurou que a nova lei é "a segunda mais importante" após a Lei Básica e que "fortalecerá" o modelo "um país, dois sistemas" que rege a autonomia da antiga colônia britânica contra o resto. da China.

Zhang Xiaoming, diretor executivo do escritório de assuntos de Hong Kong e Macau, confirmou temores de longa data de que a lei permita que alguns casos sejam julgados nos tribunais da China continental e afirmou que "se seguirá impulsionando a tolerância política” em sua cidade, assim como a coexistência de "diferentes visões", ao mesmo tempo em que indica que Pequim não vê o movimento pró-democracia honcoguês “como seu inimigo ", embora exorta-os a "refletir e ajustar sua estratégia ".

Não é assim que os advogados e ativistas da cidade o veem, que acreditam que a nova lei pode significar o fim das liberdades democráticas e individuais de que honcogueses desfrutam em relação ao resto dos habitantes da China continental e que devem permanecer como mínimo até 2047 se for levado em consideração o compromisso assumido com o Reino Unido no tratado pela devolução da antiga colônia, que Pequim não considera vigente. Além disso, qualquer pessoa condenada por qualquer uma das suposições da lei não pode ser candidata à eleição no Conselho Legislativo honcoguês. As próximas eleições para eleger os membros deste órgão estão agendadas para setembro. Com o qual a China poderia vetar qualquer tipo de dissidência interna, orquestrando as eleições a seu favor mais do que em qualquer outro momento.

Oportunismo imperialista

Pequim corre o risco de uma maior confrontação internacional, porque outros países condenam a aplicação desta Lei. O Reino Unido, Canadá e Taiwan emitiram avisos de viagem, informando a seus residentes que eles podem enfrentar "um risco maior de prisão arbitrária" em Hong Kong.

Boris Johnson disse que a lei foi uma "violação clara e séria" à declaração conjunta sino-britânica, ou acordo que decide os termos da entrega de 1997.,Disse que o Reino Unido procederia com mudanças em sua leis de imigração para dar as pessoas com estatuto britânico (estrangeiro) uma rota para a cidadania.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, disse que os Estados Unidos "não ficará de braços cruzados de braços cruzados enquanto a China engolir Hong Kong em suas mandíbulas autoritárias".

Shen Chunyao, diretor da comissão de assuntos legislativos do Congresso Nacional de Povo, criticou a condenação internacional e as ameaças de sanções como "acusações injustificadas" e a "lógica de dois bandidos". Ele disse que a lei era "uma combinação perfeita de atender aos pré-requisitos de um país e respeitar as diferenças de dois sistemas".

Embora a China acaba de passar para a ofensiva para frar as mobilizações que estremecierama Hong Kong durante grande parte do ano passado e que isso podeiam impactar a população continental em um momento em que se sentem os efeitos da pandemia com desocupação, demissões e baixos salários, os Estados Unidos de Trump apelam cinicamente à carta da "democracia" para encontrar um elemento de disputa em sua cruzada anti-chinesa devido à sua própria catástrofe.

Pode te interessar também: Estados Unidos-China: ¿hacia una nueva guerra fría?

Com informações de Efe e The Guardian

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui