www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Domingo 15 de Septiembre de 2019
22:18 hs.

Twitter Faceboock
França
França: sexta-feira haverá greve que vai unir "Coletes Amarelos", jovens e trabalhadores
Redação

Depois de semanas de mobilização dos "Coletes Amarelos", às quais os estudantes se juntaram, esta sexta-feira será a primeira greve que poderá permitir que trabalhadores organizados se unam nas manifestações contra Macron.

Ver online

Na sexta-feira (14) uma greve convocada por diferentes setores sindicais será realizada para se unir ao movimento dos "Coletes Amarelos" e os estudantes que estão mobilizados contra o governo do direitista Emmanuel Macron.

Depois de uma declaração dos líderes sindicais emitida em 6 de dezembro, denunciando a "violência" dos "Coletes Amarelos", que oferecia ajuda a Macron na pior fase, muitas seções sindicais (federais e locais) e militantes individuais, incluindo membros da CGT, reagiram contra estas declarações pelas direções confederadas.

Este foi particularmente o caso da Federação Nacional das Indústrias Químicas da CGT, que denunciou que a declaração era uma "facada nas costas dos que atualmente lutam", pedindo uma reunião nacional da confederação para decidir sobre um plano de mobilização nacional e uma greve em todas as indústrias químicas e petrolíferas para esta sexta-feira (14).

Desde então, vários setores começaram a convocar uma greve naquele dia, quando inicialmente a direção da CGT disse que era um dia de ação mas sem greve. Entre esses setores, destacam-se os trabalhadores ferroviários e os trabalhadores de espetáculos inscritos na CGT, assim como as seções PSA Mulhouse e Valenciennes.

Mas além das federações e sindicatos locais da CGT, uma ampla intersindical da educação secundária e superior exige a mobilização de professores e pessoal administrativo.

A mobilização dos "Coletes Amarelos" do último sábado (8) (o chamado ato IV) mostrou que o clima autoritário e repressivo instituído pelo governo não tinha afetado a determinação do movimento e também mostrou que as manifestações podem obter muito mais do que os anúncios dados pelo presidente esta semana.

Dois meses atrás, o governo Macron que se apresentava como um governo "bulldozer", que era inabalável quando se tratava de implementar suas reformas, agora começa a mostrar sinais de recuo. Se a raiva generalizada se transformar em uma greve geral ativa, o único método que realmente bloqueia o país e permite que todos os trabalhadores se manifestem, poderia se reverter as reformas implementadas pelo governo.

Enquanto as grandes mobilizações dos "Coletes Amarelos" são aos sábados, as manifestações e ações continuam durante a semana. Como visto nos dias de hoje com o bloqueio de estradas de diferentes partes do país, além do bloqueio da entrada de três grandes fábricas e armazéns da Airbus, Amazon ou Louis Vuitton.

Essas iniciativas conjuntas que são realizadas no país mostram que existem condições para a mobilização se estender. Na capital, um comitê de ação e organização iniciado pelos ferroviários da estação de trem e o comitê de justiça e verdade de Adama reuniram-se para preparar as ações de sexta-feira. A ideia defendida pelos ferroviários era: fazer do dia 14 de dezembro um dia de greve ativa, deixar de trabalhar e convergir com outros setores mobilizados para ações comuns ao longo do dia.

Os jovens, além várias organizações estudantis e sindicatos estudantis pedem mobilização e, em várias universidades e escolas secundaristas, prepara-se bloqueios para se manifestar junto com coletes amarelos e trabalhadores em greve nas ações planejadas.

O governo Macron responde usando o ataque em Estrasburgo para pressionar e impor a desmobilização. O governo está tão encurralado que usa tão grosseiramente os ataques contra os manifestantes, a única maneira de responder é com a expansão e extensão do movimento, com mobilizações em que os setores em luta confluam.

A chantagem do governo não conseguiu impedir a mobilização e esta sexta-feira pode ser um sucesso e marcar o início de uma união de maior magnitude entre os "Coletes Amarelos", os jovens e os "coletes vermelhos"* dos trabalhadores.

*Os coletes vermelhos são uniformes que muitos trabalhadores têm de usar.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui