www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Miércoles 24 de Julio de 2019
09:46 hs.

Twitter Faceboock
DEBATE
EUA: Bernie Sanders e Ocasio-Cortez legitimam a mudança de regime na Venezuela
Ben Frederick

A política externa dos Estados Unidos nunca foi para promover a "democracia" ou ajudar as massas a tomar o destino nas próprias mãos.

Ver online

À medida que se arrasta a crise social e política na Venezuela, o destino dos 32 milhões de habitantes do país segue incerto. Por enquanto, o presidente eleito Nicolás Maduro permanece no controle do país, mas o "presidente interino" autoproclamado Juan Guaidó mantém sua base de oposição e segue perseguindo o poder. As condições das massas são terríveis, com escassez endêmica de comida e remédios. Por enquanto, as forças armadas venezuelanas continuam leais ao governo de Maduro, embora essa fidelidade posse mudar.

A administração Trump, por sua vez, dispôs uma série de militaristas de direita para promover "uma mudança de regime" na Venezuela: Mike Pence, Mike Pompeo, John Bolton e o novo "enviado à Venezuela", Elliot Abrams – um homem que foi cúmplice na sustentação das ditaduras de direita na América Latina nos anos 80. As forças armadas dos EUA se uniram ao Brasil de Jair Bolsonaro e ao colombiano Iván Duque para planejar a expulsão de Maduro.

A hipocrisia da coalizão anti-Maduro pela suposta preocupação com o sofrimento humano não poderia ser mais transparente. O governo dos EUA não apenas apóia regimes muito menos democráticos do que o da Venezuela (por exemplo, Arábia Saudita), como também usam a sua própria mão para perpetuar o sofrimento do povo venezuelano por meio da imposição de sanções econômicas ao petróleo venezuelano, a principal exportação do país. Com isso, as elites políticas norte-americanas estão privando a Venezuela de bilhões de dólares, enquanto fazem uma grande demonstração de ajuda financeira que representa apenas uma fração da receita perdida com o petróleo.

A Venezuela está, de fato, aceitando ajuda humanitária. Só que não dos governos que explicitamente tentam matar qualquer remanescente da “Revolução Bolivariana”. A ajuda dos EUA à Venezuela não é imparcial ou benevolente. Portanto, a ajuda armada está sendo usada para desestabilizar Maduro e fornecer uma base material potencial para que Guaidó manipule a população desesperada no sentido de seus fins.

AOC e Bernie: legitimando a troca de regime

• Alexandria Ocasio-Cortez, deputada de descendência latino-americana eleita para o 14° Distrito de Nova York pelo partido Democrata em 2018. Auto-intitulada socialista democrática, possui um discurso a favor das minorias e contra as políticas anti-imigratórias.

Com a ascensão de Alexandria Ocasio-Cortez à figura proeminente e o início da corrida presidencial de Bernie Sanders rumo a 2020, a Venezuela oferece um teste importante, tanto para ambos quanto para seus apoiadores da esquerda socialista. Se o socialismo representa os interesses da classe trabalhadora internacional, a Venezuela coloca hoje a questão: o que é uma posição verdadeiramente socialista e internacionalista? Como deveríamos nós, esquerdistas em um barril de pólvora , nos relacionarmos com uma crise cuja criação tem a mão direta do nosso [o estado-unidense] governo?

Como muitos argumentaram, a posição mais básica dos socialistas deve ser de completa rejeição à tentativa do imperialismo norte-americano de desestabilizar e controlar nações soberanas – seja o Afeganistão, o Iraque, a Síria, a Líbia, a Venezuela ou qualquer outro lugar. Como nos mostra a história, a política externa dos EUA nunca ajudou as massas a tomar o destino nas próprias mãos. Pelo contrário, os EUA ajudaram a derrubar inúmeros governos esquerdistas democráticos e apoiaram inúmeras ditaduras de direita. Opor-se à intromissão dos EUA com o chamado “Tire as mãos da Venezuela!” é essencial.

A segunda posição básica dos socialistas em relação à crise venezuelana deve ser uma perspectiva revolucionária e anticapitalista para resolver a crise. Isso inclui traçar uma delimitação clara do governo de Maduro, que foi se tornando cada vez mais repressivo. Contra a ideia de que o fracasso da Venezuela é um sinal do fracasso do socialismo, afirmamos justamente o contrário. A razão da crise da Venezuela hoje é que o regime de Chávez não rompeu com os capitalistas nacionais ou estrangeiros e não colocou fim no caráter dependente da economia do país. Quaisquer ganhos feitos pelas massas venezuelanas sob Hugo Chávez devem ser defendidos, e a classe trabalhadora deve lutar pelo socialismo real e por um governo dos trabalhadores.

No entanto, Ocasio-Cortez e Sanders falharam nos dois testes. Nenhum deles tomou uma posição clara contra a intromissão dos EUA, e nem advogam pelo socialismo real.

Ocasio-Cortez, por exemplo, fez uma gravação explicando sua opinião sobre a crise venezuelana: “As pessoas querem transformar isso em ideologia, em capitalismo, em socialismo. O que as pessoas não entendem é que se trata de autoritarismo versus democracia de muitas maneiras distintas...” E prosseguiu comparando a Venezuela ao Zimbábue como “Estados falidos”. Sua mensagem? O povo venezuelano precisa de "democracia".

É interessante que a declaração frouxa de AOC foi criticada pela atriz e ativista Pamela Anderson:

“@AOC apoia abertamente a intervenção na Venezuela e apoia as forças armadas e as grandes corporações dos EUA contras as quais ela reivindica lutar contra… Hmmmmm”

Na realidade, Ocasio-Cortez, ao permanecer calada sobre o muito real acúmulo gradual de forças militares dos EUA e as maquinações para derrubar Maduro, dá legitimidade à “opção militar” de um golpe. Ao se recusar a denunciar as ingerências dos EUA, trai os interesses das massas venezuelanas e fornece uma roupagem de esquerda para o objetivo de Trump de mudança de regime extremamente à direita. E ao focar vagamente na “democracia”, AOC está dando um aceno de aprovação à oposição pró-imperialista de Guaidó como a expressão legítima da vontade do povo venezuelano – uma afirmação absurda.

Bernie Sanders, por sua vez, também aceitou o movimento de mudança de regime pedindo a Maduro que permitisse “ajuda humanitária” armada e “respeitasse a oposição”:

“O povo da Venezuela está passando por uma séria crise humanitária. O governo de Maduro deve colocar as necessidades de seu povo em primeiro lugar, permitir a ajuda humanitária no país e abster-se de violência contra os manifestantes.”

Roger Waters, do Pink Floyd, criticou Sanders no Twitter por tal afirmação. “Porra, Bernie, você só pode estar de brincadeira!”, comentou, “você não pode ser um candidato confiável para presidente dos EUA. Ou, talvez, até possa, talvez você seja o fantoche perfeito para o 1%.”

Bernie Sanders : “O povo da Venezuela está passando por uma séria crise humanitária. O governo de Maduro deve colocar as necessidades de seu povo em primeiro lugar, permitir a ajuda humanitária no país e abster-se de violência contra os manifestantes.”

Roger Waters : “Bernie, isso é uma porra duma brincadeira! Se você compra a linha de Trump Bolton, Abrams, Rubio, de uma “intervenção humanitária” e suas conspirações para a destruição da Venezuela, você não pode ser um candidato confiável para presidente dos EUA. Ou, talvez, até possa, talvez você seja o fantoche perfeito para o 1%.”

Embora Ocasio-Cortez e Sanders provavelmente se oponham a uma grosseira invasão militar da Venezuela, cada um a seu modo está legitimando a oposição,permanecendo em silêncio mortal sobre a ameaça de um golpe. Nenhum deles está disposto a examinar verdadeiramente o papel do imperialismo dos EUA ou a vislumbrar uma Venezuela socialista. A esquerda dos EUA precisa fazer melhor que isso.

Tirem as mãos da Venezuela!

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui