Educação

EDUCAÇÃO

Weintraub usa dados do PISA para fazer propaganda enganosa: o que os dados revelam sobre a educação?

A OCDE divulgou dados sobre a situação da educação no Brasil. Weintraub não demorou para fazer demagogias com os números, atacando os governos petistas e dizendo que "agora irá mudar". Mas, afinal, qual a verdadeira discussão atrás desses dados e porque Bolsonaro vai piorá-los?

terça-feira 3 de dezembro de 2019| Edição do dia

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou os dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) sobre Educação no mundo. Os dados apontam uma questão que, ainda que não seja nova, é necessário debater diante do governo Bolsonaro e da proposta de destruição que está colocado para o ensino superior, básico e inicial no país.

Weintraub, ministro da Educação de Bolsonaro, não demorou para utilizar os dados divulgados pela OCDE para fazer demagogia, tentando se defender do fato concreto que é: o governo Bolsonaro é um verdadeiro inimigo da educação do país.

Com os cortes da educação, anunciados por Weintraub em maio, milhares de jovens se colocaram nas ruas contra esta medida que, associada ao Future-se, significaria o fim da universidade pública. Este projeto está intimamente ligado à destruição da pesquisa e dos centros de excelência no Brasil, priorizando pesquisas "rentáveis" para grandes empresas e entregando o ramo da Educação, reconhecidamente lucrativo, nas mãos de grande monopólios que buscam lucrar cada vez mais.

Contudo, os dados não são favoráveis ao governo Bolsonaro, ainda que Weintraub tente resgatar o sentimento anti-petista pra mostrar que "em sua gestão será diferente". O relatório da OCDE mediu também a desiguladade, apresentando um índice do desempenho de alunos mais pobres em relação aos mais ricos.

Relembre: Weintraub admite que corte na educação foi usado para comprar parlamentares

Este índice é medido da seguinte forma: quanto mais próximo de 1, mais próximo é o resultado desses grupos e quanto mais próximo de 0, mais evidente está a diferença entre o nível educacional de quem tem dinheiro e quem não tem.

No Brasil, Em Matemática, esse índice está em 0,26 e em Leitura, o valor está em 0,45. Ou seja, alunos mais pobres, comparados aos ricos, possuem maior dificuldade de fazer operações matemáticas básicas ou entenderem uma ideia central de um texto. De todo o relatório, este é o índice que é mais importante e que coloca abaixo esta "teoria" de Weintraub de que com Bolsonaro será diferente.

Veja também: Depois de reter verbas, Weintraub usa recursos do MEC sem um projeto sólido para a educação

As escolas públicas no Brasil possuem uma infraestrutura precária: dados mostraram que 16% das escolas não possuem instalações sanitárias básicas. Estes dados são revelados pelo Censo Escolar 2018, do Instituto Nacional Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que apontou que das 181,9 mil escolas da educação básica (ensino infantil, fundamental e médio), 16% não possuem banheiro dentro do prédio da escola; 49% não possuem ligação com rede de esgoto; 26% não tem água encanada; e 21% não contam com coleta periódica de lixo.

A contra cara da privatização: Máfia das creches em SP usou ONGs de fachada para desviar milhões da educação infantil

Este cenário não está em oposição ao drama que vivem os professores. Com jornadas extensas, que não se restringem ao ambiente escolar. Atualmente, o salário médio de professor de uma escola pública é de R$2.557, contando que irá conseguir obter carga horário total, o que nem sempre pode ser possível. Em 2018, entre filas intermináveis na atribuição de aulas para os professores do estado de São Paulo, dezenas não conseguiram pegar aulas e na prática ficaram sem emprego e sem salário.

Turmas lotadas e salas fechadas, falta de infra estrutura e salários de fome é parte do que torna os dados da OCDE alarmantes quanto ao desempenho dos alunos. Ao lado disso, a direita com o "Escola Sem Partido" e suas variações, avançam contra a liberdade do professor em debater questões fundamentais do cotidiano dos alunos, como gênero, sexualidade, racismo, entre outros temas fortemente combatidos pela extrema-direita reacionária e conseradora.

Weintraub volta a atacar com a "história do esquerdismo" na Educação, mostrando que por trás de seus ataques ideológicos existe um projeto de educação tecnicista, que pode debates fundamentais do cotidiano dos alunos, perseguindo professores e fomentando ainda mais escolas militares, ao lado de Paulo Guedes, o cabeça das privatizações, que já se mostrou ligado aos monopólios da educação no Brasil.

Veja também: Bolsonaro e Guedes querem acabar com obrigação do governo de construir escolas

Ainda que Bolsonaro e Weintraub afirmem não serem "responsáveis", é necessário destacar que no governo Lula os monopólios da educação tiveram portas abertas no país. A Kroton, um dos principais monopólios de Educação privada no país, encontrou terreno fértil no governo Lula, através de programas de financimanto para estudantes do ensino superior como o Fies.

De 2010 a 2015, os governos petistas gastaram mais de 30 bilhões de reais para pagar as mensalidades de 1,5 milhão de estudantes. O dinheiro dessas mensalidades nesta parceria valiosa para as empresas privadas foi integralmente e diretamente para o caixa das faculdades privadas brasileiras.

Agora, os grandes monopólios anseiam avançar para outros setores da educação, como o ensino básico e fundamental, elevando seus lucros cada vez mais.

Parte do projeto Bolsonaro, o projeto do golpe Institucional, é avançar ainda mais com o sucateamento do ensino público, fomentando grandes empresas para que lucrem cada vez mais com um direito básico. Com a crise, a educação será cada vez mais, bem como a previdência e a saúde, um ramo lucrativo para os capitalistas.

Neste sentido, com Future-se e cortes do MEC, que afetam também ensino básico, ao contrário das mentiras contadas por Weintraub e Bolsonaro, há todo um caminho a ser tratorado por essas grandes empresas, para sugarem tudo que for possível dos trabalhadores, jovens e crianças brasileiras, penalizando justamente os mais pobres, que mais precisam do ensino público.

Os trabalhadores e a juventude não podem cair no conto dessa extrema-direita que avança pra privatizar as estatais de todas as ordens, e até mesmo praias e parques brasileiros, como os Lençóis Maranhenses. Tampouco, podem se contentar com o projeto lulista, que não tem nenhuma viabilidade de ser "resgatado", onde gigantes da educação fizeram a farra com dinheiro e direitos dos brasileiros. É necessário avançar por mais, questionando as bases da educação, a elitização das escolas, batalhando pela estatização de todas as escolas e universidades privadas, garantindo que haja escola para todos e que este não seja mais um privilégio, e sim um direito fundamental e básico.




Tópicos relacionados

Abraham Weintraub   /    Weintraub   /    Governo Bolsonaro   /    Educação   /    Privatização   /    Lula   /    Educação

Comentários

Comentar