www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 15 de Octubre de 2018
05:08 hs.

Twitter Faceboock
Trump expõe frente à ONU sua doutrina de imperialismo renovado
Claudia Cinatti
Buenos Aires | @ClaudiaCinatti

Em seu discurso na 73ª Assembléia Geral das Nações Unidas, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, novamente levantou uma "versão renovada" da America First.

Ver online

Trump declarou-se um inimigo da globalização e do controle global. Ele justificou guerras comerciais com um discurso que vem ensaiando desde sua campanha eleitoral, em que os Estados Unidos é uma vítima da ganância de seus rivais e sócios que se aproveitam das regras de instituições multilaterais, como a OMC, para entrar no mercado norte-americano e ao mesmo tempo proteger o seu próprio. O presidente apontou explicitamente para a China (apesar de considerar Xi Jinping um amigo) por sua política comercial e monetária desonesta, mas por trás do gigante asiático também estão aliados e parceiros comerciais tradicionais, como Alemanha, UE e Canadá.

Segundo Trump, sob a ordem (neo)liberal proliferam os aproveitadores que se beneficiaram de um imperialismo tímido e globalista, mais preocupados em liderar o mundo do que defender o interesse norte-americano, e isso é o que não vai além. Não só no campo comercial. Trump também se referiu àqueles que não querem gastar para garantir sua própria segurança e deixar os Estados Unidos arcarem com o custo de bancar a polícia mundial. A partir de agora, a ajuda financeira e o favor político serão apenas para os amigos dos Estados Unidos. Essa pseudo-teorização sem grandes pretensões, especialmente quando comparada à grande estratégia de contenção que em grande parte orientou a liderança imperialista hegemônica, seria o que está por trás da política externa errática e polarizadora que transformou a principal potência mundial em uma fonte de instabilidade e tensões.

Trump reivindicou o imperialismo de garrote, expressa no uso de sanções como uma ferramenta quase exclusiva da política externa. Um ano depois de ameaçar a Coreia do Norte com a destruição total, os novos alvos da ira imperial são o Irã e a Venezuela e, secundariamente, Cuba. Ele repudiou novamente o acordo nuclear alcançado com o Irã em 2015, do qual os Estados Unidos se retiraram, deixando-o no ar uma política não apenas dirigida ao Oriente Médio, mas também à UE, que continua apoiando o acordo. Ele acusou o regime iraniano de ser uma ditadura terrorista. Ele justificou a aliança com as monarquias sunitas do Golfo e a política de ter transferido a embaixada norte-americana para Jerusalém.

A política agressiva de Trump contra a Venezuela como parte da ofensiva imperialista na América Latina tem seus próprios lacaios locais, um dos mais notáveis ​​é o Presidente Macri que foi vender a Argentina ao FMI e aos investidores que querem fazer o seu gosto.

No entanto, a imagem de força que Trump pretendia dar contrasta com a profunda crise política que atravessa sua administração. A Casa Branca é abalada pelos escândalos e as divisões dentro do establishment estão atingindo um ponto de ebulição. Integrantes do círculo íntimo do presidente se passaram de bando e estão colaborando com o FBI em uma investigação que pode fazer palidecer o caso dos cadernos na Argentina porque se trata de um presidente no cargo. O juiz conservador Brett M. Kavanaugh, proposto por Trump para preencher uma posição chave na Suprema Corte, enfrenta acusações de abuso sexual que estão atrapalhando sua confirmação. E o New York Times, a principal mídia corporativa furiosamente contrária a Trump, publicou uma nota anônima de um alto funcionário da administração que é definida como resistência a um governo caótico. Toda uma operação política que tem como antecedente nada menos que o escândalo de Watergate que pôs um fim à administração de Nixon.

Em grande medida, o futuro de Trump é jogado nas próximas eleições intermediárias que ainda são uma grande icógnita.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+(19) 981967381
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui