www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Martes 17 de Julio de 2018
16:20 hs.

Twitter Faceboock
TERCEIRIZAÇÃO/EXPLORAÇÃO
Empresa terceirizada quer substituir vale refeição das merendeiras municipais por marmita
Tom Kelvim

A empresa resolveu alterar o contrato após ganhar licitação para atender a rede municipal que terceiriza as merendeiras das escolas. A empresa PRM, de São Paulo, está substituindo o vale alimentação por viandas. A mudança no tipo de alimentação causou indignação nas merendeiras.

Ver online

imagem: Jornal Pioneiro

A empresa PRM - Serviços e Mão de Obra Especializada Eireli, está desrespeitando a vida e o bom senso, oferecendo condições e salários indignos a seus funcionários (que é uma categoria formada, majoritariamente por mulheres) em Caxias do Sul. A empresa resolveu alterar o contrato após ganhar licitação para atender a rede municipal que terceiriza as merendeiras das escolas. A empresa PRM, de São Paulo, está substituindo o vale alimentação por viandas. A mudança no tipo de alimentação causou indignação nas merendeiras. Considerando que o salário não é o bastante e não dá conta de suprir todas suas necessidades básicas e de direito que são asseguradas por lei elas contavam com o vale alimentação para alimentar as famílias.

Em uma mobilização que ocorreu no dia 02 de julho em frente a SMED (Secretaria Municipal da Educação), o sindicato (SINDLIMP) e a prefeitura demonstraram sua passividade à situação. Reuniram-se a portas fechadas com a empresa, e permitiram o acompanhamento de apenas 5 das quase 50 merendeiras que estavam no ato. Na reunião o sindicato fechou um acordo que não deu nenhuma solução efetiva e pior, sem que a categoria pudesse avaliar e decidir em uma assembleia.

Graças à resistência das trabalhadoras terceirizadas, as viandas ainda não estão sendo distribuídas e elas estão recebendo o benefício de forma parcelada. Mas, sob a incerteza se vão conseguir alimentar os próprios filhos, como declararam algumas das merendeiras. Algumas delas chegam a trabalhar mais de 8h diárias recebendo apenas cerca de mil reais ao mês. Pelo fato de serem contratadas por uma empresa terceirizada de outro estado, a prefeitura se isenta da responsabilidade e o sindicato se alinha com os interesses dos patrões.

A terceirização serve unicamente aos lucros dos capitalistas que se beneficiam da reforma trabalhista para arrancar direitos básicos da vida e precarizar as condições de trabalho. A situação das merendeiras resulta da opressão, que combinada com a exploração, é um negócio extremamente lucrativo para os patrões.

Enquanto essas mulheres enfrentam a dupla e até a tripla jornada de trabalho, também sofrem na pele as injustiças que a terceirização causa. Muitas dependem do salário e dos benefícios para criar sozinhas os filhos e não enxergam uma saída, seja uma atitude por parte do estado, que é omisso, e nem pelo sindicato que não as representa. Que o sindicato e o estado existem para apoiar e garantir direitos nós já sabemos, mas resta saber, os direitos de quem?

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+55 (11) 9630-2530
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui