Sociedade

VACINA PARA COVID-19

Voluntário brasileiro que faleceu havia tomado o placebo e não a vacina, diz Globo

João Pedro Feitosa morreu nesta quarta-feira (21) por complicações da Covid-19. O jovem fez parte do grupo que tomou placebo, ou seja, não tomou a dose imunizante, segundo a Globo. Ele era médico recém-formado. Além de uma atuação como médico em postos contra a Covid-19, também foi voluntário para a fase 3 da vacina inglesa no Brasil.

quinta-feira 22 de outubro| Edição do dia

O jovem de 28 anos morreu por complicações da Covid-19, porém a Anvisa afirma não ter motivos para interromper o procedimento, mantendo em avaliação. Após a avaliação do comitê independente os testes continuaram. As informações se mantêm em sigilo pela AstraZeneca e Oxford.

O estudo realizado é baseado em um divisão em dois grupos dos voluntários, onde 50% recebe o imunizante em desenvolvimento e os outros 50% o placebo, o chamado estudo randomizado e cego.

Especialistas afirmam que casos como esse podem acontecer em testagem, por diversos motivos que não se ligam com o desenvolvimento da pesquisa.

No Brasil, essa pesquisa é a principal aposta para o governo Bolsonaro para a vacinação contra a Covid-19, em contraposição com a Coronavac, vacina chinesa que o governo federal nega a ter como possibilidade.

Leia também: Contra Bolsonaro e Doria, defendemos a vacina gratuita para todos que queiram

O Ministério da Saúde prevê uma destinação de mais de 1,9 bilhões de reais para projeto AstraZeneca e a Oxford, e espera oferecer 100 milhões de doses da vacina no primeiro semestre, caso os estudos confirmem sua eficácia e segurança.




Tópicos relacionados

Vacinação   /    COVID-19   /    Coronavírus   /    Governo Bolsonaro   /    João Doria   /    Ciência e Tecnologia   /    China   /    Sociedade   /    Política

Comentários

Comentar