www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 25 de Mayo de 2018
21:25 hs.

Twitter Faceboock
TEORIA MARXISTA
A tecnologia nos libertará? Karl Marx e o fragmento sobre as máquinas
Sergio Moissen
Dirigente do MTS e professor da UNAM

O que Karl Marx pensou sobre o maquinismo e a tecnologia? Qual é a relação entre o desenvolvimento da tecnologia e a busca de uma sociedade livre de mão-de-obra assalariada?

Ver online

Karl Marx dedicou dois fragmentos ao estudo das máquinas e tecnologia. O primeiro era conhecido como fragmentos do Capítulo VI inédito do Volume I do Capital e o segundo era conhecido como fragmento sobre as máquinas, publicado como contribuição para o Grundrisse.

O primeiro editado por Bolívar Echeverría com o título de A tecnologia do capital e o segundo editado por Paul Virilio extraído do Grundrisse der Kritik de Politischen Ökonomie, 1857-1858 são notas frescas e novas, mesmo proféticas, do papel da técnica no capitalismo. O equatoriano destacou a categoria de subsunção formal e real do trabalho assalariado pela tecnologia do capital, o segundo considera que a categoria central de Marx é a do intelecto geral.

Ambos os fragmentos são, sem dúvida, o trabalho da caneta crítica de Karl Marx: não são categorias contrastantes e se complementam. Ambos os fragmentos são uma crítica política, centralmente anticapitalista, da bondade, do otimismo e do senso comum progressivo sobre a técnica capitalista.

O que os dois textos nos dizem sobre a máquina e a tecnologia? A tecnologia nos libertará?

Subsunção formal e real do trabalho assalariado pela tecnologia do capital

No fragmento do capítulo VI, a categoria de subsunção significa "colocar sob controle" "passar sob comando e vigilância" e no "sequestro da capacidade produtiva total do trabalhador". É, portanto, uma liquidação da pluralidade de disposições do trabalhador como sujeito.

A subsunção pode ser formal e real. Quando o assalariado vende sua força de trabalho, ele deixa de ser o dono de si mesmo e aliena o empregador e deixa formalmente de ser o dono de si mesmo e, para Marx, a subsunção formal. Em outro lugar, o workshop, o capitalista consegue administrar a soma das sumas formais individuais para realmente extrair o trabalho vivo do trabalhador: o resultado é o aumento da produtividade do trabalho e a taxa de mais-valia.

Em ambas as formas, real e formal, a tecnologia desempenha um papel político central. A técnica, os processos produtivos administrados, a máquina, a oficina, o uso da técnica não é "neutro". Marx diz que "a tecnologia sequestra a capacidade total do trabalhador, a redução do tempo de trabalho pela produtividade é uma abstração murchada (...) faz do trabalhador um autômato dotado de vida. (...) o trabalhador tornou-se um componente vivo da oficina" (Marx, 21 - 33: 2005).

A tecnologia, que aumentou a composição orgânica do capital e, ao mesmo tempo, a produtividade do trabalho, é uma forma de dominação política e subjetiva do trabalhador. Através da tecnologia, a inovação (como o taylorismo e o fordismo) é aperfeiçoada, refinada, polida e refinada a exploração do capital na força do trabalho. A técnica não é neutra: é um instrumento político. As grandes descobertas científicas e tecnológicas aperfeiçoaram os instrumentos de dominação e, com eles, colaboraram com a perfeição da exploração capitalista: a perda da totalidade do corpo do trabalhador é o que Marx chamou de subsunção.

Não é uma mudança de ritmo, tempo, força na linha de produção por introdução das novas tecnologias um instrumento político para disciplinar ou uma corporação trabalhadora na cadeia de commodities do capitalismo? Uma máquina disciplinada ou um corpo trabalhador: trabalha para adaptar seu corpo, olhos, tendões e músculos para produzir uma cadeia de valor. Isso é modelado para subjetividade do trabalhador.

Intelecto geral, fragmento das máquinas

A partir do fragmento sobre as máquinas de Karl Marx, expõe a categoria geral do intelecto que pode ser entendida como o desenvolvimento geral da ciência e da tecnologia (por exemplo, nanotecnologia ou robótica) que se acumula como o capital intelectual mecânico geral: aumenta a produtividade do trabalho e torna-se capital fixo nas máquinas. O intelecto geral é central e transforma o trabalhador em um apêndice da máquina na oficina: venha, o trabalhador não é indispensável para a produção de bens. Diz Marx:

"A natureza não constrói máquinas, nem locomotivas, ferrovias, telégrafos elétricos. Estes são produtos da indústria humana: material natural, transformado em órgãos da vontade humana sobre a natureza ou sua ação na natureza. São órgãos do cérebro humano criados pela mão humana; força objetivada do conhecimento. O desenvolvimento do capital fixo revela até que ponto o conhecimento geral ou o conhecimento social se tornaram uma força produtiva imediata e, portanto, até que ponto as condições do processo da própria vida social passaram sob o controle do intelecto geral e remodelado de acordo com ele. Até que ponto as forças sociais produtivas são produzidas não só na forma de conhecimento, mas como órgãos imediatos da prática social, do processo da vida real ".

Na categoria do intelecto geral, o trabalhador está despojado de todos os tipos de participação ativa na produção da mercadoria, é uma subsunção dupla, uma alienação do trabalhador para tornar o apêndice de rotina para o intelecto geral gerar o processo produtivo global. Ou seja, a técnica capitalista longe de humanizar o indivíduo o aliena de um modo redobrado.

Em termos gerais, o capital não só explora e super-explora a força de trabalho, mas também integra a humanidade do trabalhador de forma dupla. A exploração não é apenas a falta de salário e condições materiais do trabalhador, é uma subsunção reduzida do trabalho pelo capital para transformá-lo em um autômato dotado de vida. A exploração e subsunção são duas formas simultâneas de exploração do capitalista da nossa força de trabalho. É uma alienação subjetiva.

Recusamos ser tratados como máquinas

O capitalista trata os trabalhadores como máquinas. O capitalista procura que os trabalhadores se tratem como máquinas. Ele quer que reproduzamos os mesmos valores da vida, dos sentimentos, eles querem que falemos o mesmo. O capital reduz ao mínimo a vida social geral do trabalhador e reduz sua vida ao de uma máquina, a um autômato, com um pouco do que eles chamam de vida.

A luta dentro da fábrica para o aumento do mínimo vital (reduzir o dia útil, tempo de alimentação, minutos de descanso, reduzir o ritmo de trabalho, aumentar os dias de repouso, a luta por creches, melhores condições de saúde, feriados compulsórios, para parar o ritmo acelerado de produção, para reduzir o ritmo da linha) não é secundário: é uma luta política. Não somos robôs humanos.

Karl Marx pensou que a tecnologia abriu novos paradigmas. Não foi, definitivamente um ludita, pensou que a emancipação do trabalho assalariado estava relacionada ao controle da técnica capitalista e do intelecto geral.

O aumento do poder social produtivo de toda a humanidade e com ela da riqueza geral total (particular a alguns capitalistas) deve permitir "reduzir inteiramente o tempo de trabalho e nos transportar para a passagem de um indivíduo real e totalmente novo e parar de ser um instrumento ". Uma sociedade sem classes não será possível sem a socialização do que é produzido pelo intelecto geral de todo o planeta.

A tecnologia nos libertará, desde que seja expropriada por seus trabalhadores e socializados como instrumento, como meio de produção, e por isso buscamos resolver as necessidades humanas e sociais no planeta e, com isso, a tecnologia deixa de estar a serviço do lucro capitalista.

Fontes:
Marx, Karl, A tecnologia do capital, Ítaca, México 2005. Marx, Karl, Fragmento sobres as máquinas, disponível (em espanhol) em https://textos.wordpress.com/
Tradução Douglas Silva

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+55 (11) 9630-2530
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui