www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Lunes 16 de Octubre de 2017
22:48 hs.

Twitter Faceboock
SAÚDE SUPERFATURADA
OS rouba saúde do Rio com clínica falsa, superfaturamento de remédio e rombo de 30 milhões
Pedro Cheuiche, estudante da PUC-RJ e militante da juventude Faísca

Contratos de OSSs foram revistos no Rio de Janeiro, além dos 30 milhões de Rombo teriam havido inúmeras irregularidades, entre elas um remédio super-faturado em 1831%, valores de remédios em média 117% maiores que o normal em determinado período para a OS Gnosis e um rombo ainda maior para a anterior, que recebeu 6 milhões de reais há 15 dias do fim do contrato e que deixou de pagar o mês de junho dos funcionários antes de rescindir com a prefeitura, esta, conivente, retirou R$ 1,8 milhões do Souza Aguiar para pagar os salários atrasados, além de R$ 2,5 milhões de Reais de uma clínica que nunca teria sido construída.

Ver online

Além dos 30 milhões de Rombo teriam havido inúmeras irregularidades, entre elas um remédio super-faturados em 1831%, valores de remédios em média 117% maiores que o normal em determinado período para a OS Gnosis e um rombo ainda maior para a anterior, que recebeu 6 milhões de reais há 15 dias do fim do contrato e que deixou de pagar o mês de junho dos funcionários antes de rescindir o contrato com a prefeitura retirando R$ 1,8 milhões do Souza Aguiar para pagar os salários, além de R$ 2,5 milhões de Reais de uma clínica que nunca teria sido construída.

O Tribunal de Contas do Município apontou irregularidades em contratos de OSS de 2 na Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda e da Coordenação de Emergência Regional (CER) Centro, ambas no Centro. No período avaliado, entre 2010 e 2015, foram firmados contratos com 2 empresas distintas, a Gnosis, que teria deixado um rombo de R$10 milhões, e atua desde 2015 e o Instituto SAS, com teria contraído dívida de R$20 milhões de Reais só no processo de rompimento de contrato.

Os contratos de organização sociais, ou OSSs são contratos firmados entre um orgão privado e um estatal, neles são regulamentados serviços públicos que ficam á cargo de organizações sociais, ou na melhor das línguas por organizações privadas, teoricamente as OSS´s não teriam fins lucrativos, porém a regulação que seria feita pelos órgãos reguladores não acontece e os contratos firmados entre os dois entes ficam restritos a eles, sem possibilidade de acompanhar o que foi firmado no contrato.

Entre as muitas irregularidades apontadas pela TCM estão a compra de remédios por valores em média, 117% maiores do que os da Secretaria municipal de Saúde (SMS). Um remédio em específico chegou a ser comprado 1.831% de sobrepreço, somente a partir de janeiro de 2016 a Gnosis adequou-se, comprando aos mesmos preços que a SMS, após um decreto que previa punição por superfaturamento. Em nota ao Jornal Extra, a Gnosis se justificou-se sobre o superfaturamento de valor 1.000% superior à tabela , "alguns problemas sazonais, como falta de matéria-prima de determinado medicamento no mercado, influenciam no processo de compra". Além de tudo isso apurou-se o pagamento para a Gnosis de uma clinica pediátrica no valor de 2,5 milhões que nunca existiu.

O instituto SAS, por sua vez, de acordo com o relatório é acusado de deixar um rombo de 20 milhões, há 15 dias do fim do contrato deixou de pagar seus funcionários, deixando um rombo que a prefeitura cobriu retirando investimentos do hospital Souza Aguiar. Com os supostos 30 milhões deixados de rombo pelas OSs é possível manter um hospital como o do Souza Aguiar por cerca de um ano.

O dono da SAS foi preso acusado de fraudes na gestão de um hospital em Itapetininga, alegou à prefeitura qer abandonado o contrato por conta da falta de reajuste, coincidentemente na mesma época em que o dono foi Paulo Celso de Carvalho Morais foi preso.

O TCM fez a inspeção extraordinária a pedido do vereador Paulo Pinheiro (PSOL), motivado pela prisão do dono da SAS. Em resposta ao Jornal Extra as Oss negaram todas as acusações.

Os contratos de OSS´s só servem aos interesses de empresários, que se aproveitam de serviços básicos e essenciais para realizar falcatruas e lucrar muito, tais movimentos escusos são são novidade para quem conhece como funcionam os contratos de OSS, privatizam o bem público e os serviços básicos sem melhora n.os serviços, que continuam sucateados, mas agora com um grande empresário por trás, se aproveitando da saúde, no caso, para enriquecer as nossas custas

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+55 (11) 9630-2530
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui