www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 14 de Agosto de 2020
02:03 hs.

Twitter Faceboock
PRECARIZAÇÃO DA SAÚDE
Com SUS colapsando, apenas 1 a cada 3 pacientes com covid-19 sobrevive nas UTIs do Brasil
Redação

A mortalidade de 66% nestes casos reflete a precariedade do sistema de saúde do País, que há décadas vem sendo atacado e privatizado por distintos governos. Reflete também a falta de leitos com respiradores pois os pacientes já estão em estado muito grave quando conseguem atendimento.

Ver online

Foto: Silvio Ávila/AFP

Os dados são de um levantamento do Projeto UTIs Brasileiras, da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib) e do Epimed. A coleta de informações ocorreu entre os dias 1º de março e 15 de maio em 450 hospitais em todo o Brasil, envolvendo 13.600 leitos de terapia intensiva. Os pacientes mais graves são os que estão internados em uma unidade de terapia intensiva e demandam apoio de ventilação mecânica para continuar respirando. A mortalidade desses doentes é alta em qualquer lugar do mundo. No Reino Unido, por exemplo, é de 42%, e, na Holanda, chega a 44%. Um outro estudo, restrito à cidade de Nova York, revelou um porcentual ainda mais alto, de 88%.

"A mortalidade geral na UTI é de 21%, entretanto, entre a população de pacientes mais graves, chega a 66%", compara o coordenador do Projeto UTIs Brasileiras, o médico intensivista Ederlon Rezende. "Ou seja, de cada três pacientes que vão para a ventilação mecânica, apenas um sobrevive. Essa doença não é uma gripezinha."

Os números assustadores da mortalidade nas UTIs brasileiras também podem ser explicar por uso de tratamentos experimentais, sem eficácia comprovada, como a cloroquina que Bolsonaro e outros membros do governo defendem. Os dados das UTIs são levantados a partir de questionários respondidos diariamente sobre os pacientes (como sexo e idade) e os procedimentos adotados. Os medicamentos ministrados não constam do levantamento. Porém, o uso de tratamentos ineficazes e com efeitos colaterais pode se relacionar ao fato de que a mortalidade é similar nas unidades privadas (65%) e públicas (69%). Na pesquisa foram estudados 322 hospitais privados e 128 públicos.

Os hospitais que participam do levantamento tendem a ser os mais bem organizados, então esses números podem ainda mais graves. Muitos hospitais, e inclusive o conjuntos dos sistemas de saúde , como no Rio de Janeiro, já estão colapsados. Sem leitos, os pacientes morrem antes mesmo de serem atendidos.

Outro dado que chama atenção na pesuisa é a faixa etária dos pacientes de covid-19 internados em UTIs: são 41%com menos de 65 anos. O porcentual é ainda mais alto (51%) Entre os internados por síndrome respiratória de caráter infeccioso 51% têm menos de 65 anos. A síndrome respiratória infecciosa é um dos diagnósticos que indicar casos não testados de coronavírus.

A grande maioria dos internados em UTIs com covid-19 (71%) ou síndrome respiratória (75%) apresenta alguma comorbidade, como problemas cardíacos, diabetes e obesidade. Ainda sim o índice de pacientes internados mas que não apresentam nenhuma complicação anterior chega a 30%.

Outro dado confirmado pelo levantamento é que o tempo de permanência nas UTIs por covid-19 é bem maior do que a média de outras condições, chegando a dez dias. A taxa de ocupação das UTIs revelada por esse levantamento já é alta: 88% na rede pública e 74% na rede privada. No entanto, os especialistas acham que estes números podem ser subestimados. Isso porque entre o período em que foi feito o levantamento e agora os números de casos e de internações e de óbitos só aumenta e o Brasil já é o segundo país com maior número de infectados no mundo. A subnotificação mascara uma realidade que pode ser ainda mais assustadora, e que é de responsabilidade do governo Bolsonaro, dos militares, do congresso e dos governadores.

Saiba mais: Por que a saúde deve ser um sistema único e controlado pelos trabalhadores?

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
[email protected]
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui