www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Sábado 29 de Febrero de 2020
04:45 hs.

Twitter Faceboock
CONTRA AS DEMISSÕES DA DONNELLEY
Ato fecha a Anhanguera contra fechamento da RR Donnelley, gráfica do Enem
Redação

Na manhã desta terça (2), trabalhadores da RR Donnelley ocuparam as pistas da Anhanguera em protesto contra o fechamento da fábrica, anunciado ontem com um papel na porta. A empresa que há anos lucra imprimindo o Enem alega suposta "falência" e sequer pagará as verbas rescisórias. Chegam ao absurdo de não deixar os trabalhadores entrar para pegarem seus pertences.

Ver online

As pistas da Anhanguera em Osasco amanhaceram fechadas hoje por conta de protesto dos trabalhadores da RR Donnelley. O motivo está no anúncio com o qual os 970 trabalhadores das 3 fábricas brasileiras (Osasco, Barueri e Blumenau) deram de cara na porta ontem (1) de que as fábricas da multinacional seriam fechadas no Brasil. A empresa que há anos lucra com a impressão da milionária prova do Enem está alegando "falência" e sequer pagará as verbas rescisórias. Amanhã pela manhã está sendo convocada uma nova manifestação contra esse fechamento.

A empresa chegou ao absurdo de não deixar que os trabalhadores entrassem na fábrica para pegar seus pertences. Funcionários relatam que há algumas semanas a empresa contratou mais seguranças para a entrada e alguns funcionários de alto escalão pediram demissão. Ao final da tarde de anteontem os servidores caíram e os trabalhadores já não tinham mais acesso, mas em nenhum momento foram comunicados oficialmente do real motivo. Trabalhadores que estavam fora do país viajando não receberam e não têm dinheiro para voltar.

"A gente trabalhou normal até sexta feira, a gente não teve nenhum comunicado antes. E quando chegou no domingo a noite, através de colegas de trabalho, ficamos sabendo que a Donnelley abriu um processo de autofalência e até então nossos pertences estão la dentro, pessoais, a gente não tem posicionamento de quando vão liberar, a gente não tem posicionamento de quando vamos receber, quando vai ser a baixa na carteira, simplesmente tem pessoas aqui de 25 anos, de 30, que viveram a vida aqui, que deixaram seus filhos em casa, que vieram trabalhar dia e noite, a gente trabalhava com alma, gostava do que fazia, mas a impressão fechou do dia pra noite, ninguém falou nada, e a gente só precisa saber dos nossos direitos, como que vai ser, qual vai ser a data, qual vai ser o caso, porque aqui era o sustento da nossa casa, era o pão do dia a dia e enfim, agora a gente está esperando a empresa se pronunciar", relata uma das trabalhadoras da empresa.
Além da impressão do Enem, a gráfica tinha importantes convênios com a Saraiva, a Cultura, o Bradesco, além de ser uma multinacional milionária, que nos EUA por exemplo é responsável por todas as impressões do correio. Onde está todo o dinheiro lucrado com isso? Por que são os trabalhadores que estão pagando a conta de uma suposta "crise" dos empresários?

É com a justificativa da "crise" que a patronal da RR Donelley bota centenas nas enormes filas de desempregados que existem hoje, mas na realidade estão visando apenas à sua lucratividade. Na Argentina, quando a patronal da RR Donnelley alegou a mesma coisa, os trabalhadores ocuparam a fábrica, que se mantém até hoje sob gestão dos trabalhadores, e sobrevive a partir de buscar todo apoio possível da população. Em 2015, por exemplo, imprimiram 20 mil cadernos que distribuíram em colégios da região, o que retorna para a fábrica em forma de apoio.

Em oposição a tudo isso devem estar as grandes centrais sindicais como a CUT que dirige milhares de sindicatos no Brasil, ou a Força Sindical, que dirige o sindicato de gráficos de Osasco e Barueri, e ainda a NCST que está no sindicato de gráficos de Blumenau. Precisam convocar os trabalhadores em cada posto de trabalho que dirigem o sindicato a se solidarizarem com isso e organizar plano de lutas contra os ataques ao emprego, as demissões e aos direitos que no governo Bolsonaro só se acentuam, governo este que se orgulha de acabar com o Ministério do Trabalho para facilitar que patronais como a da Donnelley tomem atitudes como esta.

Não é hora de trégua. O momento pede que essas centrais unifiquem os milhares de desempregados do país, com aqueles que estão lutando para manter seus empregos e todos os que se enojam com medidas como a reforma da previdência, que quer nos fazer trabalhar até morrer, pois apenas dessa unidade pode surgir uma resposta dos trabalhadores para a crise gerada pelos capitalistas.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui