www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 15 de Diciembre de 2017
01:09 hs.

Twitter Faceboock
TRIBUNA ABERTA
Como a lógica neoliberal promove a desconstrução do SUS
Andréa Lima
Ver online

Victório Galli, deputado federal pelo Partido Social Cristão, propôs ao Ministério da Saúde que os pacientes atendidos no Sistema Único de Saúde (SUS) tenham o direito de comprar por conta própria os insumos utilizados nos procedimentos, quando estes estiverem em falta nas unidades hospitalares.

A saída para sanar as debilidades materiais do sistema público de saúde buscada pelo nobre deputado é passar para o cidadão uma responsabilidade que é do Estado. Seguindo esta ideia: hoje a gente compra os esparadrapos, as ataduras, as seringas.

Amanhã, a gente compra a cama e os instrumentos cirúrgicos. Depois, a gente leva o nosso médico particular. E, tudo bem se os governos não investirem em melhorar as condições de atendimento na unidades de saúde, os pacientes podem cooperar.

O SUS, instituído com a Constituição Federal de 1988 e regulamentado pela Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, é fruto das batalhas travadas por aqueles seguidores dos paradigmas da Reforma Sanitária que almejavam um sistema de saúde que tivesse por primazia a integralidade do sujeito.

Some-se a isso outros princípios como universalidade, equidade, descentralização, participação social e temos hoje, no Brasil, um dos sistemas de saúde mais democráticos do mundo.

O proponente do direito a que os pacientes paguem pelos insumos hospitalares alega que “O Estado brasileiro já provou ser incompetente para gerir a saúde neste sistema, isso em todas as esferas, temos um problema que vem se agravando e piorando ano após ano. Precisamos de estudos, mudanças acompanhadas pela diminuição de impostos, otimização e modernização do sistema de saúde.” (trecho de nota emitida publicamente pelo gabinete do deputado).Ora, é claro na fala do deputado o teor privatista do que seria uma “solução” para a Saúde: o Estado não dá conta, abramos para que a iniciativa privada se aproprie mais ainda do que já faz.

Se o SUS está precarizado é por escolha de quem institucionalmente controla o Estado. Haja vista, a recente promulgação da EC-95/2016 (teto dos gastos) que prevê uma retração de investimento público na área da Saúde (dentre outros setores), além das medidas já em curso de estreitamento de recursos destinados à Seguridade Social. Ao mesmo tempo em que grandes devedores do Estado têm suas dívidas milionárias perdoadas e explodem escândalos de corrupção indicando uso indevido do dinheiro público. Falta de verba, parece que não é.

Ademais, é importante avisar ao nobre deputado que o cidadão JÁ paga por tudo que utiliza nos serviços públicos, incluindo o SUS. Afinal impostos são para esse fim, ainda que pareça que sejam para bancar as vidas abastadas de nobres deputados.

Continuemos na luta por um Sistema de Saúde público, gratuito, universal e de qualidade.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+55 (11) 9630-2530
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui