Mundo Operário

II CONGRESSO CSP-CONLUTAS

ENTREVISTA: Trabalhador demitido da Comperj fala sobre o Congresso, terceirização e lutas

sábado 6 de junho de 2015| Edição do dia

Esquerda Diário - Pode se apresentar primeiro.

Meu nome é Antonio Pedro Filho, sou encanador industrial lá e demitido lá da Comperj, e estamos aí travando essas lutas, já estivemos várias vezes na esfera do governo nos reunindo lá pra ver nossa situação, mas até agora ficou só na promessa, nossos direitos foram desrespeitados, tiraram tudo nosso, nossos direitos, nossa dignidade.

Os trabalhadores lá da Comperj terceirizados foram todos demitidos, praticamente sem levar nada, o sistema da justiça do trabalho está de costas para o trabalhador e de mãos dadas com os patrões, o qual parcelou nossas recisões em 6 parcelas a partir de agosto, e um caminhão de maldades em cima, e a última só em 2016; então não tem muito a acrescentar não, só acrescentar que estamos sendo injustiçados 2 vezes, uma pelo patrão e outra pela justiça do trabalho.

ED - Como é que foi isso aí, me explica direito essa história...

A história toda é: a empresa foi pega na Lava-jato, daí ela abandonou o contrato lá na comperj e abandonou nós trabalhadores também, alegando em janeiro que tinha sido preso o dinheiro dela lá em Pernanbuco, e daí não podia arcar com o dinheiro dos trabalhadores, mas daí a justiça desbloqueou e o dinheiro não chegou até hoje na conta dos trabalhadores, nós procuramos tds os meios, justiça, enfim, tivemos também... tiveram reuniões desesperadas dos trabalhadores, fecharam a ponte Rio-Niteroi, fecharam tudo lá, por isso hoje somos conhecidos em todo o Brasil pelas nossas lutas, porque foi conhecida no Brasil e fora do Brasil, e depois disso tudo... nada foi resolvido, tivemos reunidos lá em Brasilia também com o ministro Manuel Dias, o qual se propoz também a nos ajudar, foi lá pro Rio, numa audiência lá na qual não resolveu também. Muitos trabalhadores decidiram tomar outras providências, fechar o TRT, no qual também foi dada uma sentença, que no outro dia o Juiz André Correia de Tamboré caçou também lá, a sentença da presidente do TRT e lançou a dele, que dava baixa nas nossas carteiras, mas dos nossos direitos só o fundo de garantia que já era um direito nosso, sem a multa de 40% e a recisào parcelou como eu já falei em 6 vezes, a primeira em agosto e a última em 2016.

O trabalhador não tem prazo pra comer, as grandes lojas parcelam, mas logo já põe os descontos, ele parcelou a 6 meses pra receber lá na frente, então são essas maldades, esse pacote de maldades. Hoje as pessoas dizem no Brasil que a terceirizaçào, que a PL 4330 é uma boa, mas nos somos o exemplo de q isso não presta, nào funciona, que isso é calote com os trabalhadores, com os direitos trabalhalistas e fica por isso mesmo, e a justiça não faz nada porque a justiça está com os patrões, nada funciona do nosso lado, aqui do lado dos trabalhadores, só pacote de maldades. E essas medidas que criaram, 664 e 665 são só pra tirar nossos direitos, então é tudo uma orquestra pra tirar nosso direitos, então os trabalhadores tem que se unir pra lutar contra isso tudo, dar um basta.

ED - Uma última coisa: o senhor tá aq no congresso da conlutas, a central ant-governista, qual a importancia q vc acha da luta contra a terceirização pra orientar esse congresso e ajudar a luta dos trabalhadores a avançar? 

Isso é muito importante, esse congresso é rico em informação e conscientização para os trabalhadores, conscientização pra criar as bases para lutar contra esses pacotes de maldades todos, esse congresso é mto importante, ele é rico em informação para os trabalhadores, os trabalhadores precisam de muita informação, aqui é o caminho certo, pra todas as categoria e as bases dos sindicatos.

ED - Mas o senhor acha que a luta contra a terceirização tem que ser assumida por todos os trabalhadores, mesmo os que não são terceirizados? E como fazer isso?

Isso é o ponto principal, porque as pessoas que não são terceirizadas são as que tem estabilidade no emprego, tem todos os seus direitos garantidos; terceirização é viver desempregado e tudo que pode imaginar de maldade que acontece. Para o terceirizado é tudo pior, terceirizado não tem direito a nada, para começar pela condução, pelo plano de saúde, é tudo de péssima qualidade, e daí vamos cair nos direitos que daí nem se fala, é tudo uma sacanagem só.

ED - Muito obrigada.




Tópicos relacionados

CSP-Conlutas   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar