www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Sábado 17 de Agosto de 2019
23:41 hs.

Twitter Faceboock
EUA
O discurso de Sanders explica sua visão do socialismo - que soa como uma atualização do New Deal
Redação

Bernie Sanders ligou sua figura com a de FDR (como é popularmente conhecido o ex-presidente Franklin Delano Roosevelt) e prometeu assumir o “trabalho inconcluso” do New Deal. O discurso de Sanders foi um chamado de unidade nacional contra o fascismo. Mas a descrição que ele fez do socialismo democrático pareceu mais com a de qualquer outro “Estado de bem Estar” europeu.

Ver online

* Por Juan Cruz Ferre

Bernie Sanders é o mais progressista de todos os atuais candidatos à presidência dos Estados Unidos. Sua plataforma eleitoral se destaca como um pacote abrangente de políticas pró-classe trabalhadora, como o Medicare para todos, o salário mínimo de US$ 15 dólares por hora e faculdade gratuita. Ele também aparece como o único candidato que chama a si próprio (democrático) socialista, e dão créditos a ele pela reintrodução do termo socialismo na política norte amerinaca – ainda que ele venha se referindo a ele mesmo desta maneira durante décadas. Por esta razão, houve uma grande expectativa ao redor de seu discurso na quarta-feira, onde ele apresentou a sua visão do socialismo democrático.

Sem dúvida, seu uso do rótulo socialista, como uma liderança do Partido Democrata, ajudou a desestigmatizar o termo “socialismo” depois de décadas de propaganda anti-comunista. Seu discurso pode ser interpretado como outro esforço nesse sentido. Mas se você esperasse ouvir um discurso contra a exploração capitalista, ou uma denúncia do sistema capitalista como um todo, você pode ter ficado desapontado.

De fato, não houve crítica real ao capitalismo como sistema econômico. As poucas vezes em que Sanders pronunciou a palavra “capitalismo”, sempre foi cuidadosamente precedido pelo termo de qualificação “irrestrito”. Não havia nenhuma das alusões habituais a Eugene V. Debs, que parecem ter sido excluídas pelas quatorze referências feitas a FDR, e Sanders nitidamente e de forma intencional cunhou sua “visão” de socialismo democrático próxima ao New Deal de FDR.

No geral, seu discurso foi um chamado à unidade nacional. O principal mal dos nossos tempos, afirmou, é "oligarquia e autoritarismo", um ponto que foi enfatizado várias vezes durante seu discurso: Vladimir Putin, Xi Jinping, Mohammed Bin Salman, Rodrigo Duterte, Jair Bolsonaro e Viktor Orban. Para Sanders, todas essas figuras, juntamente com Trump, pertencem a essa categoria de oligarcas que não são diferentes do fascismo do século XX e, portanto, a tarefa do dia é lutar contra elas - todos unidos como nação: “independentemente de raça, gênero, religião, orientação sexual ou país de origem ”. Essa unidade, segundo ele, é uma“ ideia essencialmente americana”.

Críticas contundentes a Wall Street, companhias de seguros, à indústria de combustíveis fósseis e aos complexos industriais militares e prisionais, foram seguidos por uma promessa de proteger os direitos políticos, os direitos civis e os direitos econômicos. Em seguida, ele descreveu sua tarefa programática: “retomar os negócios inacabados do New Deal e levá-lo à conclusão.” Isso inclui garantir assistência médica de qualidade e educação gratuita para todos, o direito de ter um “bom trabalho com salário digno”, moradia acessível, aposentadoria segura e um meio ambiente limpo.

Ele descreveu o New Deal como "uma economia que funcionou para todos, e não apenas os poucos", sem mencionar o fato de que os dois principais projetos de lei que concederam direitos às pessoas da classe trabalhadora (a Lei Wagner e a Lei da Seguridade Social) excluíram trabalhadores rurais e domésticos, as duas ocupações em que os afro-americanos do Sul estavam fortemente sobre-representados.

E o que ele disse sobre o socialismo democrático? Em duas ocasiões, Sanders descreveu o que ele entende como o termo socialismo democrático. Depois de denunciar as políticas de Trump contra os direitos dos imigrantes, contra direitos reprodutivos, comunidades LBTQ +, etc, ele chamou a rejeitar o “caminho do ódio e divisão” e escolher “um caminho de compaixão, justiça e amor. E esse é o caminho que eu chamo de socialismo democrático ”. É difícil imaginar uma definição mais vaga.

Mais tarde, ele equiparou o socialismo democrático aos direitos econômicos básicos: “o direito à assistência médica de qualidade, […] educação, o direito a um bom emprego que paga um salário digno, o direito a moradia acessível, a aposentadoria segura e um ambiente limpo.” Todas essas coisas são muito necessárias, e elas formam uma boa plataforma moderada-progressiva. Mas, no entanto, elas não resultam em socialismo. Nesse momento, o termo potencialmente disruptivo e legitimamente polarizador “socialismo (democrático)” foi reduzido a qualquer outro regime de bem-estar social que você possa encontrar em muitos países europeus.

Isso não é um acidente. Deslizando nas pesquisas, o senador de Vermont entende que ele precisa suavizar sua imagem de radical e aumentar sua "elegibilidade". Ele ressaltou que FDR foi acusado de ser um socialista, que o Medicare foi chamado de "programa socialista" e que até o plano de saúde de Bill Clinton foi repreendido como socialista. Então ele citou com aprovação Harry Truman dizendo que "o socialismo é o epíteto que eles lançaram a cada avanço que fizemos nos últimos vinte anos". A tradução de tudo isso é nítida: não temam minha imagem, sou como eles.

Mais tarde, no discurso, ele lembrou a sua audiência que FDR enfrentou a oposição do grande capital, Wall Street, o Partido Republicano e a ala conservadora do Partido Democrata - assim como ele faz hoje. A semelhança foi repetidamente mencionada ou implícita durante todo o discurso.

Mas se esse artefato retórico fosse suficiente para reduzir a roupagem anticapitalista que muitos leram em sua política, um golpe mais poderoso ainda estava por vir. Perto do final do discurso, ele surpreendentemente afirmou que Trump e seus "oligarcas companheiros (...) realmente não se opõem a todos os tipos de socialismo". Na verdade, ele continuou, eles "absolutamente amam o socialismo corporativo".

Se você está confuso com o oximoro “socialismo corporativo”, não é sua culpa.

Ele passou a descrever como, após o colapso financeiro de 2008, "Wall Street se tornou uma governança socialista que implorou pelo maior resgate federal na história americana". A indústria farmacêutica e a indústria de combustíveis fósseis, e a Amazon e os Waltons, acrescentou, todos se beneficiaram de cortes de impostos e subsídios do governo. “E essa é a diferença entre Donald Trump e eu. Ele acredita no socialismo corporativo para os ricos e poderosos. Eu acredito em um socialismo democrático que funciona para as famílias trabalhadoras deste país ”.

A manobra retórica é clara: insidiosa mas forçada, ele igualou a palavra socialismo a qualquer política governamental. Alimentando-se de um equívoco estendido entre os americanos (que consiste em considerar qualquer serviço social como "socialista"), Bernie Sanders em seu discurso transmitido em todo o país, despojou a palavra socialismo de todo o seu significado.

Vamos ser claros: a plataforma dele ainda é a mais progressista entre todos os candidatos presidenciais que atuam nesse sistema eleitoral inacreditavelmente antidemocrático. E as propostas políticas com as quais ele se concentra estão longe de pequenos ajustes que podem ser descartados. No entanto, há aqueles de nós que entendem que pôr fim ao capitalismo é a única maneira de eliminar os males reais da nossa sociedade: pobreza, desemprego, segregação racial, subjugação imperialista, opressão de gênero e muito mais.

Nos últimos dez a quinze anos, o número de pessoas que rejeitam o capitalismo e favorecem o socialismo (independentemente do que entendem por isso) se multiplicou dramaticamente. Milhares deles percorrerão a estrada com Bernie Sanders e perceberão que ele não pode fornecer solução alguma (ou apenas as parciais), porque ele não oferece alternativa ao capitalismo. Este processo histórico é inevitável; você não pode pular. A tragédia, no entanto, é que a maior organização socialista dos EUA - a DSA - a que deveria estar liderando o esforço para difundir ideias socialistas, construir quadros anticapitalistas e delinear uma estratégia para derrubar o capitalismo, está no momento plenamente no mesmo barco de Bernie.

Não só a DSA não aponta que o que Bernie Sanders expõe não é o socialismo: a organização também está se preparando para ir até 2020 com Bernie, procurando dedicar-lhe mais recursos do que para qualquer outra atividade política.

Bernie Sanders deixou claro que está disposto a continuar a tarefa iniciada por FDR e que está fazendo isso dentro do Partido Democrata. "É o negócio inacabado do Partido Democrata e a visão que juntos devemos realizar." A DSA, embora tenha flexibilidade em sua abordagem às eleições, está deslizando sem problemas para o Partido Democrata via Bernie Sanders (e AOC). O discurso que Sanders deu ontem (12/06) é uma prova, para qualquer um que queira ouvir, de que ele prioriza a elegibilidade em detrimento da radicalidade, da mesma forma que prioriza a integridade do Partido Democrata em relação à tarefa de libertação do grande capital. Ele está optando pelo que ele considera politicamente viável sobre o que realmente precisamos: uma luta consistente contra o capitalismo.

Precisamos ser claros sobre nossa visão de uma sociedade socialista, sem exploração e sem opressão. Isso envolve a socialização dos recursos que agora são monopolizados pela classe capitalista - colocando todas as forças produtivas a serviço do bem comum e não para satisfazer a ganância de um punhado de pessoas. As mudanças climáticas, as enormes desigualdades econômicas e o aumento global da demanda de extrema-direita exigem uma ação ousada e uma definição clara de nossos objetivos. Não vamos começar comprometendo-os.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui