Política

GOVERNADOR DESTRÓI PATRIMÔNIO PÚBLICO

Witzel quer aterrar estação superfaturada de metrô na gávea ao custo de R$ 300 milhões

quinta-feira 5 de setembro| Edição do dia

O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC) afirmou nesta quinta-feira, 5, que a estação de metrô inacabada da Gávea, na zona sul do Rio, será aterrada. O motivo é o alto custo previsto para a conclusão da obra, em torno de R$ 1 bilhão. Integrante da Linha 4 do metrô carioca, a obra está parada desde 2015.

"Eu fiz vários estudos na tentativa de concluir a obra. Infelizmente, o custo com aquela obra é de R$ 1 bilhão ou até mais. Nós não temos esse dinheiro", argumentou Witzel. Segundo o governador, "é mais fácil aterrar e no futuro, quem sabe, se tiver dinheiro, se faz o metrô. Infelizmente temos outras prioridades neste momento". Assim, o governador do Rio mostra que não está nem aí para o transporte público e o patrimônio do povo. Enquanto concedem milhões de isenções fiscais para empresas como a Ambev, Witzel afirma sem nenhum constrangimento que quer gastar R$ 300 milhões para destruir uma obra de transporte público cujo custo até o momento foi de R$ 1 bilhão. E Witzel quer simplesmente destruí-la.

A Linha 4 do metrô começou a ser construída em 2010 e foi inaugurada, às pressas e sem todo o projeto original concluído, poucos dias antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio-2016. A Linha liga a zona sul do Rio à zona oeste. A obra custou quase R$ 10 bilhões aos cofres públicos e, segundo o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), foi superfaturada em R$ 1,3 bilhão. Assim, os políticos e os capitalistas já lucraram muito, roubando dos trabalhadores. Os recursos que foram desviados seriam mais do que suficientes para concluir a obra.

É fundamental a estatização de todo o sistema de transporte sob controle dos trabalhadores e usuários, tirando da mão de parasitas como as empreiteiras e seus agentes no Estado, como Witzel.




Tópicos relacionados

Wilson Witzel   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Rio de Janeiro   /    Metrô   /    Política

Comentários

Comentar