www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Domingo 19 de Agosto de 2018
04:20 hs.

Twitter Faceboock
Exército israelense detém irmão de Ahed Tamimi, símbolo da resistência palestina
Redação

O Exército israelense informou na sexta-feira que prendeu Waed Basim, irmão da adolescente Ahed Tamimi, que está na prisão e se tornou um símbolo da resistência palestina aos ataques e ocupações de Israel.

Ver online

Segundo o Exército, a detenção de Waed foi causada por "ações terroristas de cidadãos", uma fórmula legal que Israel tem para praticamente qualquer forma de resistência a aberrações realizadas pelo exército contra a população palestina.

De fundo é uma verdadeira provocação no contexto das mortes em massa que os soldados israelenses estão realizando a cada sexta-feira em Gaza contra os protestos da "Longa Marcha do Retorno", em que os palestinos reivindicam o direito de retorno para milhões de pessoas que foram expulsas à força de suas terras para estabelecer artificialmente o estado colonial de Israel há 70 anos.

A prisão também vem apenas quatro dias antes do que os palestinos chamam de Nakba (catástrofe), recordação da limpeza étnica que Israel levou a frente sobre os territórios palestinos e terminou na fundação do seu estado em 1948. Esse dia, em 15 de maio, também espera-se que os Estados Unidos simbolicamente inaugurado sua embaixada em local de Jerusalém, que é considerado sagrado pelos palestinos como capital de seu futuro estado. É uma verdadeira provocação de Trump e Netanyahu, que sem dúvida, vai trazer novos protestos, repressão e assassinato. A prisão Waed é usada como uma tentativa de intimidação por parte de Israel para os palestinos, especialmente os mais jovens que estão sendo parte ativa de protestos e resistência.

A prisão de Waed

A prisão ocorreu às 05h00 (02h00 de Brasília) na quarta-feira na casa da família em Nabi Saleh, na Cisjordânia, onde foi presa em dezembro por Ahed "em termos semelhantes", disse seu pai, Basem Tamimi, que atualmente tem sua esposa e dois de seus quatro filhos na prisão.

"Os soldados bateram na porta, entraram na casa e o levaram embora. Ainda não sei pelo que ele é acusado", disse Efe Tamimi, membro de uma conhecida família de ativistas palestinos que lideram as manifestações de Nabi Saleh contra a ocupação israelense da Cisjordânia.

O Exército israelense disse à Efe que Waed, 21 anos, é "suspeito de envolvimento em ações terroristas de cidadãos" e está aguardando uma audiência no tribunal militar.

Ahed cumpre atualmente uma pena de oito meses de prisão, depois de chegar a um acordo com a promotoria e será libertada no mês de julho.

A sentença de Ahed

Apesar de ser menor de idade, Ahed Tamimi foi presa, como muitos jovens palestinos, e julgado por tribunais militares israelenses. O tribunal havia adiado a data do julgamento e decidiu fazê-lo a portas fechadas para que as imagens não se tornassem um escândalo internacional, levando em conta a repercussão que o caso teve e a crescente campanha mundial para sua libertação.

Foram apresentadas ao menos doze acusações contra ela, incluindo incitamento à violência, lançamento de pedras contra patrulhas militares e violência grave contra os militares. Antes da bofetada, o primo de Ahed Tamimi recebeu uma bala de borracha disparada à queima-roupa por um soldado israelense. Enquanto soldados israelenses que reprimem e matam palestinos são libertados, Tamimi foi condenada pela bofetada á sete anos de prisão.

As razões pelas quais a menina de 17 anos não pode ser condenada a sete anos de prisão, como originalmente proposto pelo tribunal têm a ver com a enorme campanha de solidariedade internacional que levou à sua prisão e a demanda por liberdade imediata que foi ouvida em todo o mundo. Ahed Tamimi acabou se tornando um símbolo da resistência palestina aos abusos do Estado colonial de Israel, forçando o tribunal a buscar um acordo.

De acordo com seu advogado, Gaby Lasky, a jovem ativista palestina, "concordou" em se declarar culpada de quatro das 12 acusações contra ela. Levando em conta que ele está na prisão desde dezembro, Tamimi será libertada no próximo mês de julho, após pagar uma multa de 1.168 euros. "Não há justiça sob a ocupação israelense", disse Tamimi no tribunal sobre seu veredicto no final do julgamento.

O acordo também afeta sua mãe Narima, condenada a mais oito meses de prisão e uma multa de 1.400 euros, e seu primo, Nour, que foi libertado, mas será condenado à prisão se for acusado de acusações semelhantes nos próximos três anos.

O julgamento de Tamim, e agora a prisão de seu irmão, despiu aos olhos de todo o mundo não apenas a maneira pela qual crianças e jovens palestinos são tratados nas prisões e tribunais israelenses, mas a força da resistência palestina contra o Estado de Israel que se mantém na Faixa de Gaza. Ameaças, privação de sono e longas interrogações fazem parte do arsenal usado pelas forças policiais e militares nas prisões israelenses, onde buscam adestrar e intimidar os milhões de palestinos que lutam todos os dias contra a ocupação colonial na Cisjordânia, tornando Gaza uma prisão a céu aberto. O que o historiador israelense Ilan Pappe define como um estado de apartheid que transformou a Palestina na maior prisão do mundo.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+55 (11) 9630-2530
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui