100 anos da República dos Conselhos de Bremen

0

Ilustração: Bernardo Glogowski

Por Gonzalo Adrián Rojas

 

No marco da Revolução Alemã, se estabelece por vinte e seis dias o governo da República Popular de Bremen, uma República dos Conselhos (soviets) que se declarou Socialista Independente.

No dia 10 de janeiro de 1919 no marco da heterogênea composição política e regional da Revolução Alemã, o Conselho dos Comissários do Povo de Bremen estabelece o governo da República Popular Socialista de Bremen, uma República Socialista Independente, onde os socialdemocratas maioritários de Friedrich Ebert, Phillip Scheidemann e Gustav Noske não tinham espaço.

Tem a caraterística de ter defendido uma ditadura revolucionária do proletariado, para não ser arrastrado no afundamento do regime capitalista e tentado concentrar o poder político e econômico nas mãos do proletariado revolucionário, suprimindo todas as graduações militares.

No marxismo é imprescindível uma ruptura revolucionária do aparelho do Estado e sua substituição por uma ditadura do proletariado como forma de transição ao comunismo. No sentido dado por Lenin no final do capítulo II do Estado e a Revolução ao conceito ditadura do proletariado no socialismo, nas trilhas de Marx e Engels, entendida como a forma de organização política (estatal) necessária num processo de transição do capitalismo ao comunismo:

 

A transição do capitalismo para o comunismo, está claro, não pode deixar de dar enorme profusão e variedade de formas políticas, mas sua essência será inevitavelmente uma só: a ditadura do proletariado.

 

A estratégia bolchevique como a tomada do poder político pela classe operária e ditadura do proletariado, entendida como socialismo, um momento histórico de transição entre o capitalismo e o comunismo, no sentido que Marx apresenta na Crítica do Programa de Gotha, Lenin no livro o Estado e a Revolução como mencionamos ou León Trotsky nas suas Lições de Outubro.

Bremen, na região norte, foi incorporada ao Império Alemão em 1871, lembremos que este se constitui como uma federação, na forma de uma “cidade livre hanseática”, fazendo referência a Liga Hanseática da época medieval, e era um espaço no qual tinha uma forte presença política a esquerda radical em termos gerais. Um dos principais dirigentes desta esquerda foi Johann Knief, que é mencionado pelo historiador trotskista Pierre Broué no seu livro sobre a Revolução Alemã, no sentido de destacar sua vontade política de se relacionar com os bolcheviques de forma direta mantendo relação com Radek e inicialmente independente dos espartaquistas com diferenças políticas e organizativas, mas igualmente depois em momentos da fundação do Partido Comunista Alemão, se unificam. Por sua vez, sobre Knief, César de Vicente Hernando que num livro sobre o mesmo tema afirma que publicava um jornal de forma sistemática Arbeipolitik e que havia conseguido construir uma organização ilegal, vinculada a os locais de trabalho que havia conseguido resistir a repressão.

Segundo este pesquisador espanhol, em 14 de novembro um conselho de operários e soldados já havia tomado o poder, mas no dia 10 de janeiro de 1918 Bremen se converteu uma República dos Conselhos.

Sendo um momento de ascenso da luta de classes numa situação revolucionária, defenderam a ditadura do proletariado contra a Assembleia Nacional Constituinte, questão politicamente central porque nesse contexto está a era forma política que tinham as classes dominantes e os militares com o apoio ativo dos socialdemocratas, que agora eram governo, de canalizar institucionalmente a luta e reestabelecer e estabilizar a ordem.

Será o próprio Knief quem organiza um destacamento de marinheiros revolucionários como parte do novo poder proletário armado.

Em inícios de janeiro em novas eleições para os conselhos a suma de socialdemocratas independentes, uma dissidência heterogênea dos socialdemocratas no país maioritários e os comunistas obtiveram mais representantes do que os socialdemocratas oficiais, obtendo o SPD 113, USPD 64 e comunistas 62, o que soma entre estes dois últimos 126 sobre 113 e pode servir de indicador, em certa medida, da força da esquerda radical em Bremen

Durante 26 dias se mantiveram no poder, mas desde o dia 15 de janeiro, assediados pelo governo central que cortou financiamento e alimentos e isolados, depois de liquidada a revolução em Berlin, são derrotados pelas divisão de Gerstemberg, tropas enviadas por Noske (socialdemocrata de direita que organizou a repressão aos movimentos revolucionários no país), no dia 04 de fevereiro de 1919.

Podemos destaca duas questões a mais antes de apresentar a declaração do Conselho dos Comissários do Povo de Bremen.

Em primeiro lugar, a ausência de um partido revolucionário com experiencia, fogueado na luta de classes foi um aspecto chave da derrota, assim como também o isolamento e a dificuldade de articulação no plano nacional, sobretudo depois da derrota em Berlin.

Em segundo lugar, podemos resgatar como central a criação de organismos de democracia soviética, os conselhos, organismos de auto-organização, antes da própria tomada do poder político, deste ponto de vista no marco de uma estratégia bolchevique, para garantir a participação das massas e evitar a burocratização da revolução.

 

Apresentamos a declaração do Conselho dos Comissários do Povo, datada no dia 10 de janeiro de 1919 em Bremen:

 

Habitantes de Bremen!

 

A sorte está ditada! Para não ser arrastado no afundamento do regime capitalista, o povo trabalhador de Bremen, o proletariado revolucionário tomou nas suas mãos seu próprio destino.

Proclamou-se o estado de exceção em Bremen!

Todo o poder econômico e político se encontra nas mãos do governo popular proletário.

Bremen é, além disso, uma República Socialista Independente. O Senado põe-se de pé!

Todos os cidadãos e oficiais que tenham armas deverão entregá-las a partir desta data até o sábado, 11 de janeiro, ás cinco horas da tarde, no novo distrito. Passado este prazo qualquer pessoa que seja encontrada na posse ilegal de uma arma será julgada pelo estado de exceção. Suprimem-se todas as graduações militares com efeitos imediatos.

O roubo e a pilhagem constituem crimes contra a comunidade. Qualquer pessoa surpreendida em flagrante delito será imediatamente fuzilada!

Qualquer tentativa contrarrevolucionária será considerada como crime de alta traição e significará a execução imediata do culpado.

Para se manter a segurança pública, fica decretado obrigatoriamente o recolher obrigatório às nove horas da noite, sendo também proibido servir vinho e licores nas tabernas.

Habitantes de Bremen! Todas estas medidas tendem a proteger a coletividade. Devem todos por si próprios vigiar por sua correta aplicação.

Se assim agirem, qualquer forma de guerra civil será impossível. Desta forma, está assegurada a realização de uma ordem econômica socialista que garanta o bem-estar da comunidade.

About author

No comments

DEBATE: A esquerda e Bernie Sanders

Ativistas e intelectuais debatem se a esquerda norte-americana deve apoiar a campanha presidencial de Bernie Sanders O editor do Left, Voice Juan Cruz Ferre, foi ...