www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Miércoles 23 de Octubre de 2019
12:49 hs.

Twitter Faceboock
VENEZUELA
O que os governos da Colômbia e da Venezuela buscam com a nova tensão militar na fronteira?
Milton D’León
Caracas

Nos últimos dias, tanto o governo de Duque quanto Maduro alimentaram tensões que apenas apontam para a distração da situação interna de seus respectivos países com base em seus interesses, aumentar só pode levar a uma escalada reacionária que também favorece o imperialismo.

Ver online

Ambos recorrem ao "patriotismo" e alusões à "soberania". Enquanto Maduro mantém o país em uma catástrofe que recai sobre o povo, Duque segue a saga do fiel aplicador dos planos do FMI e a antiga tradição uribista que manteve os trabalhadores colombianos na miséria.

O que alimentou a tensão na semana é a implantação de um sistema de mísseis que Maduro instalaria na fronteira devido ao suposto "conflito armado" que Duke estaria preparando. Assim, Maduro anunciou na quarta-feira a implantação de um "sistema antimísseis de defesa antiaérea" na fronteira com a Colômbia entre 10 e 28 de setembro, depois de considerar que o governo de Iván Duque está se preparando para "um conflito armado" na região.

Por seu lado, o ministro das Relações Exteriores Carlos Holmes Trujillo disse quinta-feira que as autoridades colombianas estão "prontas" para defender sua soberania contra as "ameaças" do presidente venezuelano Nicolás Maduro, que acusou Bogotá de realizar manobras para iniciar um conflito militar.

Maduro chegou inclusive a declarar na terça-feira o "alerta laranja" na área de fronteira diante de uma suposta ameaça de agressão, e Iván Duque "pretende realizar um falso positivo para setembro". "O presidente Iván Duque tem um plano de provocação: ele pretende montar um falso positivo, atacar o território venezuelano, para ir ao Conselho de Segurança da ONU e organizar um show político às custas de um conflito armado", diz Maduro.

Por outro lado, Duque sustenta “que considera uma ameaça” o anúncio de Maduro sobre a próxima celebração de manobras militares na fronteira comum. O ministro de Relações Exteriores da Colômbia agrega que se trata não apenas com a Colômbia, se não com a estabilidade à tranquilidade da região”, acentuando que as autoridades colombianas “não desejam provocar, mas são mais rápidas em garantir a soberania e a tranquilidade dos colombianos”.

A animosidade entre o governo da Colômbia e Venezuela é estalou na semana passada, quando o ex-chefe negociador das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia anunciou em um vídeo que pegaria em armas, alegando que o governo colombiano não cumprirá ou o acordo de paz de 2016 Duke e Guaidó, firmes aliados respaldados pelo governo dos EUA, acusam Maduro de abrigar guerrilheiros colombianos na Venezuela. Em momentos em que Maduro, através do porta-voz do Ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, acusava Duke de permitir que três campos paramilitares de treinamento operassem em seu território "como objetivo de derrubar Maduro".

"Soberania", "defender o país", "estamos preparados", não deixam de ser expressões do mais descarado "distracionismo" de ambos os governos.

De que "soberania" Duke pode falar se seu governo não passa de um servo de Washington, mantém bases militares ianques, foi o líder de toda uma política intervencionista e até emprestou seu território para que a direita realizasse a chamada "operação humanitária" que nada mais foi do que uma tentativa de golpe feita pela Casa Branca, ou até obter um "casus belli" para justificar uma agressão militar estrangeira.

Por seu lado, Maduro fala da "defesa da pátria", quando é um governo que paga religiosamente uma dívida externa fraudulenta a abutres internacionais, prometeu ativos extraterritoriais a potências e credores estrangeiros do sistema financeiro internacional, mergulhando o povo na catástrofe. Além disso, colocou a Venezuela à mercê do "jogo" de interesses da geopolítica da Rússia, um poder que não vai além de usar nosso país como instrumento em suas disputas com os Estados Unidos.

Embora, no momento, seja improvável um conflito armado entre a Colômbia e a Venezuela, além da bravata de ambos os governos, a tensão gerada não busca nada mais do que desviar a atenção de ambos os lados do seu território dos povos que sofrem com planos de miséria e fome, além da pobreza generalizada. Uma guerra hipotética entre os dois países só pode trazer calamidades às populações sofridas e um aumento da xenofobia em ambos os lados da fronteira, tudo pelo interesse dos governos que atacam seus respectivos povos.

Colômbia e Venezuela são dois países semicoloniais, além das características particulares de seus governos. Qualquer conflito bélico, independentemente de quem possa ser o agressor, só poderia levar a uma guerra fratricida e completamente reacionária, que só poderia beneficiar o imperialismo ou ser funcional no interesse de qualquer outra potência estrangeira como a Rússia, para a qual os trabalhadores devem opor-se.

A qualquer momento, seja na Colômbia ou na Venezuela, devem ser fortalecidos os laços de amizade que historicamente são mantidos, e rechaçar categoricamente esses tambores de "conflito armado" que ventilam tanto um governo como outro. Eles se esforçam para confrontar nossos povos com base em seus interesses e os impediram de liderar a luta contra seus respectivos governos que os oprimem e os mantém na miséria.

No caso de um aumento da tensão, uma classe de trabalhadores de ambos os países deve se mobilizar contra seus respectivas governos que os querem arrastar para uma escalada fratricida, aumentando a xenofobia, completamente reacionária. No momento atual, devem rechaçar com todas as forças esse avivamento das tensões político-militares, exigindo a mais ampla unidade dos povos de ambos os lados da fronteira e rejeitando as políticas de ambos os governos, não se deixarem arrastar por suas políticas criminosas. Seus verdadeiros inimigos são seus respectivos governos, e seus verdadeiros aliados são seus irmãos de classe, os trabalhadores e o povo explorado de ambos os lados da fronteira.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui