www.esquerdadiario.com.br / Veja online / Newsletter
Esquerda Diário
Esquerda Diário

Viernes 20 de Octubre de 2017
05:43 hs.

Twitter Faceboock
CRISE NA VENEZUELA
Maduro ativa tribunais militares para processar os detidos em manifestações
La Izquierda Diario Venezuela

O governo decidiu usar tribunais militares para processar as pessoas que foram presas em manifestações organizadas pela oposição, violando os direitos fundamentais.

Ver online

O governo de Maduro, cada vez mais apoiado nas forças armadas, não para de responder com repressão e coerção a qualquer expressão de descontentamento ou oposição política, e agora usa tribunais militares para julgar os detidos nas manifestações. Se já temos que nos opor fortemente quando uma pessoa é presa por protestar, defendendo o direito elementar ao protesto, menos ainda devemos aceitar tal aberração do uso de tribunais militares para as pessoas que vêm a se manifestar. Mas tudo isso é parte da crescente escalada da repressão levada a cabo pelo governo.

As alegações do ministro da Defesa, Vladimir Padrino, para tal aberração e violação dos direitos humanos, é que os casos de manifestantes presos e processados por tribunais militares são enquadrados pela lei. O ministro disse: "Quando há um ataque à sentinela, ou sobre um efeito das Forças Armadas Nacional Bolivariana (FANB), ou um bem de FANB, perfeitamente se incorre em uma ofensa militar e pode atender à jurisdição militar" acrescentando que "Todo aquele que atacar ou agredir o guarda em flagrante, a jurisdição militar imediatamente é competente por ouvi-los", aludindo às questões previstas no Código Penal militar. Mas o que tem a ver tudo isso, próprio da vida dos quartéis, com as pessoas que saem às ruas para expressar sua insatisfação ou sua posição política?

Organizações como a Anistia Internacional (AI) denunciaram essa prática, argumentando que "O uso crescente de tribunais militares para julgar civis demonstra a absoluta determinação das autoridades venezuelanas para sufocar protestos crescentes e aterrorizar qualquer um que contemple a possibilidade de expressar as suas opiniões ". As demonstrações de AI estão contidas em uma declaração da organização internacional divulgada quarta-feira em que se afirma que "O direito internacional estabelece claramente a inadmissibilidade de que civis sejam tratados como militares, isso vai completamente contra o exercício dos direitos humanos". Ele acrescenta que "todas" as pessoas que foram presas recentemente na Venezuela, no marco dos protestos e levados a tribunais militares "foram processados por crimes como ’associação para a rebelião’ e ’ataque à segurança’ sob jurisdição militar".

A esta prática já soaram alertas da própria Promotoria Geral da República, que dirige a Procuradora Luisa Ortega Diaz, que pediu neste mesmo dia a um tribunal do estado de Zulia (noroeste) que as 14 pessoas presas na sexta-feira por supostamente causar danos à sede da prefeitura e a uma praça dessa entidade serão julgados pela jurisdição ordinária e não militar. Nesse sentido, o procurador-geral disse que a Constituição "garante o julgamento de civis perante os tribunais comuns, e os militares que cometeram infracções contempladas no Código Orgânico da Justiça Militar perante seus respectivos tribunais militares". Segundo a ONG Foro Penal Venezuelano (FPV) declarou terça-feira, 73 civis foram detidos no país por decisão de tribunais militares, dos 137 que foram submetidos a esses órgãos.

Lembre-se que no último relatório oficial, pessoalmente, o procurador-geral tinha indicado que as prisões, incluindo as dos tribunais comuns, estavam violando o devido processo, observando que o devido processo "é um dos poucos direitos não se pode suspender" e, pelo contrário, "deve ser garantida" "mesmo em estados de exceção” como o vivido na Venezuela há meses por ditame do governo de Maduro.

Devemos rejeitar e denunciar vigorosamente o uso de tribunais militares, a detenção e prisão para aqueles que se manifestam, bem como a escalada da repressão levada a cabo pelo governo. Defendemos plenamente o direito a protestos e manifestações, rechaçamos que com a polícia, tanques, gás e tiros pretendam evitar marchas. Condenamos que o governo pretenda dizer para onde podemos marchar ou não, quão longe as manifestações podem ir ou não. Da mesma forma, repudiamos o Estado de Exceção vigente no país há mais de um ano, que suspende uma série de garantias democráticas e outros direitos básicos, recusamos a aplicação do "Plano de Zamora" para mais "controlo interno" das Forças Armadas e organismos de repressão.

 
Izquierda Diario
Redes sociais
/ esquerdadiario
@EsquerdaDiario
Subscreva-se com uma mensagem de Whatsapp por seu celular
+55 (11) 9630-2530
contato@esquerdadiario.com.br
www.esquerdadiario.com.br / Avisos e notícias em seu e-mail clique aqui