www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Jueves 14 de Diciembre de 2017
19:44 hs.

Twitter Faceboock
ARGENTINA
De Jujuy a Buenos Aires: o compromisso dos deputados operários e socialistas
Redação

Nesta terça-feira, assumiram Alejandro Vilca e os deputados da FIT no Legislativo de Jujuy com um "juramento" emocionante. Myriam Bregman enfureceu o PRO ao assumir como deputada de Buenos Aires. Hoje Nicolás del Caño assumirá no Congresso Nacional.

Ver online

Na cidade de Buenos Aires, a mais rica da Argentina, Myriam Bregman aproximou-se do microfone e disse em voz alta: "Para a luta dos trabalhadores, das mulheres e dos povos oprimidos do mundo, para continuar com a luta contra a impunidade dos empresários que organizaram e se beneficiaram do golpe militar cívico, por Rafael Nahuel e Santiago Maldonado, para acabar com a barbárie capitalista, sim, me comprometo. "

Então vieram os assobios da bancada macrista. Deixe-nos concordar que essa rejeição pode ser tomada como um "reconhecimento". É que eles sabem que aquele que acaba de assumir, em sua trajetória e como referência do PTS-FIT, encarna a luta contra o "governo dos ricos" na cidade de Buenos Aires. Como Myriam respondeu na época: "Eles são muito habituados a ser chefes, eles agem como trolls".

O mesmo tratamento foi recebido mais tarde por Gabriel Solano (PO-FIT) e Marta Martínez (AyL).

No entanto, a deputada flamejante da Frente de Esquerda não estava sozinha. Eles chegaram para esse momento, e o encontro que eles fizeram depois, referentes e organismos de direitos humanos, estudantis, do sindicalismo militante e do movimento feminista. Havia também os deputados nacionais Nicolás del Caño e Nathalia González Seligra, e seu outro companheiro de banca, Patricio del Corro, que assume em alguns dias.

Eles sabem, bem como a bancada do PRO, para quem os deputados da FIT jogam. "Chegamos ao Legislativo com dois novos bancos a serviço da luta dos trabalhadores, das mulheres e dos jovens".

Como Bregman afirmou em sua campanha, ela chega ao Legislativo para enfrentar os planos de Rodríguez Larreta e Cambiemos, muitas vezes apoiados pela oposição tradicional. Um governo que usa a Cidade como um campo negociado para empresários amigáveis, enquanto um em cada cinco habitantes é pobre. Que se apropria do espaço público, promove a educação privada e multiplica suas forças de segurança através da criminalização dos bairros e da juventude. Um governo que, entretanto, ajusta as despesas de educação e saúde pública, para não mencionar a terrível crise habitacional que atravessa.

Contra esse "governo dos ricos e para os ricos" do macrismo, vem Bregman e a Frente de Esquerda. Não só para denunciar desde a bancada todas as leis contra os trabalhadores. Também para transformá-la em uma bancada "aberta", a serviço da organização da resistência contra esses planos.

A esquerda pisa forte em Jujuy

Alejandro Vilca estava usando uma camisa de trabalho. Outra estava apoiada em seu púlpito. Aquela que ele usa todos os dias para coletar lixo no bairro Alto Comedero de San Salvador de Jujuy. A outra, usada pelos trabalhadores da La Esperanza Sugar Mill, que hoje enfrenta as demissões que incentiva Gerardo Morales.

Então, ele chegou a mesa da presidência do Legislativo de Jujuy. Em vez do frio "sim, eu juro" dos deputados das grandes festas, Vilca assumiu "para a defesa dos povos nativos que sofrem o saque e a exploração colonial e capitalista. Para a memória de Santiago Maldonado e Rafael Nahuel. Para a classe trabalhadora de Jujuy, que luta como a de Ingenio La Esperanza e em todo o país. Para a classe trabalhadora e os oprimidos do mundo para acabar com esse sistema de opressão e exploração".

Também assumiram com Vilca os outros deputados provinciais da Frente de Esquerda. Entre eles, Iñaki Aldasoro (PO), Eduardo Hernández (PTS), que também jurou "pelos caídos na luta contra o capitalismo, os 30 mil companheiros desaparecidos" e Natalia Morales, que também "pela luta das mulheres contra toda opressão e para acabar com a barbárie capitalista ".

Depois de cada um de seus juramentos, o que ouviram foram os cantos daqueles que vieram apoiá-los. Muitos estavam esperando por eles lá fora. Havia os vereadores conquistados em San Salvador, Palpalá e Libertador San Martín e muitos trabalhadores que militaram na última campanha. Entre eles trabalhadores açucareiros, metalúrgicos, mineiros, professores, estatais e jornaleiros.

Além disso, outro grito da tribuna: "A esperança é para os trabalhadores". Assim, eles reivindicaram a luta que os trabalhadores açucareiros estão realizando.

Anteriormente, uma marcha maciça teve lugar em San Pedro, refletindo o apoio popular da luta contra mais de 300 demissões. Uma luta que está sendo apoiada pelos deputados da Frente de Esquerda, que colocarão seus lugares no parlamento e sua militância para que ela possa se tornar uma grande causa popular.

"Nossos deputados são trabalhadores e socialistas"

Essa foi uma das músicas que acompanharam a posse de Bregman, Vilca e cada um dos deputados da Frente de Esquerda.

Certamente também acompanhará o pressuposto, nesta quarta-feira, de Nicolás del Caño (PTS-FIT). Junto com Romina del Plá (PO) e Nathalia González Seligra (PTS) serão deputados da Frente de Esquerda no Congresso Nacional. Lá, onde a "oposição" peronista tornou-se um dos grandes "donos de governabilidade" que o macrismo precisa.

Porque o compromisso é claro. Essas bancadas servirão para lutar por cada um dos direitos dos trabalhadores, das mulheres, dos aposentados e dos jovens. Eles estarão nas marchas, nas greves e em todas as reivindicações. Colocarão seus lugares no parlamento para organizar aqueles que querem enfrentar o ajuste e as "reformas" promovidas por Macri e apoiadas por todos os governadores.

Além disso, eles usarão seus mandatos para denunciar cada um dos abusos e negociatas deste sistema que enriquece alguns enquanto condena milhões à miséria. Uma plataforma que também permite divulgar as idéias da esquerda classista e ajuda a organizar uma alternativa política para os trabalhadores que lutam - como disse Vilca - "para acabar com esse sistema de opressão e exploração".

Tradução Douglas Silva

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+55 (11) 9630-2530
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui