www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 21 de Mayo de 2018
19:34 hs.

Twitter Faceboock
JUDEUS E ÁRABES
Os árabes e os Judeus são inimigos desde sempre?
Miguel Raider

O título remete a um sentimento comum instalado para justificar o eterno conflito entre israelenses e palestinos e a atual ofensiva em Gaza. Mas essa suposta antologia é falsa.

Ver online

1- Seguidor do movimento político que defende o direito à autodeterminação do povo judeu (N.T.)
2- Capital israelense (N.T)

Árabes e judeus coexistiram durante séculos sob o domínio mouro de Andaluz no império espanhol. Após a Inquisição, os judeus sefarditas foram recebidos pelo Império Otomano no Egito, no Norte da África e no Levante e viveram 500 anos pacificamente com árabes, turcos e cristãos. No inicio da século XX, na Palestina os judeos constituíam uma pequena minoria (5% da população)integrada a uma sociedade predominantemente árabe, com plena liberdade de culto. Essa situação começou a mudar após o declínio do Império Otomano, quando o imperialismo britânico e o francês assinaram o acordo Sykes-Picot em 1915, dividindo o Oriente Médio entre si. Na Palestina, os britânicos impuseram uma soberania apoiada por um exército de 500.000 soldados. A fim de manter os movimentos nacionalistas árabes palestinos à distância, o governo britânico lançou a Declaração de Balfour em 1917, patrocinando a formação de "um lar nacional judeu na Palestina", um parceiro dos ingleses. Esta declaração foi escrita por líderes sionistas¹ que demonstram a unidade de propósito entre o empreendimento colonialista e o poder imperialista. Apesar desse curso, a história do movimento trabalhista palestino anterior à fundação do Estado de Israel demonstra os verdadeiros laços de solidariedade entre trabalhadores árabes e judeus lutando por objetivos comuns.

Concentrados em portos, comunicações, ferrovias, metalúrgicas, refinarias de petróleo e grandes padarias, centenas de milhares de trabalhadores árabes e judeus realizavam tarefas em comum. Essa classe trabalhadora residia nos dois grandes centros urbanos: Jaffa (o bairro fundador do futuro Tel Aviv²) e Haifa, o principal porto e centro industrial. As relações de solidariedade entre árabes e judeus se expressavam no sindicato dos padeiros, declarado de "caráter internacional" e "aberto a todos os trabalhadores".

As tendências unitárias preocuparam os sionistas de tal forma que deram lugar à intervenção de sua máxima estratégia. David Ben-Gurion, líder do Histadrut (centro operário sionista) e futuro chefe do Estado de Israel, argumentou que os trabalhadores judeus deveriam ser organizados em sindicatos "ligados", mas "separados" dos árabes, de acordo com "seções nacionais".Jaim Arlozoroff desenvolveu essa orientação assimilando a experiência da África do Sul, onde as tarefas mais qualificadas eram reservadas para os brancos, organizados em sindicatos separados dos negros. Assim, a Histadrut acabou expulsando militantes comunistas de origem judaica que estavam lutando por sindicatos comuns. A central operaria sionista empenhou-se em quebrar as greves realizadas conjuntamente por árabes e judeus, como o conflito de abril e maio de 1933 na pedreira Nesher. Sob o slogan de kibush haavoda (conquista do trabalho), a Histadrut fez acordos com os empregadores para substituir a força de trabalho árabe, em troca de disciplina trabalhista. Como resultado dessa política racista e patronal, surgiu a PAWS, a primeira união de trabalhadores palestinos baseada em Haifa, Jaffa e Jerusalém, que defendiam a unidade, o sionismo e a independência da Palestina.

1948 quebrou laços de solidariedade

Alarmados, tanto os sionistas quanto os efederianos (proprietários de terras palestinos) traçaram um caminho para sabotar a unidade potencial dos trabalhadores. Em 1929, o mufti de Jerusalém, Aj Amin al Husayni, juntamente com a elite nacionalista palestina mais reacionária, lançou um massacre por quatro dias. Centenas de trabalhadores judeus indefesos salvaram suas peles graças à colaboração de seus camaradas árabes, que expuseram suas próprias vidas, escondendo-os em suas casas. Mesmo assim, durante a grande greve geral de 1936 que questionou o regime, as tropas britânicas instruíram como unidades militares as milícias sionistas da Haganah (a "autodefesa judaica" criada em 1920) para reprimir os piquetes dos trabalhadores árabes, ajudados em vários ocasiões por seus companheiros judeus. Enquanto isso, as Histadrut scabs ocupavam empregos com funcionários judeus nos portos de Haifa, a grande pedreira Majdal Yaba, as plantações de cítricos e as refinarias do Petróleo Iraquiano transnacional, quebrando o mais longo conflito operário na história da guerra do Oriente Médio.

Apesar desse percurso divisionista, em abril de 1946, dezenas de milhares de trabalhadores árabes e judeus retornaram à arena organizada na PAWS e no Sindicato Internacional Ferroviário, Correios e Telefones, lançando uma greve que paralisou os serviços públicos e colocou em xeque o funcionamento das Bbses militares britânicas.

No entanto, estes laços de solidariedade já tinha começado a quebrar-se após o assassinato do líder sindical Sami Taha e resolução arbitrária das Nações Unidas em novembro de 1947 pela divisão da Palestina para a minoria judaica, oposta à vontade unitária das grandes massas, que desencadeou mobilizações populares em desacordo. Mas a gota que rachou o vaso foram os ataques terroristas em de dezembro de 1947, de onde o Etzel (o destacamento mais direitista do Haganah) explodiram um carro-bomba entre centenas de trabalhadores árabes em uma refinaria em Haifa, enquanto o Palmach (a brigada elite da esquerda sionista) tomou de assalto o povo de Balad para Shayk, matando dezenas de mulheres e crianças. A fundação do Estado de Israel em maio 1948 com base na limpeza étnica de um milhão de palestinos expulsos de suas terras nativas encerrou definitivamente este processo, resultando em um estado racista e colonialista, a fonte de todas as dificuldades do povo palestino até hoje .

O general Yitzhak Rabin costumava comparar o Estado de Israel com o Reino Cruzado de Jerusalém em 1099, baseado na imigração contínua de combatentes que massacraram árabes e judeus por 192 anos. É por isso que os palestinos se lembram de Saladino, o grande general curdo que derrotou os cruzados e restaurou a paz entre árabes, judeus e cristãos, uma perspectiva que hoje só pode ser liderada pelos trabalhadores e camponeses do Oriente Médio contra esse estado segregacionista, parceiro estratégico do imperialismo norte-americano.

Tradução: Júlia Silva

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+55 (11) 9630-2530
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui