Mundo Operário

Privatização da Cedae

Vitória dos Cedaeanos: Alerj derruba veto que permitia privatização da empresa!

Após várias manobras para esvaziar o quórum da Alerj, pressão dos trabalhadores obriga Alerj a derrubar o veto de Pezão ao projeto de lei que impedia a venda da empresa.

quarta-feira 5 de dezembro| Edição do dia

Em setembro, após a pressão dos servidores, a Alerj tinha aprovado uma emenda que impedia a privatização da CEDAE. Entretanto, dias depois o governador Pezão vetou a proposta. Apesar disso, após mobilização, os servidores impuseram a derrubada do veto, com 44 votos a favor.

Entenda a privatização

A privatização da CEDAE foi parte do acordo para o Regime de Recuperação Fiscal. O acordo impõe uma série de medidas como a privatização de empresas e o congelamento dos servidores, a troco de adiar a dívidas com juros. Neste sentido a CEDAE seria privatizada por cerca de 3 bilhões de reais, um valor 20 vezes menor do que a quantidade de dívidas que as empresas tinham com o estado em 2015.

Essa mesma Alerj tinha aprovado a privatização em fevereiro do ano passado, após uma heróica greve que atraiu a simpatia de outros categorias e da população carioca; Após uma série de brigas, caiu o veto a uma emenda que impedia a privatização. Apesar da vitória parcial, não podemos nos enganar, pois com Bolsonaro e Witzel a tendência é virem ataques ainda mais pesados! O próprio Dornelles, que está no cargo de governador após a prisão de Pezão, já anunciou que vai recorrer judicialmente! Porém, precisamos nos apoiar na moral dos servidores da CEDAE que lutaram bravamente para poder enfrentar os ataques! Veja algumas fotos da greve do ano passado, em que o Esquerda Diário esteve ombro a ombro com os trabalhadores:

JPEG - 95.4 KB
JPEG - 68.6 KB
JPEG - 79.5 KB
JPEG - 87.7 KB
JPEG - 75.2 KB
JPEG - 53.9 KB
JPEG - 49.5 KB

Pelo não pagamento da dívida pública!

Não a privatização da CEDAE! A CEDAE é do povo! Por uma CEDAE 100% estatal, geridas pelos trabalhadores e com controle da população!




Tópicos relacionados

CEDAE   /    Luiz Fernando Pezão   /    Rio de Janeiro   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar