www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 18 de Noviembre de 2019
08:30 hs.

Twitter Faceboock
CRISE MIGRATÓRIA
Uma imagem da barbárie imperialista repudiada em todo o mundo
Diego Sacchi

A morte de um migrante salvadorenho e sua filha inflamam o rechaço às políticas anti-imigrantes do governo dos Estados Unidos

Ver online

A imagem mostra Óscar Alberto Martínez Ramírez e sua filha Valeria, com um ano e 11 meses de idade, mortos nas margens do Rio Bravo ao tentar cruzar a fronteira com os Estados Unidos. O artista Antonio Rodríguez Monos transformou a foto em um desenho onde o Rio Bravo é substituído pela bandeira do estado que é o verdadeiro responsável por essa situação, os Estados Unidos.

Óscar e sua família, sua esposa Tania e sua filha Valeria, estavam em Matamoros, no norte do México, por vários dias esperando para poderem pedir asilo. No entanto, diante do desespero do mau trato em abrigos e das ameaças latentes das operações da Guarda Nacional mexicana, que já soma mais de 21 mil soldados para tarefas migratórias, a família de migrantes decidiu atravessar o rio no último domingo.

A foto viaja ao redor do mundo e relembra a imagem comovente de 2015, quando um menino sírio de 3 anos, Aylan Kurdi, se afogou em águas do Mediterrâneo. A indignação contra a barbárie criada pelas políticas anti-imigrantes do imperialismo e a subordinação dos governos da região, como o mexicano, expandiram-se globalmente.

A crise é tal que a questão se tornou um dos pontos centrais do primeiro debate entre os candidatos à presidência do Partido Democrata, ocorrido nesta quarta-feira em Miami. Alguns dos pré-candidatos chegaram a prometer o fim da política de "tolerância zero" contra os migrantes.

Obviamente, os candidatos evitaram referindo-se a um fato que era conhecido de alguns dias atrás: entre 2009 e 2011, os primeiros anos do governo do democrata Barack Obama, as deportações do Serviço de Imigração e Alfândega (ICE por sua sigla em Inglês) foram para mais de 385.000, atingindo mais de 409.000 em 2012. Eles caíram para 250.000 em 2015 e 2016. Um número abaixo das deportações feitas pela administração Trump até o momento em seu mandato.

O discurso racista e anti-imigrante do presidente se acrescenta à medida que se alista para a campanha presidencial de 2020, mas suas ações se baseiam em agudizar uma política de criminalização contra os migrantes que recorrem a diferentes governos e é aplicada contra milhares e milhares que chegam aos Estados Unidos buscando um futuro melhor, depois que seus países foram saqueados por empresas multinacionais.

Um exemplo é a situação em El Salvador, que segundo os números do próprio Banco Mundial, se estima que são mais de 100 mil pessoas vivendo em extrema pobreza, 34% da população.

Enquanto enfrentam essas condições em seu país, aqueles que decidem migrar para melhorar sua qualidade de vida, aguardam a política repressiva do governo López Obrador através dos agentes do Instituto Nacional de Migração (INM) e da Guarda Nacional, que eles agem sob os ditames da Casa Branca e de Donald Trump.

Embora as autoridades insistam em dar uma imagem de respeito aos direitos humanos em relação aos migrantes, sabe-se das denúncias e investigações documentadas que os campos ou abrigos funcionam mais como centros de detenção, onde eles são mantidos incomunicáveis, isolados e não recebem a mínima atenção médica e de alimentação. Uma situação que começou nos centros de detenção dos EUA e que se repete em território mexicano.

Por outro lado, não faz mais do que uma semana que Andres Manuel Lopez Obrador se reuniu com Najib Bukele, atual presidente de El Salvador para assinar uma carta de intenções sobre a cooperação bilateral entre as autoridades nacionais, que "permita a colaboração de desenvolvimento entre as duas nações ". O pretexto ideal para deixar de lado os milhares de centro-americanos que continuam a dar suas vidas tentando cruzar fronteiras: o livre mercado na região.

No final de maio, o número de pedidos chegava a 2 mil e uma multidão de estrangeiros cercava a Ponte Vieja e a Puerta México, onde os agentes dos EUA concediam uma média de três consultas por semana. No entanto, após os acordos entre o México e os Estados Unidos, as autoridades do Instituto Nacional de Migração procederam a retirar os migrantes e levá-los a abrigos, disse Juan Antonio Sierra, coordenador da Casa do Migrante.

Em 2018, se registrou a nível mundial 70,8 milhões de pessoas que foram deslocadas de forma forçada, o número mais alto registrado pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Desse total, um em cada dois era menino ou menina como Valeria.

O órgão internacional também informa que 2,1 milhões de pedidos individuais de asilo foram apresentados em escala global no ano passado. Os Estados Unidos foram o país com o maior número dessas petições, e metade dos procedimentos para obter refúgio naquele país vem de pessoas do México e da América Central.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui